PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Neto cobra desconvocação de B. Henrique após problema com CNH em blitz

Bruno Henrique faz sinal de VAR durante Del Valle x Flamengo pela Recopa Sul-Americana - REUTERS/Daniel Tapia
Bruno Henrique faz sinal de VAR durante Del Valle x Flamengo pela Recopa Sul-Americana Imagem: REUTERS/Daniel Tapia

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/03/2020 13h52

Para Neto, Bruno Henrique não deve defender a seleção brasileira nos primeiros jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. Convocado por Tite para os jogos contra Bolívia e Peru, que podem ser adiados por conta da pandemia do novo coronavírus, o atacante apresentou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa em uma blitz policial no Rio de Janeiro.

Na abertura do Os Donos da Bola de hoje, o apresentador recordou a não convocação de Douglas Costa, no final de 2018, por conta uma lesão e uma cusparada, e cobrou a mesma punição ao jogador do Flamengo. Neto ainda citou a convocação de Neymar para a Copa América após agredir um torcedor na final da Copa da França.

"Eu só queria falar uma coisa em relação ao Tite e à seleção brasileira: Quando o Douglas Costa cuspiu no rosto do jogador, o Tite chegou e tirou o rapaz da convocação. Aí o Bruno Henrique foi detido pela polícia do Rio de Janeiro, e a polícia falou que a carteira dele é falsa. Se ele estava embriagado ou não, é outra coisa, aí a Justiça que tem que determinar. Se aconteceu isso com ele, você não pode convocar ele para a seleção brasileira. Você não tem que levar o Bruno Henrique enquanto ele não ajeita a situação dele", opinou o ex-jogador.

"Tite, se você teve essa atitude com o Douglas Costa, coisa que você não teve com o Neymar... Parece que você tem só com algumas pessoas, só a 'família Tite'. (...) Bruno Henrique, se você fez isso, pede desculpas, até porque você está num momento tão maravilhoso na sua carreira, tão incrível, ser um dos melhores jogadores do mundo", completou Neto.

Bruno Henrique foi parado em uma blitz da Lei Seca na madrugada de 29 de fevereiro, na Barra da Tijuca. Na ocasião, a polícia informou que ele apresentou uma CNH que não constava no sistema do Detran (Departamento de Trânsito) do Rio.

O jogador do Flamengo ainda teria se recusado a fazer o teste do bafômetro para descobrir se havia álcool em sua corrente sanguínea no momento da blitz.

UOL Esporte vê TV