PUBLICIDADE
Topo

Ouro olímpico, Marcelo Negrão vai estrear como técnico

Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

22/06/2020 17h35

Imortalizado na história do vôlei brasileiro pelo saque que deu o ouro dos Jogos de Barcelona ao Brasil, Marcelo Negrão vai estrear como treinador no vôlei adulto. Nesta segunda-feira (22), ele foi anunciado como técnico da equipe masculina do Sesi-SP, que sofreu forte redução de investimento e começará a próxima temporada, quando possível, com um elenco formado principalmente por jovens revelados nas categorias de base do clube.

"Desde que eu encerrei minha carreira de atleta, recebi alguns convites para ser treinador, mas eu optei por iniciar este processo de transição pelas categorias de base. Em 2018 fui convidado pelo Sesi-SP para exercer justamente o papel que eu procurava, aprender para poder crescer na função de treinador. Iniciei essa nova jornada com a categoria mirim, passei pelo infanto-juvenil e pude acompanhar alguns jogos do time juvenil. Aprendi a ver o vôlei do outro lado da quadra e estou muito feliz e honrado por essa oportunidade. Feliz por acreditarem e confiarem no meu trabalho", explicou Negrão.

Devido à crise e às incertezas causadas pelo novo coronavírus, o Sesi-SP colocou o pé no freio no vôlei masculino. Não encerrou o time, mas não pretende, até segunda ordem, ter uma equipe para brigar por títulos. Todo elenco profissional foi dispensado, com exceção do líbero Murilo, que é a cara do projeto desde a primeira temporada do time, há 10 anos, e aceitou uma expressiva redução salarial.

O técnico Rubinho, também conhecido por ter sido braço direito de Bernardinho na seleção masculina, comandando-a diversas vezes, também deixou o Sesi. Negrão foi promovido para seu lugar. "Será um grande desafio comandar o grupo e ainda ver de perto jogadores adversários que eu já joguei contra quando era atleta. Vou passar bastante da minha experiência e crescer junto com eles. Tenho uma equipe bacana", comentou.

O elenco será formado principalmente por jogadores com passagens pelas seleções sub-19 e sub-21, como Alan Maciel e Nathan Mota. Também está na equipe o ponta Eric Endres, sobrinho de Murilo e filho do também campeão olímpico Gustavo. Exceção ao tio, Eric é o mais velho do elenco. Ele completou 20 anos em março.

Com o fim do time profissional, foram embora, boa parte do elenco do Sesi-SP na temporada passada acertou transferência para o exterior. Fábio e Lucas Loh foram para a Polônia, Éder fechou com um time da Alemanha e Birigui foi para a Itália. O oposto Alan voltou para o Sada/Cruzeiro e o levantador William Arjona deve acertar com o Minas. Sidão pode se aposentar.

Olhar Olímpico