PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por onde andam 7 'professores' que venceram a Champions e desapareceram?

Frank Rijkaard orienta Messi durante vitoriosa passagem pelo Barcelona - Efe
Frank Rijkaard orienta Messi durante vitoriosa passagem pelo Barcelona Imagem: Efe
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

15/10/2021 04h00

No dialeto particular praticado por quem trabalha com futebol, professor não é aquela pessoa que fica na sala de aula, mas, sim, o técnico de uma equipe. E, realmente, não é difícil estabelecer um paralelo entre as duas carreiras.

Esses dois profissionais, normalmente, são mais velhos que seus alunos/jogadores e têm como missões principais ensiná-los algum conteúdo (matemática, história e tática) e orientá-los sobre como tomar as melhores decisões nos momentos em que elas forem necessárias.

Por isso, no Dia do Professor, o "Blog do Rafael Reis" homenageia os mestres que ficam à beira do campo tentando fazer seus atletas entenderem suas mensagens e mostra os paradeiros de sete técnicos que alcançaram o auge ao vencer a Liga dos Campeões da Europa e hoje andam um tanto quanto desaparecidos do radar do futebol internacional.

FRANK RIJKAARD
Holandês
59 anos
Campeão com o Barcelona (2005/06)

Astro da seleção da Holanda nas décadas de 1980 e 1990, viveu seu auge como treinador entre 2003 e 2008, época em que comandou um Barcelona que tinha "apenas" Ronaldinho Gaúcho e Lionel Messi. Com dois craques dessa estirpe no elenco, ganhou duas edições do Campeonato Espanhol e uma Champions. Mas, após a passagem pela Catalunha, Rijkaard nunca mais conseguiu um emprego de primeiro escalão como treinador. Ele dirigiu durante um ano e três meses o Galatasaray e se aposentou dos bancos de reservas em 2013, no comando da seleção da Arábia Saudita. Depois, ainda trabalhou como consultor de desenvolvimento de jogadores para uma escola norte-americana.

ROBERTO DI MATTEO
Italiano
51 anos
Campeão com o Chelsea (2011/12)

Roberto di Matteo (Chelsea) - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Auxiliar de André Villas-Boas, assumiu o comando do Chelsea interinamente, em março de 2012, após a demissão do técnico português, com a missão única de tocar o barco até o fim da temporada. Mas o que era para ser apenas uma curta viagem de transição virou o primeiro título de Liga dos Campeões da história do Chelsea. Mesmo com a taça e a gratidão eterna dos torcedores, Di Matteo não durou muito nos Blues e perdeu o emprego antes mesmo da virada do ano (novembro). Depois, teve um trabalho razoável pelo Schalke 04 e uma passagem desastrosa pelo Aston Villa. O italiano não está aposentado, mas também não trabalha como técnico desde 2016.

ALEX FERGUSON
Escocês
79 anos
Campeão com o Manchester United (1998/99 e 2007/08)

Alex Ferguson, na época de técnico do Manchester United - Clive Brunskill/Getty Images - Clive Brunskill/Getty Images
Imagem: Clive Brunskill/Getty Images

Um dos treinadores mais importantes da história, passou 27 anos comandando o Manchester United e viu seu nome se transformar em sinônimo do clube. Ao longo dessas quase três décadas à frente dos Red Devils, Sir Alex Ferguson conquistou incríveis 13 títulos do Campeonato Inglês e disputou quatro finais de Champions. Em 1999 e 2008, levantou o caneco. Mas, em 2009 e 2011, foi derrotado pelo Barcelona. Aposentado desde 2013, Ferguson continua sendo uma figura frequente nas arquibancadas de Old Trafford e faz parte do conselho administrativo que gerencia o United. Recentemente, foi figura importante na recontratação de Cristiano Ronaldo, um dos grandes ídolos da "era Ferguson".

