PUBLICIDADE

Topo

Mulher denuncia agressões em ligação para PM pedindo para 'fazer o cabelo'

Mulher fez ligação e policiais entenderam pedido de socorro - Getty Images/iStockphoto
Mulher fez ligação e policiais entenderam pedido de socorro Imagem: Getty Images/iStockphoto

Heloísa Barrense

De Universa, em São Paulo

09/12/2021 13h49Atualizada em 09/12/2021 13h49

Uma mulher vítima de violência doméstica denunciou o companheiro ao telefonar para a Polícia Militar em Araçatuba, interior de São Paulo, pedindo para "fazer o cabelo". O caso ocorreu na manhã de hoje, no bairro São João, e o suspeito foi preso.

Segundo a PM, o policial que atendeu a chamada suspeitou que algo estaria acontecendo na residência da mulher e encaminhou uma viatura ao local. Ao chegar lá, a mulher foi em direção aos policiais relatando que havia sido agredida e ameaçada de morte.

O homem confessou, segundo a polícia, afirmando que teria discutido com a mulher e a agredido. Ainda, de acordo com a PM, a mulher apresentava hematomas no rosto e foi levada ao pronto-socorro de um hospital da cidade. Após ser liberada, ela foi ouvida na delegacia de Polícia Judiciária.

O investigado continua preso e está à disposição da Justiça. Ele já possuía antecedentes por crimes de roubo, furto, homicídio e tráfico de drogas. Os nomes dos envolvidos no caso não foram informados.

Casos semelhantes

Em maio deste ano, um caso semelhante chamou atenção também no interior de São Paulo. Na ocasião, uma mulher de 54 anos, moradora de Andradina (SP), entrou em contato com a Polícia Militar pelo 190 e fez um pedido de pizza. O soldado que estava atendendo aos chamados no Copom (Centro de Operações Policiais Militares) em Araçatuba entendeu que se tratava de um pedido de socorro e pediu que uma equipe se deslocasse até o endereço indicado. Ao chegar no local, os policiais confirmaram as suspeitas de violência contra a mulher.

A mesma situação ocorreu em Niquelândia, no interior de Goiás, em agosto. Uma mulher telefonou para o Corpo de Bombeiros realizando o mesmo pedido e os agentes desconfiaram que se tratava de uma denúncia de agressão. A mulher foi atendida pelos bombeiros e encaminhada ao Hospital Municipal de Niquelândia. Depois de passar por exames, ela foi levada até a delegacia da Policia Civil para registrar um boletim de ocorrência.

Em outubro, uma ligação feita como se fosse para uma hamburgueria chamou atenção da Polícia Militar do Distrito Federal. A polícia entendeu o pedido de socorro e prendeu o suspeito, um homem de 32 anos, em flagrante.

Em caso de violência, denuncie

Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 — Central de Atendimento à Mulher — e do Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Há ainda o aplicativo Direitos Humanos Brasil e a página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). Vítimas de violência doméstica podem fazer a denúncia em até seis meses.