PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como mãe de Mbappé virou uma das mulheres mais poderosas do futebol mundial

Kylian Mbappé e a mãe, Fayza Lamari, que é a sua empresária - Reprodução
Kylian Mbappé e a mãe, Fayza Lamari, que é a sua empresária Imagem: Reprodução
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

08/05/2022 04h00

As diretorias de Paris Saint-Germain e Real Madrid passaram os últimos meses fazendo de tudo para agradar Fayza Lamari.

Assim como algumas outras estrelas do primeiro escalão do futebol mundial, como Lionel Messi e Neymar, Kylian Mbappé também entregou a gestão da sua carreira a um familiar. Mas, ao contrário deles, o jovem atacante não escolheu o pai como empresário.

Quem negocia os próximos passos que serão dados pelo campeão da Copa do Mundo-2018 é sua mãe, uma ex-jogadora de handebol de origem argelina que chegou a ter algum destaque no cenário esportivo francês na virada do século.

É Lamari quem guarda a chave da resposta para a maior das questões que serão respondidas na próxima janela de transferências do futebol europeu: Mbappé renovará contrato com o PSG ou se mandará para o Real Madrid?

Na semana passada, a mãe/empresário se irritou com a informação divulgada pelo jornal espanhol "Marca" de que teria aceitado uma proposta de 200 milhões de euros (R$ 1,1 bilhão), diluídos em dois anos, para renovar até 2024 com o time francês.

"Não há um princípio de acordo com o Paris Saint-Germain (ou qualquer outro clube). As discussões sobre o futuro de Kylian continuam em clima de grande serenidade para permitir que ele faça a melhor escolha, com respeito a todas as partes", escreveu Lamari, em seu perfil no Twitter.

Famosa por ser durona nas negociações, a matriarca dos Mbappé já entrou em atritos com o comando do Real, time para o qual seu filho torcia durante a adolescência e que ainda é tratado como favorito para ser a casa do atacante a partir da próxima temporada.

O clube espanhol chegou a contratar intermediários para negociar com a empresária porque se cansou de, a cada reunião com ela, ouvir valores maiores de salário, bonificações e luvas como exigência para acertar a transferência para a Espanha.

Além do atacante mais desejado da atualidade, Lamari tem mais um filho jogador: o meio-campista Ethan Mbappé, de 15 anos, que atua nas categorias de base do PSG e na seleção francesa sub-16. Evidentemente, é ela quem administra a carreira do caçula.

Os dois filhos boleiros de uma das mulheres mais poderosas do futebol mundial são frutos do casamento com o ex-jogador e técnico camaronês Wilfried Mbappé, que era seu braço-direito nos negócios. Eles se separaram no ano passado. Após o divórcio, a matriarca ficou sozinha na função de empresária.

Após ser superado pelo Lille na temporada passada e ver sua hegemonia no futebol francês ser interrompida, o PSG já recolocou a casa em ordem e conquistou o título desta edição da Ligue 1 com cinco rodadas de antecipação.

A equipe da capital ainda tem mais três jogos antes das férias de meio de ano. Hoje, a partir das 15h45 (de Brasília), recebe o Troyes. Depois, visita o Montpellier e encerra sua participação em 2021/22 contra o Metz, novamente em casa.

Dependendo da decisão de Lamari, essas serão as três últimas apresentações de Mbappé com a camisa parisiense. Em cinco anos jogando na capital francesa, seu filho disputou 214 partidas e marcou 167 gols, marca suficiente para fazer dele o segundo maior artilheiro de toda a história do clube.