PUBLICIDADE

Topo

Filha de Olavo de Carvalho lança obra sobre pai: Vocês compraram uma fraude

Heloisa com o pai, Olavo de Carvalho, no começo dos anos 2000: livro sobre passado do "guru do presidente" - Reprodução/Facebook
Heloisa com o pai, Olavo de Carvalho, no começo dos anos 2000: livro sobre passado do "guru do presidente" Imagem: Reprodução/Facebook

Camila Brandalise

De Universa

20/12/2019 04h00

Guru do governo Bolsonaro, Olavo de Carvalho é visto como arauto da direita e do conservadorismo brasileiros, que costumam defender os valores da família. Mas, segundo Heloisa de Carvalho, 50, mais velha dos oito filhos de Olavo, a própria família nunca foi uma prioridade para o escritor. Ela diz ter sido criada "jogada", a ponto de, ainda criança, deixar de ir à escola porque o pai não pagava mensalidade nem comprava material. E vivia em uma casa com 30 pessoas, membros de uma comunidade islâmica liderada por ele, que chegou a ter três esposas ao mesmo tempo.

No livro "Meu Pai, o Guru do Presidente - A Face Ainda Oculta de Olavo de Carvalho" (Kotter Editorial), em pré-venda e com lançamento previsto para 15 de janeiro, ela e o filósofo, escritor e youtuber Henry Bugalho escancaram o passado da família com a qual ela não tem mais nenhuma relação. Com o pai, cortou o contato em 2017, quando, diz, tentou interceder por um dos realizadores de um documentário sobre Olavo que se sentiu injustiçado com falta de créditos. "Depois disso, ele me bloqueou de tudo. Então, eu disse: 'Peraí, agora vou chutar o balde'". Foi quando começou a divulgar as acusações contra o pai.


Seu livro se propõe a mostrar uma "face oculta" de Olavo de Carvalho. Que face é essa?

É o lado confuso e desonesto do guru. As pessoas compram como ele se pinta hoje, mas, no passado, ele se pintava de outras maneiras. Foi dançando de acordo com a música. O objetivo dele sempre foi ter muita influência e poder. Eu nunca achei que conseguiria. De repente, ele conseguiu, e eu me vi em uma questão pessoal e moral de falar: "Peraí, vocês estão comprando uma fraude". O cara fez tudo o que fez com a família, deu golpe financeiro em amigos, na editora que editava os livros dele. Ele diz que era da tariqa [organização esotérica islâmica], mas que não era muçulmano. Como não? Montou uma comunidade islâmica com 30 pessoas dentro de casa, tinha várias esposas. Eu fui casada no islamismo quando tinha 16 anos. Tive que me converter para ser do grupo. Era a comunidade que meu pai montou dentro de casa. Tem uma postagem dele dizendo que nunca saiu da Igreja Católica. Como assim?

"Quando criança, ninguém estava nem aí para mim. Era uma analfabeta" - Reprodução/Facebook
"Quando criança, ninguém estava nem aí para mim. Era uma analfabeta"
Imagem: Reprodução/Facebook


Como foi a sua infância?

Ninguém estava nem aí para mim. Vivi um abandono intelectual. Meu pai não pagava mensalidade da escola. Eu não tinha uniforme, material. Comecei a cabular aula porque tinha vergonha. Eu era uma criança: não tinha internet, não sabia de conselho tutelar. Na adolescência, era uma analfabeta. Dos 13 para os 14 anos, estava lá jogada, às vezes não tinha comida. Aí uma tia apareceu, e eu pedi: "Pelo amor de Deus, me leva embora". Fui morar com ela. Foi quando fiz o Mobral [programa de alfabetização de jovens e adultos criado pelo regime militar].

Que impacto isso tem na sua vida adulta?

Na época, tudo me traumatizou. Mas eu superei. Já encarei todo tipo de trabalho: fui vendedora, faxineira... Mas o abandono intelectual me prejudica até hoje. Sou bacharel em direito. Por que você acha que não passo no exame da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil]? Não é por falta de conhecimento jurídico. É porque não fui alfabetizada, não sei conjugar verbo direito.

E a relação com a sua mãe, como era?

Meu pai se separou da minha mãe quando eu tinha entre nove e dez anos. Aí ela, com os quatro filhos, foi despejada de casa. Davi, o mais novo, ela deixou com a minha avó materna, e eu e mais dois irmãos fomos morar no quarto de empregada da Escola Júpiter [de Astrologia, fundada por Olavo]. Um dia eu acordei e não vi minha mãe no quarto. Bati no banheiro, e ela não respondia. Enrolei uma toalha no cotovelo e quebrei o vitrô do banheiro. Vi minha mãe na banheira com a água toda vermelha. Ela tinha cortado os pulsos, tem marcas até hoje. Saiu de lá para o manicômio. Meu pai deu meus irmãos para minha avó, e eu fui morar com ele. Não falo com a minha mãe hoje. Em 2017, peguei ela no telefone tramando com meu irmão contra mim. Ela mora aqui em Atibaia, mas quero mais é que se dane.

