PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


5 sul-americanos que estão desempregados e podem reforçar seu time

Maxi Pereira, em ação pelo Porto; lateral uruguaio atuou durante 12 temporadas no futebol português - Reprodução
Maxi Pereira, em ação pelo Porto; lateral uruguaio atuou durante 12 temporadas no futebol português Imagem: Reprodução
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

11/02/2020 04h00

Os campeonatos estaduais estão em pleno andamento, a Libertadores e a Copa do Brasil deram seus pontapés iniciais, e os principais times do futebol nacional já começaram a mostrar suas caras para esta temporada.

Mas isso não significa que o Mercado da Bola brasileiro para 2020 esteja encerrado. Muito pelo contrário: os clubes continuam em busca de novos jogadores para deixarem seus elencos mais fortes para um ano que ainda está no início.

O "Blog do Rafael Reis" dá uma forcinha para os executivos e cartolas e apresenta cinco jogadores sul-americanos que estão desempregados. Quem sabe algum deles possa ser o reforço que seu time está procurando?

MAXI PEREIRA
Lateral direito
35 anos
Uruguaio

Veterano de três Copas do Mundo (2010, 2014 e 2018), o lateral direito passou incríveis 12 temporadas nos dois clubes mais poderosos de Portugal (Benfica e Porto) e conquistou quatro títulos da primeira divisão do país de Cristiano Ronaldo. No fum da temporada passada, Maxi Pereira não teve seu contrato renovado com o Porto e esbravejou contra a decisão da diretoria. Depois de pouco mais de um semestre parado, chegou a hora do uruguaio retomar a carreira e voltar a jogar profissionalmente.

NICOLÁS PAREJA
Zagueiro
36 anos
Argentino

Getty Images
Imagem: Getty Images

Companheiro de Lionel Messi na conquista do ouro olímpico de 2008, também chegou a jogar pela seleção principal da Argentina. Com passagem por Bélgica, Rússia e Espanha, Pareja viveu o melhor momento de sua carreira no Sevilla, onde atuou de 2014 a 2018. Depois, mudou-se para o futebol mexicano e defendeu durante uma temporada o Atlas. Sem jogar desde o ano passado e vivendo os últimos momentos de sua carreira, o argentino não tem mais futebol para atuar em um clube grande do Brasil, mas pode dar experiência para equipes de elencos mais limitados.

JOAO PLATA
Meia-atacante
27 anos
Equatoriano

Divulgação
Imagem: Divulgação

Autor de quase 50 gols na MLS (Major League Soccer), o meia-atacante vestiu a camisa do Real Salt Lake City nas últimas sete temporadas e foi duas vezes campeão de conferência na principal liga do futebol dos Estados Unidos. Rápido e abusado, Plata também aparece de vez em quando nas convocações da seleção equatoriana. Desempregado desde a virada do ano, o baixinho de 1,60m está longe de ser um craque, mas pode ser uma opção para quem busca intensidade no jogo pelo lado de campo.

OSWALDO HENRÍQUEZ
Zagueiro
30 anos
Colombiano

Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Formado no Millonarios, da Colômbia, está totalmente adaptado ao futebol brasileiro. Henríquez veio para cá em 2016 e permaneceu no Sport por duas temporadas e meia. Depois, defendeu o Vasco até o fim do ano passado. Apesar de titular da equipe cruzmaltina, não chegou a um acordo com a diretoria para renovar seu vínculo para a atual temporada. Por isso, está livre para negociar com o clube que bem entender. Além de muita força física, o zagueiro se destaca por ser bom no jogo aéreo.

JHERSON VERGARA
Zagueiro
25 anos
Colombiano

Com passagem de sucesso por todas as seleções colombianas de base, o zagueiro foi contratado pelo Milan quando tinha apenas 19 anos, mas nunca defendeu o time rossonero. No lugar disso, foi emprestado para várias equipes italianas menores e teve uma passagem também pelo futebol russo. Em 2018, transferiu-se para o Cagliari. Mas, seis meses depois, teve o contrato rescindido. Vergara pode ser um reforço útil para equipes menores porque tem experiência na Europa e um custo bem baixo.

Rafael Reis