Rafael Reis

Rafael Reis

Siga nas redes
Reportagem

7 técnicos estrangeiros que podem trabalhar no Brasil no próximo ano

O português Abel Ferreira ganhou o Campeonato Brasileiro pelo segundo ano consecutivo com o Palmeiras, o igualmente luso Pedro Caixinha manteve o Red Bull Bragantino na briga pelo título até as rodadas finais, o argentino Ramón Díaz comandou o Vasco em uma arrancada para escapar do rebaixamento e o também "hermano" Juan Pablo Vojvoda fez do Fortaleza vice-campeão da Copa Sul-Americana.

Ainda que já não sejam mais aquela febre de algum tempo atrás, os treinadores estrangeiros continuam mandando muito bem no futebol pentacampeão mundial. E, por isso, certamente novos profissionais serão importados por nossos clubes na próxima temporada.

O "Blog do Rafael Reis" antecipa abaixo sete técnicos nascidos em outros países que têm boas chances de aparecer no Brasil em 2024. Alguns deles, aliás, até já foram procurados por dirigentes de times da Série A.

JORGE ALMIRÓN
Argentino, 52 anos, sem clube

Imagem
Imagem: Divulgação Conmebol

Ainda que aos trancos e barrancos, conseguiu levar o limitado time do Boca Juniors até a final da Copa Libertadores da América e ainda vendeu caro a derrota para o anfitrião Fluminense na decisão. É verdade que Almirón peca no trabalho ofensivo, mas o treinador argentino é um mestre na arte de montar defesas. E, como não classificou o time xeneize para a próxima temporada do torneio continental, perdeu o emprego e agora está à espera de uma nova oportunidade.

PAULO FONSECA
Português, 50 anos, Lille (FRA)

Imagem
Imagem: Cosimo Martemucci/Sopa Images/Getty Images

Faz parte do primeiro escalão dos treinadores portugueses contemporâneos. Logo, tem um salário compatível com apenas alguns poucos clubes do Brasil, como Flamengo, Palmeiras, Corinthians, São Paulo e cia. Paulo Fonseca ganhou três títulos ucranianos com o Shakhtar Donetsk, teve uma passagem bem razoável pela Roma e atualmente dirige o Lille, quarto colocado no Campeonato Francês e clube com o qual tem contrato até junho. Ou seja, é mais uma opção para o segundo semestre do que alguém para ser contratado de imediato.

Continua após a publicidade

LUIS ZUBELDÍA
Argentino, 42 anos, LDU (EQU)

Imagem
Imagem: Ernesto Ryan/Getty Images

Técnico mais jovem da história a trabalhar na primeira divisão argentina, Zubeldía já tem 15 anos de carreira, apesar de ainda estar começando a vida como 'quarentão'. O veterano precoce já dirigiu equipes de Equador, México, Colômbia, Paraguai e até teve uma rápida experiência à frente do Alavés, da Espanha. O clube que mais dirigiu foi o Lanús, pelo qual foi vice-campeão da Copa Sul-Americana de 2020. Neste ano, à frente da LDU, retornou à decisão do torneio continental, contra o Fortaleza, e conquistou o título que antes havia lhe escapado.

FERNANDO GAGO
Argentino, 37 anos, sem clube

Imagem
Imagem: Divulgação Aldosivi

O ex-volante do Real Madrid fez um trabalho dos mais elogiados no comando do Racing. Durante dois anos (de outubro de 2021 a outubro de 2023), Gago conseguiu resultados expressivos, com direito a dois títulos menores (Troféu dos Campeões e Supercopa Internacional) e um vice-campeonato nacional. Em outubro, após uma sequência com apenas uma vitória em cinco partidas, deixou o cargo. Livre de amarras contratuais, já tem sido especulado no Cruzeiro.

Continua após a publicidade

ANDRÉ VILLAS-BOAS
Português, 46 anos, sem clube

Imagem
Imagem: Getty Images

Apelidado de "Baby Mourinho" no começo de carreira, o ex-comandante de Chelsea, Tottenham e Olympique de Marselha já chegou a abrir negociações com São Paulo e Flamengo em anos anteriores. No momento, Villas-Boas resolveu interromper a carreira de treinador para se lançar como candidato de oposição à presidência do Porto. Mas se não conseguir emplacar seu nome para participar das eleições marcadas para abril ou se for derrotado no pleito, ele ficará novamente à disposição para voltar ao banco de reservas.

JORGE BAVA
Uruguaio, 42 anos, Liverpool (URU)

Imagem
Imagem: EFE

Para os clubes que não têm tanto espaço assim no orçamento, o ex-goleiro da seleção uruguaia pode ser uma aposta bem interessante. Bava estreou como técnico há apenas dois anos e só dirigiu um time. Mesmo sem experiência prévia na função, transformou o Liverpool em um adversário á altura de Peñarol e Nacional, as duas forças mais tradicionais do Uruguai. Neste ano, Bava já ganhou o título do Torneio Intermedio e fez a melhor campanha na soma dos três turnos do Campeonato Uruguaio. Com isso, já está classificado para a decisão da competição.

Continua após a publicidade

MARTÍN ANSELMI
Argentino, 38 anos, Independiente del Valle (EQU)

Imagem
Imagem: Divulgação

Mesmo jamais tendo vencido uma Libertadores, o Del Valle conseguiu se transformar em um dos clubes mais influentes do futebol sul-americano na atualidade. Por isso, o trabalho de Anselmi vem sendo bastante acompanhado pelos dirigentes brasileiros. Ex-auxiliar de Miguel Ángel Ramírez, inclusive no Internacional, o ex-jornalista argentino conquistou a Copa Sul-Americana sobre o São Paulo em 2022 e faturou dois títulos neste ano. Mesmo com a queda de rendimento do Del Valle nos últimos meses, seu nome continua em alta no cenário continental.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes