PUBLICIDADE
Topo

Lyles comemora bater recorde de Bolt e descobre que largou do lugar errado

Noah Lyles após correr distância errada e bater "recorde mundial" - Mike Ehrmann/AFP
Noah Lyles após correr distância errada e bater 'recorde mundial' Imagem: Mike Ehrmann/AFP
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

09/07/2020 19h54

Como uma criança que ganha um doce e logo vê alguém tirá-lo da sua boca, o norte-americano Noah Lyles foi, por cinco minutos nesta quinta-feira (9), o primeiro homem a quebrar um recorde mundial de Usain Bolt. Ele festejou correr os 200 metros em 18s91 na Flórida e só depois descobriu que, na verdade, havia corrido menos de 185 metros.

O momento bizarro aconteceu durante a etapa de Zurique (Suíça) da Diamond League, que ganhou o nome de "Jogos da Inspiração", e que, assim como a de Oslo (Noruega), aconteceu com cada atleta participando de um lugar, confrontando-se apenas virtualmente. Lyles, campeão mundial dos 200m no ano passado, correu na cidade de Bradenton, contra o francês Christophe Lemaitre, que estava em Zurique, e o holandês Churandy Martina, em Papendal (Holanda).

Lyles chegou muito antes dos rivais e o relógio mostrou 18s90, um tempo completamente fora da realidade, muito abaixo do recorde mundial de Bolt, de 19s19, obtido há mais de uma década. O norte-americano comemorou, o feito repercutiu na internet, e só depois percebeu-se que o velocista não correu 200 metros, porque o bloco de largada foi instalado no lugar errado, da largada da prova de 200 jardas - equivalente a 182,8 metros.

O erro custou caro. Lyles acabou desclassificado e a vitória ficou com o francês, que recebeu um cheque de US$ 10 mil. A etapa ainda teve o cubano naturalizado português Pedro Pablo Pichardo vencendo o salto triplo com 17,40m e o norte-americano Sam Kendricks saltando 5,81m para vencer no salto com vara. Cada prova teve três participantes.