PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Saúde além da balança: peso baixo não é sinônimo de estar saudável

Getty Images
Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do UOL

02/08/2021 04h00

Sabe-se que o excesso de peso se tornou problema de amplitude mundial e, de acordo com o Ministério da Saúde, a obesidade é uma doença que está relacionada ao desenvolvimento de outras doenças graves como a hipertensão, diabetes, AVC e infarto.

Sendo assim, o controle do peso se tornou um fator importante para a prevenção e o desenvolvimento de doenças. Dessa forma a mudança de estilo de vida envolvendo a prática de atividade física e bons hábitos alimentares acaba sendo a solução mais simples para lidar com a obesidade e consequentemente com outras doenças graves.

Entretanto, percebe-se que mesmo com o acesso a informações sobre nutrição e o maior número de academias abertas pelo Brasil, o problema da obesidade continua aumentando.

Conforme a internet traz essa enxurrada de informações sobre emagrecimento e dietas milagrosas, ao mesmo tempo o sobrepeso e a obesidade estão aumentando.

Outro fator interessante é que há 20 anos não existiam tantas academias como nos dias de hoje e, mesmo assim, as doenças crônicas continuam tomando conta do Brasil. Essa é uma conta que não fecha e por isso quando se fala em saúde e prevenção do aumento de peso deve-se levar em consideração que as formas de tratar são multifatoriais, envolvendo comportamento, sociologia e economia.

O curioso é observar que junto dessa necessidade de controlar o peso, veio junto o medo de ganhar o peso e ao mesmo tempo a tentativa de controlar esse aumento através do uso das balanças.

Primeiro: entenda que se basear apenas no IMC (Índice de Massa Corporal) não é o suficiente para dizer se um indivíduo é saudável ou não. Um atleta de fisiculturismo pode ter um IMC de uma pessoa com obesidade, porém a quantidade de massa muscular que ele tem é grande o suficiente para enquadrá-lo em um IMC de obesidade.

Mas esse é apenas um exemplo para dizer que não se baseia saúde apenas no peso e, portanto, quando se fala em "peso ideal", mais importante que isso é pensar em corpo ideal, que é aquele corpo em que a pessoa se sente bem consigo mesma respeitando seu biotipo e sua estrutura óssea.

Para isso é fundamental o respeito a pluralidade corporal, que vai muito além de um culto a uma imagem de corpo específica sempre com o aspecto atlético. A ideia não é deixar de cuidar da saúde ou comer de forma desenfreada, mas enxergar que o peso baixo não é sinônimo de saúde.

Saúde é um conceito amplo que envolve hábitos alimentares, prática de atividade física, espiritualidade, relacionamentos sociais, o ambiente que você vive e a forma com que se relaciona com o seu corpo.

Focar apenas na balança muitas vezes te distancia de uma relação saudável e harmônica com o seu corpo, fazendo com que suas decisões envolvendo sua alimentação sejam pautadas em sempre pesar menos.

Sendo assim, essa paranoia com a balança e se pesar todo dia acaba gerando na verdade uma falsa sensação de controle sobre suas decisões, o que pode ocasionar restrições severas para se encaixar, exageros ocasionados pela restrição e a sensação de culpa por não controlar os exageros.

Tente pensar em se alimentar bem e praticar atividade física porque te da mais saúde e bem-estar. Fazendo o básico dos cuidados com a saúde e se sentindo bem com o seu corpo, dificilmente aquele número que você vê na balança vai gerar algum prejuízo para sua vida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL