PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Depois do sucesso da Bélgica, vem aí a ótima geração norueguesa

Odegaard e Haaland, os dois principais expoentes da nova geração do futebol norueguês - Getty Images
Odegaard e Haaland, os dois principais expoentes da nova geração do futebol norueguês Imagem: Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

07/02/2020 12h00

A Noruega não disputa a Copa do Mundo desde 1998. Na Eurocopa, sua história é ainda mais insignificante. Participou de uma única edição, lá em 2000, e nunca voltou a conquistar a classificação.

Mas esse cenário de irrelevância no cenário internacional da bola parece estar com os dias contados.

Isso porque vários jovens do país de pouco mais 5 milhões de habitantes, localizado no extremo norte da Europa, estão começando a se destacar em ligas importantes do Velho Continente e prometem fazer muito barulho em breve.

Depois de a Bélgica passar anos e mais anos amadurecendo uma safra de jogadores talentosos até eliminar o Brasil da última Copa do Mundo e terminar a competição no terceiro lugar, vem aí a ótima geração norueguesa.

Os dois principais motivos para a nação nórdica acreditar em dias muito melhores no futebol atendem pelos nomes de Erling Braut Haaland (Borussia Dortmund) e Martin Odegaard (Real Sociedad).

O primeiro é simplesmente o maior fenômeno na arte de balançar as redes que deu as caras nos últimos tempos. Filho de um ex-jogador que atuou no Manchester City no começo da década de 2000, o centroavante tem incríveis 36 gols em 26 partidas nesta temporada e é o vice-artilheiro da Liga dos Campeões, com oito tentos.

No Dortmund, clube que o contratou do Red Bull Salzburg no mês passado, o desempenho de Haaland é ainda mais impressionante: oito gols em 180 minutos de futebol. Ou seja, um gol a cada 22 minutos em campo.

Dois anos mais velho que o atacante de 1,94 m, Odegaard não fica muito atrás do compatriota. O meia estreou na seleção principal aos 15 anos e foi contratado pelo Real Madrid pouco depois do 16º aniversário.

O garoto defendeu o Castilla (time B do clube espanhol), foi emprestado para equipes menores e parecia que não ia "dar em nada". Mas, explodiu nesta temporada.

Emprestado à Real Sociedad, já deu oito assistências em 2019/20. Ontem, fez um gol e foi essencial na vitória por 4 a 3 da sua equipe atual sobre o clube que ainda é dono dos seus direitos econômicos (e que conta com ele para a próxima temporada), pelas quartas de final da Copa do Rei.

Além dos protagonistas Haaland e Odegaard, a nova geração da Noruega conta com alguns outros nomes que já estão despontando no cenário europeu.

O volante Sander Berge, 21, acabou de ser contratado pelo Sheffield United, um dos destaques desta edição do Campeonato Inglês, por mais de 20 milhões de euros (R$ 93,8 milhões). O zagueiro Kristoffer Ajer é titular absoluto do Celtic, tradicional clube que manda no futebol escocês. E o meia-atacante Hakon Evjen, 19, é a aposta do AZ Alkmaar, vice-líder do Holandês, para 2020.

Juntos, eles sonham superar a geração de Tore Andre Flo, Kjetil Rekdal e Ole Gunnar Solskjaer, que disputou duas Copas do Mundo nos anos 1990, foi uma pedra no sapato da seleção brasileira e participou da Euro-2000.

Apesar de ainda muito jovens, eles já estão começando a dar resultado. Na temporada passada, a Noruega subiu da terceira para a segunda divisão da Liga das Nações. Em março, vai enfrentar a Sérvia na primeira rodada da repescagem para a Eurocopa deste ano.

Ou seja, é possível que ainda em 2020 você já comece a ouvir falar bastante da ótima geração norueguesa.

Rafael Reis