PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que vivo em efeito sanfona?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do UOL

06/12/2021 17h43

Por acaso emagrecer é um dos objetivos que você tem para 2022? Então, antes de tudo, é importante entender que não tem problema nenhum em querer emagrecer, mas a forma como você vai emagrecer, sim, faz diferença na sua vida. Entenda que o processo de emagrecimento não tem nada a ver com força, foco, fé ou sacrifício da sua saúde.

É justamente por causa desse pensamento de sofrimento no processo de emagrecimento que ocorre o efeito sanfona, caracterizado pela oscilação na balança após a pessoa fazer uma rígida restrição alimentar, perder bastante peso, mas recuperar esses quilos perdidos após a restrição ser interrompida. Muitas vezes o reganho de peso vai além dos quilos perdidos durante o processo de restrição, como uma estratégia do corpo proteger você.

Alguns estudos comprovam que quando existe a eliminação de 5 a 10% do peso, o corpo já passa a armazenar mais energia como um mecanismo de proteção. Além disso, existe uma tendência à redução do metabolismo, fazendo com que o processo de emagrecimento se torne cada vez mais lento. Assim, quando você volta a comer como antes da restrição, com o metabolismo mais baixo e a necessidade de estocar energia, é comum que o reganho de peso ocorra, principalmente, na forma de gordura.

No fim das contas, esse efeito sanfona acontece devido à pressa que as pessoas têm em emagrecer a qualquer custo. Por isso é importante frisar que não existe nenhum método milagroso para emagrecer da noite para o dia sem gerar prejuízos para a saúde.

Por mais que existam os remédios para emagrecer, como os inibidores de apetites ou até mesmo as seringas que auxiliam o corpo a atingir a saciedade mais facilmente, não significa que esses métodos devam ser utilizados de forma indiscriminada, só porque alguns remédios são vendidos nas farmácias sem a necessidade de prescrição médica.

Por mais que medicamentos à base de liraglutida tenham muitas evidências cientificas, é necessário entender se de fato você se encontra em uma fase da sua vida na qual o uso desses medicamentos realmente faz sentido. Entenda que inibir o apetite, sem tratar possíveis problemas emocionais, não vai resolver a raiz do problema. Muitas vezes, antes de tudo, é importante aprender a assumir as próprias emoções para que elas não se tornem comida.

Se conhecer, aprender a se amar são os recursos iniciais para aprender a emagrecer de forma mais leve. Por que o emagrecimento tem que acontecer de uma vez? Qual a importância desse emagrecimento para você? Se você emagrecer rápido, as pessoas ao seu redor vão amá-lo mais?

Saber os porquês do emagrecimento e qual a importância desse processo ajudam você a não sofrer mais como o corpo e muito menos com o efeito sanfona. Assim, repetimos a frase do inicio: não tem problema querer emagrecer, mas qual a importância desse emagrecimento para você?

Como o corpo vai se manter magro depois de uma restrição tão agressiva apenas para atender aos padrões sociais? Como o corpo vai se manter magro sem que exista amor-próprio? Se aceitar não significa se conformar com a situação, mas ajuda a aprender a lidar com os problemas da sua vida e com suas emoções. Dessa forma o emagrecimento se torna mais tranquilo e duradouro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL