PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Em SP, jovem dá à luz após achar que tinha tumor: 'O mioma era Elise'

Nathaly Lopes, 19 anos, só soube da gestação após ser hospitalizada - Acervo pessoal
Nathaly Lopes, 19 anos, só soube da gestação após ser hospitalizada Imagem: Acervo pessoal

Simone Machado

Colaboração para o UOL, em São José do Rio Preto (SP)

22/10/2020 15h16

Depois de sentir uma dor abdominal muito forte e procurar atendimento médico, veio a surpresa. Nathaly Lopes, 19 anos, estava grávida de 39 semanas e prestes a dar à luz a pequena Elise.

Durante nove meses a moradora de São Sebastião, no litoral de São Paulo, acreditava estar com um mioma no útero. Nesse período, a jovem relata procurou atendimento médico por diversas vezes com dores abdominais. Sempre atendida por clínicos gerais que estavam de plantão, ela relata que era medicada com remédios para dores e liberada para ir para casa em seguida, não sendo feito nenhum exame nesse período.

"Eu não tinha plano de saúde, e quando ia na emergência, os médicos olhavam e me davam remédios para dor. Um deles chegou a dizer que eu poderia estar com um mioma no útero e isso que estaria causando as dores. Em uma dessas minhas idas ao pronto-socorro, fui medicada com morfina de tanta dor que eu sentia", lembra a jovem.

Ainda segundo Nathaly, em maio, ela foi diagnosticada com covid-19. Os médicos então passaram a atribuir suas dores a sequelas devido a infecção pelo vírus.

"Eles falavam que poderia ser por causa da doença, que haviam ficado sequelas. O médico pediu para eu fazer uma ultrassonografia para ver se tinha algo no meu abdômen, mas pelo SUS demoraria muito", acrescenta.

Na tentativa de descobrir a origem de suas dores Nathaly chegou a contratar um plano de saúde — uma consulta ginecológica estava agendada para essa semana. No entanto, na noite de segunda-feira (19), a jovem sentiu muitas dores e procurou atendimento médico após sair do trabalho.

"Nesse dia eu já acordei com muitas dores. Pela manhã, tomei dois remédios para dor e, na hora do almoço, tomei mais um, mas nada resolvia. Quando cheguei no hospital, a médica olhou a minha barriga e viu que estava dura. Na hora ela me disse que eu estava grávida e prestes a dar à luz", relata.

A bebê nasceu de parto normal às 20h e passa bem, assim como a mãe. A nova mamãe e a criança estão internadas na maternidade do hospital São José, onde passam por exames. Elas devem ter alta e ir para casa amanhã.

Susto no parto

Ao perceber que a gestação, Nathaly conta que a médica assustou dizendo que não ouvia os batimentos cardíacos do bebê. A jovem foi encaminhada às pressas para a sala de partos, pois a bebê poderia nascer morta.

"Foi um susto atrás do outro. Não tive nem tempo de pensar em nada", lembra. Ainda segundo a jovem, ela já estava com 10 dedos de dilatação e, em poucos minutos, Elise chegou ao mundo. A bebê nasceu de parto normal pesando 2.850 kg e medindo 47 centímetros.

Apesar de não esperar uma gravidez, a jovem conta que já tinha um nome escolhido para quando fosse mãe. Elise era o nome que Nathaly e a mãe gostavam e decidiram colocar em uma futura filha da jovem.

Manter o nome escolhido em família foi a forma que Nathaly encontrou para homenagear a mãe, que faleceu há um ano devido a um câncer no cérebro. "Em novembro faz um ano que minha mãe faleceu, acho que a chegada da Elise foi uma forma de Deus me presentear. Ela é o meu presente de Deus", diz a jovem.

Nas redes sociais, as amigas brincaram com o parto inusitado após o diagnóstico. "O mioma era Elise", registraram diversas amigas de Nathaly em postagens no Instagram.

Vida normal até a chegada do bebê

Após o susto com o nascimento Elise, a jovem conta que ficou assustada por não ter feito o pré-natal. Durante os noves meses de gestação, ela relata que levou uma vida normal: pegou peso, fez uso de medicações e ingeriu bebida alcóolica. Ainda segundo a jovem, ela não engordou durante a gravidez e continuou usando roupa 38/40.

"Fiz o tratamento para a covid-19, tomei morfina, usei vários medicamentos que não são recomendados para uma grávida. Como eu não fazia ideia da gestação levei uma vida normal durante todo esse tempo", conta a jovem.

A jovem acrescenta que apesar da falta do pré-natal a bebê é saudável e tranquila. "Ela chora as vezes, mas acho ela bem tranquila, adora dormir. E graças a Deus, está tudo bem com ela", diz.

Ajuda para montar o enxoval

Sem tempo para preparar o enxoval, Nathaly está contando com a ajuda de amigos e moradores da cidade para arrecadar os itens do enxoval de Elise. Segundo a nova mamãe, roupas e fraldas já foram arrecadas, mas ainda falta muita coisa.

"Sabemos que um bebê usa muita fralda, produtos de higiene, além do berço e os outros itens. Ainda não temos quase nada, mas sei que vamos conseguir", diz.

O que é mioma uterino

O mioma uterino, também chamado de fibroma do útero, é um tumor benigno que afeta cerca de 50% das mulheres em período fértil — entre a primeira menstruação e a menopausa — e, principalmente, àquelas que ainda não tiveram filhos. Trata-se de uma desordem hormonal que forma nódulos que podem se surgir em vários locais do útero, variar de tamanho e provocar ou não sintomas.

Especialistas relatam que ainda não se sabe ao certo qual as causas de seu surgimento, mas acredita-se que fatores genéticos influenciam, já que é mais comum em mulheres que possuem histórico da doença na família.

O mioma exige acompanhamento clínico e pode ser tratado com medicamentos ou até mesmo intervenção cirúrgica.

Mães e filhos