ARRIGO SACCHI
Italiano
75 anos
Campeão com o Milan (1988/89 e 1989/90)

Arrigo Sacchi, na época em que era técnico do Parma - Claudio Villa / GRAZIA NERI - Claudio Villa / GRAZIA NERI
Imagem: Claudio Villa / GRAZIA NERI

O italiano foi o técnico mais badalado do planeta na virada da década de 1980 para os anos 1990. Nesse período, ele montou o "Milan holandês", de Marco van Basten, Ruud Gullit e Frank Rijkaard, que ganhou o título italiano em 1988 e emendou duas conquistas europeias, em 1989 e 1990. Adepto de um futebol bem mais ofensivo do que aquele que então era praticado na Itália (com pressão alta e alternância entre posse de bola e contra-ataques), Sacchi ditou moda e influenciou toda uma geração de treinadores. Seu último trabalho como técnico foi com o Parma, em 2001, onde também estreou como dirigente. Depois, foi diretor de futebol do Real Madrid no meio do "projeto galáctico". Seu último trabalho antes da aposentadoria foi como chefe das categorias de base da seleção italiana, função que exerceu entre 2010 e 2014.

OTTMAR HITZFELD
Alemão
72 anos
Campeão com o Borussia Dortmund (1996/97) e com o Bayern (2000/01)

Otmar Hitzfeld (Bayern de Munique) - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Vencer a Champions com um time é uma tarefa muito difícil. Agora, ganhar o principal torneio interclubes do planeta com dois clubes diferentes é algo extremamente mais complicado. Pois foi esse o grande feito de Hitzfeld, treinador que passou a maior parte de sua carreira dirigindo Borussia Dortmund (seis temporadas) e Bayern de Munique (sete temporadas). O alemão deixou de trabalhar diariamente com futebol em 2014, depois de comandar a Suíça na Copa do Mundo do Brasil. Depois da aposentadoria, chegou a receber uma proposta milionária do então Guangzhou Evergrande (hoje Guangzhou FC) para retomar a carreira na China, mas recusou o convite. Em reconhecimento pelo que fez como técnico da Suíça, Hitzfeld também foi homenageado como nome de um estádio nos Alpes.

MARCELLO LIPPI
Italiano
73 anos
Campeão com a Juventus (1995/96)

Marcello Lippi, técnico da China e campeão mundial pela Itália em 2006 - AFP - AFP
Imagem: AFP

O treinador que levou à Itália ao tetracampeonato mundial na Copa-2006 teve duas passagens para lá de vitoriosas no comando da Juventus. Ao longo de oito temporadas comandando a Velha Senhora, Lippi ganhou cinco edições do Campeonato Italiano e uma da Liga dos Campeões. Em 2012, ele se transferiu para a China, onde viveu a reta final de sua carreira. Foram três temporadas à frente do Guangzhou Evergrande (com três títulos nacionais) e quase quatro anos liderando a seleção do país mais populoso do mundo. Em outubro do ano passado, Lippi anunciou que não voltará mais a trabalhar como técnico, mas abriu a possibilidade de continuar no futebol em alguma outra função.

VICENTE DEL BOSQUE
Espanhol
70 anos
Campeão com o Real Madrid (1999/00 e 2001/02)

Vicente del Bosque durante o jogo Itália x Espanha na Eurocopa - Charles Platiau/Reuters - Charles Platiau/Reuters
Imagem: Charles Platiau/Reuters

Assim como Lippi, possui os dois títulos mais cobiçados do futebol mundial. Antes de marcar época no comando da seleção espanhola, pela qual venceu a Copa do Mundo-2010 e a Euro-2012, Del Bosque dirigiu, durante quatro temporadas, o Real Madrid, logo no início da fase dos galácticos, e venceu duas Champions. O treinador se aposentou cinco anos atrás, depois de comandar a Espanha na Euro-2016. Desde o início da pandemia de covid-19, Del Bosque tem se envolvido em várias campanhas beneficentes e projetos sociais que visam ajudar a população mais necessitada.