PUBLICIDADE
Topo

Mercado da Bola

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Seleção brasileira? Jorge Jesus avisa: "Eu escolho quem quero treinar"

Jorge Jesus tem contrato com o Benfica até junho de 2022 - Tânia Paulo
Jorge Jesus tem contrato com o Benfica até junho de 2022 Imagem: Tânia Paulo
Bruno Andrade

Mora em Lisboa desde 2015. Começou a carreira no LANCE! e depois virou correspondente internacional da Goal.com. Atualmente, trabalha também no jornal A BOLA e na TVI, ambos de Portugal - esteve antes no jornal O JOGO e Canal 11.

Colunista do UOL

22/11/2021 12h10

O nome de Jorge Jesus está cada vez mais consolidado nos bastidores da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para assumir a seleção brasileira depois da Copa do Mundo de 2022, quando então termina o atual contrato de Tite, que, por sua vez, já manifestou internamente o desejo de não seguir na função, independentemente do resultado no Qatar.

Nesta segunda-feira, em Lisboa, na coletiva pré-jogo entre Barcelona e Benfica, na fase de grupos da Liga dos Campeões, o treinador português foi perguntando pelo UOL Esporte sobre um eventual convite do Brasil. Começou por valorizar o seu poder de escolha, mas, no fim, revelou que não acredita que venha a ser o escolhido para o cargo.

"Hoje sou eu que escolho quem quero treinar. Quando comecei a carreira não era tão bem assim. A seleção brasileira nunca foi treinada por um estrangeiro. Penso que não vou ser eu. Qualquer treinador do mundo gostaria de treinar a seleção brasileira", destacou Jesus.

Aos 67 anos, Jorge Jesus tem vínculo com o Benfica apenas até junho de 2022. Neste momento, uma renovação contratual não está em cima da mesa, o que acaba por fazer crescer a possibilidade de voltar a treinar no Brasil, onde é ídolo do Flamengo.

Nome estrangeiro é realidade

Recentemente, a CBF convidou Xavi, agora no comando do Barcelona, para inicialmente ser auxiliar de Tite e, depois da Copa do Mundo no Qatar, assumir o cargo de treinador. O próprio espanhol, inclusive, confirmou a oferta da seleção brasileira.