PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Nike se diz "profundamente preocupada" com acusações contra Rogério Caboclo

Rogério Caboclo, presidente da CBF - Lucas Figueiredo/CBF
Rogério Caboclo, presidente da CBF Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

05/06/2021 12h59Atualizada em 05/06/2021 17h54

Principal patrocinadora da seleção, a Nike afirmou estar "profundamente preocupada" com a denúncia de assédio sexual contra o presidente da CBF, Rogério Caboclo, feita por uma funcionária da entidade. A empresa norte-americana classificou as acusações como "graves". É o sexto patrocinador da seleção a se manifestar pedindo uma investigação do caso.

No mês passado, a Nike afirmou ter rompido o contrato com Neymar em 2020 por causa de uma acusação de assédio sexual contra o jogador feita por funcionária da empresa. Ele não teria colaborado com as investigações da Nike sobre o caso. Neymar nega a acusação.

A empresa é a principal fonte de renda da CBF e mantém a parceria desde a década de 90. O contrato atual vai até 2026. A empresa manifestou-se da seguinte forma sobre Caboclo:

"A Nike está profundamente preocupada com as graves acusações feitas ao presidente da CBF. Seguimos acompanhando de perto à apuração do caso e qualquer investigação futura. Esperamos que todas as descobertas sejam acionadas rapidamente", afirmou a assessoria da Nike.

A manifestação é parecida com os outros cinco patrocinadores que falaram do caso, Itaú, GOL, Mastercard, Vivo e Ambev. Entres os vice-presidentes da CBF, há preocupação que o escândalo de Caboclo afete os patrocínios.

O comitê de ética da CBF abriu investigação sobre Caboclo. Ele negou a acusação em nota.

Outros patrocinadores também se manifestaram

As marcas parceiras da CBF têm se manifestado desde ontem (4) sobre o caso envolvendo o presidente da entidade. Além da Nike, outras cinco disseram estar atentas ao desenrolar da acusação de assédio formalizada contra Rogério Caboclo.

Itaú

"O Itaú Unibanco recebe com preocupação as acusações divulgadas nesta sexta-feira envolvendo o presidente da CBF. Na qualidade de patrocinador oficial da Seleção Brasileira de Futebol, o banco acompanhará de perto a apuração do caso e espera que a investigação seja profunda e célere."

Mastercard

Nós estamos cientes e preocupados com as sérias alegações. Continuaremos acompanhando a situação, esperamos que as investigações sejam profundas e rápidas."

Ambev

"Estamos acompanhando atentamente as informações sobre o caso. Manifestamos nossa profunda preocupação com os relatos divulgados, pois reportam práticas que não toleramos. Seguimos atentos à apuração do caso e esperamos uma análise com a seriedade e rapidez que a situação requer."

GOL

"A GOL tomou conhecimento e tem preocupações sobre as acusações contra o presidente da CBF. A Companhia, na condição de patrocinadora da Seleção Brasileira, irá acompanhar de perto as apurações e desdobramentos do caso".

Vivo

"A Vivo está acompanhando com atenção as apurações sobre o caso, por se tratar de uma denúncia que reporta situações que não condizem com os valores da empresa. A Vivo repudia qualquer ato de assédio ou discriminatório."

Rodrigo Mattos