PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

É justo dizer que Hamilton igualou Schumacher porque só pilotou carro bom?

Lewis Hamilton ultrapassa Bottas e chega à liderança do GP de Eifel - Bryn Lennon/Getty Images
Lewis Hamilton ultrapassa Bottas e chega à liderança do GP de Eifel Imagem: Bryn Lennon/Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

11/10/2020 11h02

Quando Jackie Stewart chegou a 27 vitórias em 1973, poucos apostavam que seria um número facilmente superado. Afinal, ele tinha vencido mais do que Jim Clark, que dominara amplamente com a Lotus nos anos 1960. Na época, acreditava-se que seria difícil ver um conjunto carro-piloto tão forte quanto o de Clark, que morreu prematuramente, e, de fato, o recorde de Stewart levaria 15 anos para ser batido, por Alain Prost.

O francês estabeleceu outro recorde, de 51 vitórias, que Michael Schumacher conseguiu bater relativamente cedo, com 10 anos de carreira, em 2001. O alemão e a Ferrari ainda não tinham tido nenhuma temporada tão absoluta quanto seriam 2002 e 2004, que inflaram seus números: levou somente cinco anos e pouco menos de dois meses para o alemão chegar ao recorde de 91 vitórias, igualado neste domingo por Lewis Hamilton.

O abismo entre os números de Schumacher e Hamilton e tantos outros grandes da história da Fórmula 1 é tanto que faz com que muitos questionem o quanto valem estes números. No caso específico do inglês, há quem argumente que ele nunca correu com carros ruins e que jamais um piloto esteve por tanto tempo com um carro superior, já que a Mercedes caminha para sete títulos em sete anos e isso é ímpar na história da categoria.

De fato, Hamilton e Schumacher tiveram carreiras singulares, e não é à toa que os números mostrem isso. O alemão correu na Fórmula 1 por 18 temporadas completas, sendo que apenas em apenas três delas seu time não ficou entre os três melhores do campeonato (foi justamente a Mercedes, quarta em 2010 e 2011 e quinta em 2012). Hamilton está em sua 14ª temporada, e pilotou seu pior carro em 2009, ano em que a McLaren só conseguiu superar a Ferrari, por um ponto, para ser terceira justamente por atuações suas, como na Hungria e em Singapura. Então, em termos de equipamento, dá para dizer que ambos tiveram uma vida "fácil" semelhante para chegar ao mesmo número de vitórias, até porque Schumacher não venceu nenhuma corrida com carros que ficaram de fora do top 4 no campeonato.

Hoje, o campeonato tem mais corridas, mas a diferença não é gigante na comparação das duas carreiras. Na médias destas 15 temporadas de Schumacher com carros do top 3, havia 16 provas por ano. E nas 14 temporadas de Hamilton, são pouco mais de 18 provas por ano em média.

E, se por um lado Schumacher não teve o melhor carro por tanto tempo quanto Hamilton, há várias diferenças em relação à competitividade da época do alemão em relação à carreira do inglês: a Ferrari foi absoluta por dois anos (2002 e 2004), enquanto a Mercedes não teve rivais de 2014 a 2016 e na atual temporada. Mas pela maior parte dos anos 90, as vitórias ficavam restritas a duas equipes (Benetton e Williams e depois Ferrari e McLaren), enquanto Hamilton viveu também uma época de domínio da Red Bull (especialmente 2011 e 2013), e campeonatos em que as vitórias eram divididas por três equipes (como 2010 e 2012) e acabam se diluindo mais.

E outra diferença importante: Hamilton nunca teve o status que Schumacher teve dentro da equipe, sendo o primeiro piloto inquestionável, nem tendo pneus feitos sob medida para ele, como era o caso da Bridgestone nos anos em que o alemão conquistou seus títulos na Ferrari.

Há quem questione, ainda, a qualidade de pilotos que bateram Hamilton no duelo interno, como Jenson Button na McLaren ou Nico Rosberg, na Mercedes, mas também é interessante notar como Schumacher, sem os testes ilimitados e o pneu sob medida da Bridgestone, teve muita dificuldade justamente com Rosberg.

Então, embora a vantagem que Hamilton tenha com a Mercedes seja mais longeva do que qualquer outro piloto pôde experimentar na carreira e isso ajude a inflar tanto seus números, há outros fatores que acabam relativizando essa vantagem. E muitos motivos para, mais uma vez, apostar que o recorde de vitórias do piloto inglês, que deve superar facilmente as 100 conquistas, uma vez que a Mercedes tem tudo para seguir forte ano que vem e ele ainda deve assinar, aos 35 anos, pelo menos mais um contrato com a equipe, deve permanecer intacto por um bom tempo.

Confira a classificação do GP de Eifel:

1º Lewis Hamilton (ING/Mercedes)
2º Max Verstappen (HOL/Red Bull) - +4.470
3º Daniel Ricciardo (AUS/Renault) - +14.613
4º Sergio Perez (MEX/Racing Point) - + 16.070
5º Carlos Sainz (ESP/McLaren) - +21.905
6º Pierre Gasly (FRA/AlphaTauri) - +22.766
7º Charles Leclerc (MON/Ferrari) - +30.814
8º Nico Hulkenberg (ALE/Racing Point) - +32.596
9º Romain Grosjean (FRA/Haas) - +39.081
10º Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo) - +40.035
11º Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) - +40.810
12º Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo) +41.476
13º Kevin Magnussen (DIN/Haas) - +49.585
14º Nicholas Latifi (CAN/Williams) - +54.449
15º Daniil Kvyat (RUS/AlphaTauri) - +55.588
16º Lando Norris (ING/McLaren) - não completou
17º Alex Albon - (TAI/Red Bull) - não completou
18º Esteban Ocon (FRA/Renault) - não completou
19º Valtteri Bottas (FIN/Mercedes) - não completou
20º George Russell (ING/Williams) - não completou

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.