PUBLICIDADE
Topo

Blog do Rodrigo Mattos


Com aval de clubes, Fair Play da CBF deve ter punição dura a partir de 2022

Sede da CBF: confederação quer aplicar medição de fair play financeiro em etapas - Pedro Ivo Almeida/UOL
Sede da CBF: confederação quer aplicar medição de fair play financeiro em etapas Imagem: Pedro Ivo Almeida/UOL
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

22/02/2020 04h00

A CBF negociou com os departamentos financeiros dos clubes neste ano o modelo do Fair Play financeiro que passa a valer em 2020. Com a fórmula concluída, vai apresentar as regras definidas em reunião após o Carnaval. De acordo com o cronograma proposto, no entanto, o futebol brasileiro só deve se esperar punições severas a partir de 2022. Os anos anteriores de adaptação.

O modelo de Fair Play brasileiro tem inspiração na Europa e foi traçado pelo economista Cesar Grafietti a pedido da CBF. O objetivo final é tornar os clubes mais saudáveis financeiramente, isto é, levá-los a gastar apenas dentro das suas possibilidades de receitas.

As regras foram discutidas com a Associação Brasileira de Executivos Financeiros do Futebol, que reúne os dirigentes dos maiores times do Brasil. Segundo apurou o blog, houve um apoio da maioria dos clubes. Clubes como São Paulo, Flamengo, Palmeiras, Internacional e Grêmio se mostraram bastante participativos e ajudaram nas construções das regras.

Mas houve, sim, resistência de alguns outros clubes que estavam preocupados com as limitações de gastos que poderiam gerar pressão de suas torcidas. Há uma avaliação na CBF de que regulamentos externos podem justamente pressionar os clubes a serem mais responsáveis, independentemente da pressão pela gastança de torcedores.

Ao final, prevaleceu o aval dado pela maioria dos clubes. Na semana passada, o secretário-feral da CBF, Walter Feldman, confirmou a implantação do programa este ano. Havia uma questão de prazo, pois uma reunião definitiva com os clubes tem que ser feita antes de março para valer para esta temporada. Questionado pelo blog, Feldman informou que o encontro "vai ser rápido". Há expectativa de que os clubes já sejam informados no Conselho Técnico, no dia 27 de fevereiro.

E o que valerá já neste ano? A CBF já tem um departamento analisando os documentos financeiros de 2019. São verificados balancetes trimestrais, balanços anuais e orçamentos. A entidade começará a já dar orientações e advertências para os clubes que não cumprirem as regras estabelecidas.

A partir dos resultados, a confederação pretende traçar um plano de ação com os clubes para que estejam prontos para atingir as metas nos balanços de 2021. A partir da temporada seguinte, estariam previstas as punições. Mas o cumprimento deste cronograma depende da vontade política da diretoria da CBF.

Blog do Rodrigo Mattos