PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como um vídeo de masturbação quase tirou artilheiro da Rússia da Eurocopa

Artem Dzyuba é capitão, artilheiro e principal nome da seleção da Rússia - Reuters
Artem Dzyuba é capitão, artilheiro e principal nome da seleção da Rússia Imagem: Reuters
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

12/06/2021 04h00

Artem Dzyuba é o principal jogador, a esperança de gols e também o capitão da Rússia na estreia na Eurocopa, contra a Bélgica, a partir das 16h (de Brasília) de hoje, no estádio Krevstovksy, em São Petersburgo.

Mas, apesar de estar a apenas um gol de se tornar o maior artilheiro da história da sua seleção, o centroavante do Zenit chegou a temer ficar fora da competição continental deste ano.

Não que o jogador de 32 anos tenha sofrido algum problema físico que ameaçasse sua convocação ou que tenha enfrentado um jejum de gols que motivasse o técnico Stanislav Cherchesov a buscar outra opção para o comando de ataque.

O problema foi outro: o vazamento de um vídeo em que Dzyuba aparece se masturbando enquanto assiste a um vídeo da apresentadora de TV Maria Orzul, com quem já teve um relacionamento.

A gravação viralizou no começo de novembro passado e caiu como uma bomba no futebol russo. Torcedores mais radicais do Zenit, clube de forte identificação com a extrema-direita e movimentos ultraconservadores, promoveram uma campanha contra o até então ídolo do time.

Na partida contra o Krasnodar, a primeira depois do vazamento da sextape, o centroavante perdeu a braçadeira de capitão do clube de São Petersburgo e foi vaiado e ofendido por sua própria torcida.

Em meio ao escândalo, a RFS (União Russa de Futebol) decidiu cortá-lo dos três jogos que a seleção disputaria naquele mês (um amistoso e dois compromissos válidos pela Liga das Nações).

Apesar de o comunicado da entidade afirmar que a desconvocação tinha como único objetivo fazer com que a seleção continuasse em "condições de concentração máxima, sem distrações", Dzyuba gelou e imaginou que poderia perder a Euro.

"Não sou perfeito e nunca falei que era. Só espero poder viver minha vida com dignidade e ser uma boa pessoa. De vez em quando, vou tropeçar e cometer erros. Obrigado a todos que me apoiaram. Sou muito grato a vocês", publicou o centroavante, em suas redes sociais, sobre o episódio.

Mas, por mais que existisse uma pressão conservadora contra sua convocação, seria muito difícil manter Dzyuba longe da seleção por muito tempo... e ele voltou a ser chamado na Data Fifa de março.

O atacante foi o artilheiro do último Campeonato Russo, com 20 gols, e conduziu o Zenit ao terceiro título nacional consecutivo. Também foi o goleador da seleção na campanha nas eliminatórias da Euro.

Com 29 bolas nas redes em 52 partidas pela Rússia, o centroavante está a um gol de igualar o recorde de Aleksandr Kerzhakov. Ele também é um dos atletas mais longevos da equipe e fez parte do elenco que disputou em casa a Copa do Mundo três anos atrás.

Rússia e Bélgica estão no Grupo B da Euro e ainda terão Dinamarca e Finlândia como adversários na primeira fase. Os dois times que mais pontuarem em cada chave, além dos quatro melhores terceiros colocados, avançam para a reta final da competição.

O sucessor de Portugal no posto de campeão europeu de seleções será conhecido no dia 11 de julho. O estádio de Wembley, em Londres (Inglaterra), receberá a decisão.

Originalmente, o torneio era para ter sido disputado no meio do ano passado. No entanto, a pandemia de covid-19 fez com que fosse adiado em 12 meses.

A novidade desta edição é que não há uma sede fixa. Para comemorar os 60 anos do continental, a Uefa decidiu realizar a competição em 11 cidades espalhadas por 11 países diferentes (alguns que nem classificaram suas seleções).

Além da Inglaterra, sede da última partida, a Euro 2020 (sim, ela manteve esse nome mesmo com o adiamento da data) também passará por Itália, Azerbaijão, Dinamarca, Alemanha, Escócia, Espanha Hungria, Holanda, Romênia e Rússia.