Topo

Príncipe Andrew teria dito "obrigado" após abusar de adolescente em festa

Príncipe Andrew, terceiro filho da rainha Elizabeth 2 - Reuters
Príncipe Andrew, terceiro filho da rainha Elizabeth 2 Imagem: Reuters

De Universa

20/09/2019 16h28

Resumo da notícia

  • O nome do terceiro filho da rainha Elizabeth aparece no processo do amigo Jeffrey Epstein, condenado por uma série de crimes sexuais
  • Há um mês, veio à tona que o príncipe teria tocado o seio de uma adolescente sem consentimento, em 2015, em festa na mansão de Epstein
  • Agora, nova denúncia diz que ele teria abusado de outra adolescente 14 anos antes, também ao lado do criminoso sexual
  • Hoje aos 35 anos, vítima diz que teria sido "traficada" por Epstein para fazer sexo com o príncipe; o Palácio de Buckingham nega as acusações
  • Diferença de 14 anos entre os dois supostos crimes leva a justiça a crer que ele não só conhecia os crimes sexuais do amigo como participava deles

Há cerca de um mês, o príncipe Andrew, duque de York e terceiro filho da rainha Elizabeth, foi acusado de ter abusado sexualmente de uma adolescente, Johanna Sjoberg, em 2015, durante uma festa na casa de seu amigo Jeffrey Epstein, condenado por uma série de crimes sexuais e morto na cadeia há um mês.

Agora, ele é alvo de outra denúncia por participar das atividades criminosas de Epstein, 14 anos antes do suposto abuso contra Sjoberg — o que leva a justiça a crer que ele não só conhecia os crimes sexuais do amigo como teria participado deles durante anos.

À NBC, Virginia Giuffre, amiga de Sjoberg, disse que Epstein a teria forçado a transar com o príncipe, que depois do abuso ainda teria "agradecido" pelos "serviços prestados".

Segundo a denúncia, ela tinha 17 anos quando tudo aconteceu, em 2001, em Londres. Ela contou em entrevista que se relacionava com Epstein, mas foi "traficada" por ele ao amigo.

"Ele era um abusador. Ele participava das atividades de Epstein", disse Virginia Giuffre.

O primeiro encontro teria acontecido em um hotel, em Londres, na presença de Epstein e uma de suas namoradas, Ghislaine Maxwell. No final da festa em que estavam, Maxwell teria dito a Virginia: "Andrew vai voltar para casa com você e quero que você faça com ele o que faz com Jeffrey", conta hoje, aos 35 anos.

Giuffre diz que os dois se relacionaram primeiro no banheiro e depois no quarto. "Ele não foi rude nem nada, mas disse obrigado e foi embora. Eu não podia acreditar que a realeza estava envolvida".

Entenda o caso

Em agosto, um dia antes Jeffrey Epstein fosse encontrado morto na cadeia de Nova York em que estava preso, milhares de documentos relacionados a suas denúncias foram abertos — entre eles um processo por difamação movido por Virginia Roberts Giuffre contra o duque de York.

Em depoimento, sua amiga e testemunha Johanna Sjoberg conta que o príncipe de 59 anos teria tocado seu seio propositalmente na hora de tirar uma foto com ela durante uma festa na casa de Jeffrey Epstein, em 2015 — 14 anos depois que ele teria se relacionado com Giuffre pela primeira vez, o que leva a justiça a crer que ele teria participado das atividades sexuais do amigo durante anos.

Questionado pela emissora norte-americana, o Palácio de Buckingham, residência oficial da rainha, negou as acusações. "Qualquer sugestão de impropriedade com menores de idade é categoricamente falsa", escreveu, em nota.

O príncipe Andrew e Jeffrey Epstein eram amigos pelo menos desde a década de 1990. Os dois já foram vistos juntos em viagens a San Tropez e à Tailândia.

Em julho, quando Epstein foi condenado por tráfico sexual e preso em Nova York, o Palácio de Buckingham disse que o príncipe não se manifestaria sobre o assunto.

Mais Violência contra a mulher