PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Em 10 anos, City gasta R$ 2,6 bi a mais que o PSG em reforços; veja ranking

De Bruyne é o jogador mais caro do Manchester City em todos os tempos - Paul Ellis/AFP
De Bruyne é o jogador mais caro do Manchester City em todos os tempos Imagem: Paul Ellis/AFP
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

26/04/2021 04h00

O Paris Saint-Germain tem no seu elenco os dois jogadores mais caros da história do futebol mundial, Neymar e Kylian Mbappé. Mas isso não significa que os franceses serão o "time rico" em seu confronto de semifinal da Liga dos Campeões da Europa.

Isso porque o Manchester City, seu adversário nesta e na próxima semana por vaga na decisão da Champions, costuma atacar ainda mais pesado no Mercado da Bola. E, ao longo das últimas dez temporadas, investiu 390 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões) a mais que o PSG na chegada de novos jogadores.

Desde 2010/11, ninguém no planeta gastou mais com reforços que o líder do Campeonato Inglês. O investimento para ter um time com nomes como Kevin de Bruyne, Rúben Dias, Riyad Mahrez e Gabriel Jesus foi de 1,71 bilhão de euros (R$ 11,3 bilhões), o suficiente para contratar sete Neymares.

Apesar da fortuna investida para ter seus dois maiores craques, o PSG aparece apenas na sexta posição no ranking dos clubes que mais torraram dinheiro em novos atletas nesse período. Seu gasto foi de 1,32 bilhões de euros (R$ 8,7 bilhões), menos também que Chelsea, Barcelona, Juventus e Manchester United.

A fome por reforços caros dos dois semifinalistas da Champions é financiada pelo dinheiro do petróleo oriundo do Oriente Médio e por governos cheios da grana e sem muito pudor em gastar com o futebol para melhorar a imagem no cenário internacional.

O City pertence desde 2008 ao xeque Mansour bin Zayed Al Nahyan, membro da família real de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Já o PSG pertence desde 2011 a um fundo de investimentos bancado pela monarquia do Qatar.

A gastança desenfreada dos dois "novos ricos" do futebol europeu já chamou a atenção da Uefa.

O clube inglês chegou a ser banido por duas temporadas da Champions por desrespeitar o Fair Play Financeiro e gastar mais do que poderia, mas teve a suspensão cancelada pelo TAS (Tribunal Arbitral do Esporte). Já os franceses vêm sendo investigados pela entidade continental.

Chelsea e Real Madri, os outros dois semifinalistas da competição continental, também fazem parte do grupo dos times que gastaram mais de 1 bilhão de euros (R$ 6,6 bilhões) em reforços nos últimos dez anos.

A equipe londrina ocupa a segunda colocação no ranking, atrás apenas do City, com investimento de 1,59 bilhão de euros (R$ 10,5 bilhões). Já os espanhóis torraram 1,16 bilhão de euros (R$ 7,7 bilhões) na década e aparecem na sequência do PSG, em sétimo, na lista dos mais gastões do planeta.

As semifinais da Champions serão abertas amanhã, com o confronto entre Real Madrid e Chelsea, na Espanha. Na quarta, o PSG recebe o City. Na semana seguinte, nas partidas de volta, os mandos de campo e a ordem dos jogos se invertem.

A decisão do torneio está agendada para dia 29 de maio e será disputada no Olímpico Atatürk, em Istambul (Turquia). O estádio originalmente seria palco da final do ano passado, que precisou ser alterada por causa da pandemia de covid-19.

Gasto no Mercado da Bola (desde 2010/11)

MANCHESTER CITY (ING)
Gastou 1,71 bilhão de euros (R$ 11,3 bilhões)
Reforços mais caros:
Kevin de Bruyne (M, BEL, 2015) - 76 milhões de euros (R$ 503 milhões)
Rúben Dias (Z, POR, 2020) - 68 milhões de euros (R$ 450 milhões)
Riyad Mahrez (MA, ALG, 2018) - 67,8 milhões de euros (R$ 449 milhões)

CHELSEA (ING)
Gastou 1,59 bilhão de euros (R$ 10,5 bilhões)
Reforços mais caros:
Kai Havertz (MA, ALE, 2020) - 80 milhões de euros (R$ 530 milhões)
Kepa Arrizabalaga (G, ESP, 2018) - 80 milhões de euros (R$ 530 milhões)
Álvaro Morata (A, ESP, 2017) - 66 milhões de euros (R$ 437 milhões)

PARIS SAINT-GERMAIN (FRA)
Gastou 1,32 bilhão de euros (R$ 8,7 bilhões)
Reforços mais caros:
Neymar (MA, BRA, 2017) - 222 milhões de euros (R$ 1,5 bilhão)
Kylian Mbappé (A, FRA, 2018) - 180 milhões de euros (R$ 1,2 bilhão)
Edinson Cavani (A, URU, 2013) - 64,5 milhões de euros (R$ 427 milhões)

REAL MADRID (ESP)
Gastou 1,16 bilhão de euros (R$ 7,7 bilhões)
Reforços mais caros:
Eden Hazard (MA, BEL, 2019) - 115 milhões de euros (R$ 762 milhões)
Gareth Bale (MA, GAL, 2013) - 101 milhões de euros (R$ 669 milhões)
James Rodríguez (M, COL, 2014) - 75 milhões de euros (R$ 497 milhões)