Um dos capítulos do livro leva o título "A Barca Egípcia e Outras Histórias Bizarras". Que história é essa?

Essa história eu não vi. Foi contada pelos meus irmãos e pela minha mãe. É o seguinte: meu pai sempre teve questões de entrar em crise, de delírio de seita e de loucura. Entrou no porão da casa em que morava, em Pinheiros [zona oeste de São Paulo], se fechou lá para construir uma barca egípcia, para transmigrar, coisa da seita, uma coisa de louco. Minha madrasta se apavorou, chamou a polícia. É uma das poucas passagens que conto em que não estava ou de que não tenho prova.

A senhora divulgou uma carta aberta em 2017 dizendo que Olavo já apontou uma arma os filhos. O que aconteceu?

Não posso falar sobre isso porque fui processada pelo guru por causa dessa carta aberta e fiz um acordo. Tive que tirar tudo o que publiquei das redes sociais e não falar mais disso, por causa da questão da arma. A audiência de conciliação foi em dezembro de 2018. Ele também me denunciou no Deic [Departamento Estadual de Investigações Criminais] como chefe de organização criminosa internacional. O processo foi arquivado no ano passado. Também fui processada pelo meu irmão e por minha cunhada. Eles disseram que eu falei que eles pegaram dinheiro do Bolsa Família, mas eu nunca disse isso. Falei que eram inscritos [no programa]. Ganhei esse processo.

Depois dessa carta, seu pai disse que a senhora já foi detida em briga de bar e furou seu marido com um garfo. O que tem a dizer sobre essas acusações?

São mentiras. Cadê a prisão de briga de bar? De onde ele tirou isso? Cadê o documento? Nunca me envolvi em briga de bar que deu prisão. Aconteceu de bater boca com alguém, mas brigar não. Sobre a garfada, meu marido fez um vídeo perguntando: "Quando?" Aí o guru fala que não era esse marido, era outro. Ele é tão merda que nem sabe quantos maridos eu tive [Heloisa está casada pela quarta vez].

Como é sua a relação com a família hoje?

Cortei relações com todo mundo, todos eles. Eles dizem: "Heloisa, você é magoada". Não é mágoa. A questão não é essa. Eu mostro no livro um histórico, que se repete desde os anos 1980: o modus operandi de manipulação, convencimento e idolatria. Todos os meus irmãos estão do lado dele, alguns porque não têm saída. O Luiz Gonzaga, o Tales e o Davi não conseguem emprego nem de lixeiro: não têm ensino fundamental. Eles vivem às custas da marca Olavo de Carvalho, já que os seguidores também começam a compartilhar coisas dos filhos.

Tem medo dos ataques que pode sofrer por causa das revelações do livro?

Não tenho medo e não estou constrangida. Vou sofrer muita agressão, muita violência. Sei disso. Recebo muitas mensagens por redes sociais. Um dia, um homem me escreveu: "Olha, por tudo que você faz com o professor Olavo, comprei teu caixão". Eu respondi: "Muito obrigada, eu sei quanto custa um caixão, é caro". Logo após as eleições, tive muito medo, me apavorei. Meu marido é cidadão espanhol e decidimos que, dependendo da situação, iríamos morar lá. Recebi ameaças, gente dizendo que sabia onde eu morava. Mas, se eu tiver que morrer, vou morrer. Não vou viver engaiolada. Hoje, tenho um certo cuidado. Entrei em contato com amigos ligados à polícia, inclusive um delegado. Se me acontecer um arranhão, eles vão saber.

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) anunciou, em novembro, que convocou a senhora para depor na CPMI das Fake News. O que pretende falar?

Estou esperando a convocação e irei com o maior prazer. Vou falar que o Olavo, além de espalhar fake news, dá a entender que produz fake news. Ele compartilhou a carta de uma Lu Arianov, que ou é ele ou é gente ligada ao grupo dele, falando que fui presa por briga de bar, que sou alcoólatra, que perdi a guarda do meu filho, que sou puta de beira de estrada. Cadê ela? Quem é?

A senhora, em alguns momentos, se refere a seu pai como "o guru". É uma ironia ou realmente o vê como um mentor?

Não é irônico. Ele é um guru. Criou uma seita de fanáticos seguidores. Se ele falar que o céu é cor-de-rosa, vão acreditar. Mudou o grupo, o discurso, os hábitos, mas continua sempre sendo uma seita de zumbis cegos que não o questionam.

10 Perguntas