Larissa Cassiano

Larissa Cassiano

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

É bom reforçar: cesárea é cirurgia com regras sanitárias rígidas

A autonomia durante o parto é, sem dúvida, um dos principais objetivos dos movimentos em prol da valorização e humanização desse momento tão importante. No entanto, com a busca pela autonomia, vêm as adaptações e questionamentos sobre onde estabelecer limites quando riscos estão envolvidos.

Como profissionais de saúde, nossa missão fundamental é orientar os pacientes, fornecendo informações completas e facilitando diálogos que permitam escolhas embasadas em evidências científicas, porém também seguras.

Nas redes sociais, circulam frequentemente imagens e vídeos que retratam a chamada "cesariana assistida pela mãe" ou "maternal assisted cesarean" (MAC).

Nesse tipo de cesárea, a mãe, vestida com roupas cirúrgicas, participa ativamente do procedimento sob a orientação do médico retirando o bebê do seu útero.

Essa prática faz referência ao momento do parto normal, no qual algumas vezes a mãe retira o bebê. Entretanto, é fundamental ressaltar que esse contexto é diferente.

Com a crescente expansão dessa abordagem, a Febrasgo (Federação das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) emitiu uma nota enfatizando os potenciais riscos dessa prática.

A Febrasgo destaca que essa abordagem não deve ser realizada fora de estudos clínicos aprovados, uma vez que pode acarretar em complicações, como infecções, prolongamento do tempo cirúrgico, incisões inadequadas, sangramentos e lesões em órgãos adjacentes.

Além disso, pode causar atrasos na avaliação e assistência ao recém-nascido.

Compreendemos o quão especial e sensível é esse momento. Até mesmo os profissionais habituados a ele não ficam imunes às emoções que o envolvem.

Continua após a publicidade

Conversei com Priscila Medina, ginecologista e obstetra, que compartilhou sua experiência pessoal durante uma cesárea para o nascimento de seu segundo filho.

Ela disse: "Naquele momento de tamanha vulnerabilidade só queria ser cuidada. Queria que aquele procedimento fosse o mais seguro possível para mim e para o meu bebê. Não me sentiria nem um pouco confortável em retirar o meu bebê do meu útero. Precisava ser apenas a paciente, sem me preocupar se estava fazendo o movimento certo ou se estava interferindo no procedimento".

Além dela, Andrea Grieco, ginecologista e obstetra, ressaltou a importância do poder de decisão e autonomia da mulher na escolha da via de parto, respaldada por informações e conhecimento. Ela destacou que o papel do médico é essencial nesse processo, garantindo que as dúvidas sejam esclarecidas de forma imparcial, sem viés pessoal.

"É crucial lembrar que, apesar das mudanças na abordagem da cesárea atualmente, esse procedimento ainda é cirúrgico. Para a segurança de todos os envolvidos, a condução da cesárea permanece sob a responsabilidade do profissional médico. 'Trazer' a gestante para o procedimento cirúrgico implica proporcionar um ambiente acolhedor, permitindo escolhas como a música de preferência da mãe, contato visual com o bebê logo após o nascimento e o contato pele a pele na primeira hora de vida. Isso resulta em um ambiente mais amoroso, influenciando positivamente a experiência da mulher."

Inegavelmente, temos avançado significativamente nas discussões sobre parto e autonomia, porém não podemos ignorar que, mesmo diante de um procedimento com regras sanitárias rígidas, como a cesárea, embora a assistência materna traga mais emoção, também traz consigo mais riscos.

Gostou deste texto? Dúvidas, comentários, críticas e sugestões podem ser enviadas para: dralarissacassiano@uol.com.br e veja mais no meu Instagram @dralarissacassiano.

Continua após a publicidade

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes