PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Neymar vive pior temporada na Europa e pode dar vexame histórico com PSG

Neymar lamenta mais um tropeço do PSG no Campeonato Francês - STEPHANE MAHE/REUTERS
Neymar lamenta mais um tropeço do PSG no Campeonato Francês Imagem: STEPHANE MAHE/REUTERS
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

12/05/2021 04h00

Oito dias atrás, Neymar ainda acreditava que poderia levar o Paris Saint-Germain à inédita conquista da Liga dos Campeões neste ano e, de quebra, brigar pelo primeiro prêmio de melhor jogador do mundo de sua carreira.

Mas, depois da eliminação para o Manchester City na semifinal do torneio continental, tudo que o camisa 10 deseja é que a pior temporada da sua carreira na Europa não seja coroada com um grande vexame.

Pela primeira vez desde que desembolsou 222 milhões de euros (R$ 1,4 bilhão, na cotação atual) e fez do brasileiro o jogador mais caro da história do futebol mundial, o PSG corre risco real de não conseguir sequer o título francês.

Faltando duas rodadas para o fim da Ligue 1, o vencedor de sete das últimas oito temporadas da competição está três pontos atrás do Lille. Se não derrotar o Reims, no domingo, o clube da capital pode até se despedir da briga pelo título de forma antecipada.

E Neymar nem poderá responsabilizar seus companheiros, o técnico Mauricio Pochettino ou a diretoria caso o fiasco no Campeonato Francês realmente se concretize.

Apesar de ter acabado de renovar seu contrato com o PSG até 2026, o meia-atacante de 29 anos tem tido sua temporada menos produtiva desde que trocou o Santos pelo futebol europeu, em 2013.

Em 2020/21, Neymar disputou apenas 28 partidas (de um total de 53 compromissos do seu clube) e criou só 26 gols. Dezesseis foram marcados por ele mesmo, enquanto dez nasceram de assistências suas.

Em toda sua trajetória no Velho Continente, o jogador mais caro da história sempre produziu pelo menos 30 tentos por temporada. No penúltimo ano de Barcelona, o melhor momento de sua carreira, foram nada menos que 56 bolas nas redes em jogadas com sua assinatura.

Na atual temporada, Neymar tem sido pouco participativo especialmente no Francês, a competição onde seu time corre risco de dar vexame. O brasileiro só esteve em campo em 16 das 36 rodadas do torneio, fez oito gols até o momento e distribuiu cinco assistências.

É verdade que a maior parte das suas ausências foi por causa de problemas físicos. O brasileiro perdeu 13 jogos por lesão, um por causa da covid-19 e outro por desgaste pós-compromisso com a seleção. Mas o craque também desfalcou o time em cinco partidas devido a atos de indisciplina (suspensões por cartões amarelos ou vermelhos).

Antes de voltar à disputa da Ligue 1, o PSG enfrenta hoje o Montpellier, pela semifinal da Copa da França. No fim de semana, enquanto estiver em campo medindo forças contra o Reims, os parisienses também ficarão na torcida por um tropeço do Lille ante o Saint-Étienne.

Neymar na Europa

NO PSG
2020/21 - 26 gols criados (16 marcados, 10 assistências)
2019/20 - 31 gols criados (19 marcados, 12 assistências)
2018/19 - 36 gols criados (23 marcados, 13 assistências)
2017/18 - 44 gols criados (28 marcados, 16 assistências)

NO BARCELONA
2016/17 - 46 gols criados (20 marcados, 26 assistências)
2015/16 - 50 gols criados (31 marcados, 19 assistências)
2014/15 - 49 gols criados (39 marcados, 10 assistências)
2013/14 - 30 gols criados (15 marcados, 15 assistências)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL