PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Acordos da Copa América exigem astros presentes, Conmebol teme por Neymar

Neymar em jogo pela seleção Brasileira - (Foto: Arquivo / Lucas Figueiredo / CBF)
Neymar em jogo pela seleção Brasileira Imagem: (Foto: Arquivo / Lucas Figueiredo / CBF)
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

05/06/2021 04h00

Os acordos comerciais feitos para a Copa América - patrocinadores e sedes - têm previsão que as principais estrelas estejam presentes. Jogadores como Messi, Suárez e Neymar são vistos como essenciais para manter o valor da competição e reduzir prejuízos. Por isso, há uma preocupação na Conmebol sobre uma possível ausência de Neymar que está entre os jogadores da seleção que discutem a presença na competição.

Na quinta-feira, em entrevista coletiva, o técnico da seleção Tite deixou implícito que havia um incômodo entre os jogadores sobre a Copa América. Houve uma reunião na quarta-feira em que os jogadores cobraram o dirigente pela realização da competição no Brasil. Não foi falado em boicote, mas essa possibilidade estava presente.

Pois bem, historicamente, os contratos da Conmebol preveem que as federações nacionais são obrigadas a apresentar seus times principais na Copa América. Isso foi revelado durante os escândalos de subornos a dirigente por contratos da competição, em investigação feita pelo Departamento de Estado dos EUA. Essa cláusula tinha como objetivo valorizar a competição com todas as estrelas das seleções quando havia dificuldade de liberação de times europeus.

Os acordos comerciais da Conmebol para Copa América atuais também preveem que todas as estrelas têm que estar presentes, segundo apurou o blog. O mais importante para os organizadores é a presença de jogadores como Messi, Suárez e Neymar. Outros titulares da seleção são menos relevantes desde que tenha um conjunto de jogadores importantes com as estrelas.

Por isso, há uma apreensão na Conmebol se atletas como Neymar entrarão em campo. Há um monitoramento de perto da negociação da diretoria da CBF com os jogadores para entender quais times estarão em campo. O mesmo ocorreria no caso de uma ausência de Messi. Em menor escala, isso se repete com Suárez.

Caso o atleta decida não atuar, haverá um prejuízo finaceiro considerável para a Copa América. Com isso, contratos podem vir a ser renegociados. A Conmebol, no momento, entende que ainda pode realizar a Copa América no Brasil com pequeno prejuízo apesar de não ter venda de ingressos. Caso ocorra um boicote, e as estrelas não estejam presentes, a tendência é esse buraco aumentar. Mas há firme disposição da Conmebol de realizar a competição de qualquer jeito.

Rodrigo Mattos