PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Lewandowski é parente de ministro brasileiro do Supremo: verdade ou lenda?

Montagem mostra Robert e Ricardo Lewandowski; seriam eles primos? - Reprodução
Montagem mostra Robert e Ricardo Lewandowski; seriam eles primos? Imagem: Reprodução
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

28/05/2020 04h00

Classificação e Jogos

Artilheiro da Liga dos Campeões da Europa e um dos principais jogadores de futebol da atualidade, Robert Lewandowski tem 45 gols só nesta temporada, soma mais de 450 bolas nas redes ao longo da carreira e é ídolo do Bayern de Munique.

Mas, do outro lado do Atlântico, no Brasil, há uma outra pessoa com o mesmo sobrenome que goza de tanta fama quanto o centroavante polonês. Ricardo Lewandowski é jurista e tem 72 anos. Desde 2006, ocupa uma das cadeiras de ministro do STF (Supremo Tribunal Federal). Entre 2014 e 2016, ele até presidiu a Corte.

Apesar de não se conhecerem pessoalmente, os dois fazem parte da mesma família e são primos, ainda que bastante distantes. Bem, pelo menos é essa a história que circula no boca à boca e pelas redes sociais desde que o atacante se tornou conhecido por aqui, no começo da década.

Mas será que Robert e Ricardo realmente são familiares? Ou será que essa relação é apenas mais uma das várias lendas urbanas que tanto sucesso fazem no mundo do futebol, como o autismo de Lionel Messi e a transexualidade de Marco Verratti?

O próprio ministro do STF já admitiu publicamente ter essa dúvida. Em uma conversa com jornalistas, anos atrás, o jurista afirmou que acompanhava de perto a carreira do centroavante polonês porque ele poderia ser seu parente.

No entanto, é muito difícil precisar se as duas árvores genealógicas se cruzam porque Lewandowski está longe de ser um sobrenome incomum. A Polônia está lotada de possíveis primos do astro do Bayern.

Só em clubes profissionais de futebol da Europa, há outros cinco Lewandowski além do astro do clube alemão. Há ainda três treinadores com o mesmo sobrenome atuando no Velho Continente.

Pelo menos dois possíveis parentes do centroavante já defenderam a seleção da Polônia. Mariusz Lewandowski era zagueiro das equipes que disputaram a Copa do Mundo de 2006 e a Euro de 2008. Já o ex-volante Grzergorz Lewandowski disputou cinco partidas com a camisa polaca na década de 1990.

O sobrenome origina-se de um antigo vilarejo chamado Lewandów, localizado nos arredores de Varsóvia. A grosso modo, pode-se dizer que os Lewandowski atuais são os descendentes dos antigo moradores de Lewandów.

É evidente que, na época em que o sobrenome surgiu, uma parte da população do vilarejo realmente deveria ser composta por parentes. Mas é certo também que nem todo mundo que vivia por lá tinha o mesmo sangue.

O Lewandowski do ministro do STF vem de seu pai, Waclaw Marian, um industrial polonês que mudou-se para o Brasil na segunda metade da década de 1940, após o fim da Segunda Guerra Mundial. Não há informações sobre em que cidade ele nasceu.

Já Robert Lewandowski é mesmo natural de Varsóvia, onde fica Lewandów. O atacante foi artilheiro das três principais divisões do seu país natal antes de ser contratado pelo Borussia Dortmund, em 2010.

Quatro anos depois, já consagrado como um dos homens-gols mais temidos do planeta, ele se transferiu para o Bayern de Munique, clube pelo qual já ganhou cinco edições do Campeonato Alemão.

Líder da Bundesliga mais uma vez, com sete pontos de vantagem para o segundo colocado, Borussia Dortmund, o time bávaro volta a campo neste sábado (30), contra o Fortuna Düsseldorf, pela 29ª rodada da competição.

Rafael Reis