Topo

Homem é preso suspeito de estuprar enteada por 10 anos; mãe seria cúmplice

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa (PR)

20/09/2019 18h43

Um homem de 39 anos foi preso pela Polícia Civil do Amazonas suspeito de estuprar a enteada ao longo de 10 anos. Segundo a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), os abusos sexuais ocorriam desde os cinco anos da vítima e permaneceram até os 15, quando ela decidiu sair de casa para morar com as tias. A garota hoje tem 16 anos.

A mãe da adolescente também será indiciada por estupro de vulnerável por, segundo a polícia, não concordar com a filha em denunciar o caso à polícia.

O suspeito foi preso ontem, no bairro Tarumã, zona oeste de Manaus, e apresentado hoje à imprensa. Ele é reincidente no crime de estupro de vulnerável, segundo a Polícia Civil.

O inquérito criminal foi instaurado em novembro de 2018. Os depoimentos colhidos durante a investigação apontam que os abusos começaram durante brincadeiras entre o padrasto e a enteada em momentos em que ficavam sozinhos na casa. Ele se aproveitava da situação para cometer os estupros e, ao longo do tempo começou a ameaçá-la, quando a menina percebeu estar sendo violentada.

A adolescente chegou a contar para a mãe, mas ela orientava que a filha perdoasse o padrasto. A falta de apoio familiar a fez sair de casa, indo morar com as tias. Depois de denúncias anônimas que geraram o inquérito, demais familiares a incentivaram a também relatar o crime, mas a mãe não a deixava ir à delegacia. A Polícia Civil precisou de uma autorização para ouvi-la na escola.

"Recebemos denúncias anônimas e depois denúncias de familiares dando conta de que essa adolescente vinha sofrendo abuso crônico no seio da família, praticado pelo padrasto, que já tinha uma condenação anterior pelo estupro de vulnerável. O diferencial desta história triste é que a própria mãe entrou em um estado de negação e acabou não trazendo a denúncia, não ouvindo a filha e fazendo ameaças para que ela negasse", contou a delegada Joyce Coelho.

Ao ser apresentado à imprensa, o suspeito negou a autoria do crime, mas as investigações mostram convergências de depoimentos da vítima e familiares sobre a relação de abusos sexuais do padrasto com a enteada.

"O depoimento dela e dos familiares são parecidos nesse sentido. Ele foi preso, foi interrogado, indiciado e será recolhido", confirmou a delegada.

O suspeito ficará preso preventivamente. O mandado é assinado pela juíza Patrícia Chacon de Oliveira Loureiro, da 1ª Vara Especializada em Crimes contra Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes. Ele ficará preso no Centro de Detenção Provisório Masculino (CDPM), onde aguardará julgamento.

Mais Violência contra a mulher