PUBLICIDADE

Topo

Autoestima

"Preciso perder essa barriguinha": 9 frases de fat talk para abandonar já

Já ouviu de alguma amiga que ela precisava "perder umas gordurinhas"? A expressão faz parte do fat talk - iStock
Já ouviu de alguma amiga que ela precisava "perder umas gordurinhas"? A expressão faz parte do fat talk Imagem: iStock

Ana Bardella

De Universa

17/01/2021 04h00

Talvez você nunca tenha escutado a expressão "fat talk", mas é provável que já tenha usado frases do tipo no seu dia a dia. As palavras estão presentes nos almoços de família, nas conversas de amigos e até no trabalho.

"Trata-se de uma ou mais falas pejorativas em relação ao corpo, na qual a pessoa enfatiza questões relacionadas ao peso de forma negativa", explica Natalia Vignoli, nutricionista comportamental. A seguir, ela cita alguns exemplos comuns e explica os benefícios de sermos mais gentis com a forma como enxergamos nosso corpo:

1. "Preciso perder essa barriguinha."

Geralmente quem diz essa frase toca imediatamente na barriga. Dá aquela beliscadinha ou apalpa a região para se referir ao tamanho do corpo. Natalia explica que o comportamento recebe o nome de "checagem". É aquela parada na frente do espelho na qual você passa as mãos em diferentes partes de si mesma e vai caçando defeitos.

2. "Vou escolher só um dia da semana para enfiar o pé na jaca, assim não fico gorda."

A frase diz muito sobre a relação da pessoa com a comida. Muitos de nós acreditamos que o mais saudável é seguir uma dieta restritiva a maior parte do tempo, mas não somos capazes de manter esse propósito por um longo período.

Por isso achamos que se tivermos um dia da semana "liberado", será mais fácil de nos controlarmos o restante do tempo.

3. "Olha aí, já estou fazendo gordice outra vez."

Natália relembra que a fala é também gordofóbica, já que transmite a ideia de que pessoas gordas têm, necessariamente, hábitos alimentares exagerados e pouco saudáveis, o que não corresponde a realidade.

4. "Não posso comer sobremesa hoje, se não vou explodir."

Quem diz isso, está também dizendo que tem medo (ou até um pavor) de engordar.

5. "Acho linda essa roupa, mas não tenho corpo para isso."

A frase é típica entre grupos de mulheres e a princípio pode parecer inofensiva, mas não é. Primeiro porque transmite a ideia de que certas roupas só podem ser usadas por pessoas magras. Segundo porque soa ofensivo para terceiros.

Se você diz na frente de alguém que tem o corpo semelhante ou maior que o seu que não tem um corpo adequado para uma certa atividade, implicitamente, está dizendo que aquela pessoa também não tem.

6. "Você não acha que eu fico enooorme nessa blusa?"

É mais uma forma de depreciar o corpo e reforçar a ideia de que o correto é ser magra.

7. "Se eu comer mais, vou sair rolando da mesa."

É uma das expressões mais comuns nos almoços de família: sempre tem alguém que, para dizer que está satisfeito, usa esse tipo de exagero. Porém, também é pejorativa e preconceituosa com relação as pessoas gordas.

8. "Você viu como ela engordou?"

Você não encontra alguém há alguns meses e de repente, percebe que a pessoa aumentou de tamanho. Para muitos, é impossível não fazer um comentário sobre o peso do outro - Natália explica que atos desse tipo são categorizados como fiscalização.

9. "Se eu tivesse um corpo assim, ia poder comer de tudo."

É outra ideia enraizada na nossa cultura, de pessoas com o biotipo magro são escolhidas dos deuses, altamente beneficiadas. A ideia, no entanto, não faz sentido algum, já que magreza não é sinônimo de saúde.

Fat talk é viciante, mas parar de usar é libertador

Depois que você começa a depreciar seu corpo na frente de outras pessoas é difícil parar.

"No fundo, as pessoas não acham seus corpos feios. Porém, como existe um padrão estético a ser seguido e elas não correspondem a ele, começam a falar sobre isso e internalizam essas ideias, tornado elas cada vez mais presentes no dia a dia. De tanto falar, acabam acreditando no que estão dizendo", explica a nutricionista.

Além disso, principalmente entre as mulheres, o "fat talk" ajuda na socialização. Como na cena do filme "Meninas Malvadas", em que o grupo de amigas para na frente do espelho e começa a caçar defeitos em si mesmas - e a protagonista Cady (Lindsay Lohan) passa por esquisita por não ter questões com o próprio corpo, muitas vezes nos sentimos na obrigação de nos depreciar, a fim de nos sentirmos pertencentes e para não parecer arrogante.

Apesar de tão naturalizadas no nosso vocabulário, a profissional acredita que vale a pena se policiar para evitar as frases que citamos acima e outras expressões do tipo. "O principal benefício é a prevenção de transtornos alimentares", afirma.

Tanto para si mesmo, quanto para os que estão ao redor, em especial crianças e adolescentes, o fat talk embasa insatisfações corporais exageradas e que podem trazer consequências, como o sentimento de culpa ao se alimentar. Em casos mais graves, pode resultar no desenvolvimento de compulsões, bulimia, anorexia e quadros de ansiedade. Ser gentil com o corpo, ao contrário, aumenta a autoestima e a sensação de bem-estar.

Autoestima