Topo

Ex é suspeito de matar mulher com facadas no coração; vizinho o prendeu

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

12/09/2019 19h21

Uma mulher de 25 anos foi morta na manhã de hoje na região do Paranoá, no Distrito Federal, após ser atingida por um golpe de faca no coração. O suspeito de matar Lilian Cristina da Silva Nunes é o ex-namorado dela, de quem estava separada havia 15 dias, e confessou o crime. Jhonnatan Neto, 36, foi detido e levado até a polícia por um vizinho da jovem que é agente penitenciário.

O crime ocorreu por volta de 9h na região do Boqueirão, área rural do Paranoá. Segundo a delegada da 6ª Delegacia de Polícia, que investiga o caso, Lilian e o suspeito moravam no mesmo imóvel e teriam discutido porque a vítima já estava em outro relacionamento.

"Na delegacia, o Jhonnatan disse que matou a ex por ciúme e ódio, já que não conseguia superar o fim do relacionamento. Esse novo namorado dormiu com ela na noite anterior ao crime. Quando amanheceu, o ex percebeu que ele estava lá e cometeu o crime", explicou a delegada Jane Klébia.

Segundo o boletim de ocorrência, ao qual o UOL teve acesso, a vítima conheceu o suspeito, que estava detido por roubo, durante um saidão de presos. Eles se relacionaram durante um ano e terminaram, já que Neto havia retornado ao presídio. Depois de dois anos em liberdade, o homem reencontrou Lilian e o namoro foi reatado.

"O reencontro ocorreu porque eles começaram a trabalhar no mesmo local, na chácara do senhor Zezinho. Inclusive passaram a morar juntos em um barraco anexo à chácara. Há cerca de 15 dias, brigaram e decidiram terminar o relacionamento. Lilian dormia no quarto e o suspeito na sala, dividindo o local por uma forro de PVC, para que não mantivessem contato", contou a delegada.

Na delegacia, o suspeito contou que pediu para a ex não levar namorados para a casa, já que ainda "gostava muito dela". No entanto, a vítima não teria seguido o pedido e levado um rapaz para casa, depois da escola. Na manhã seguinte, Neto disse que pegou uma faca de cozinha que estava na porteira e correu em direção a Lilian. Afirmou que não se recorda de quantas facadas deu na jovem e que estava tomado "por ódio e fura", e que somente tomou consciência quando alguém lhe puxou.

"Mulher não se bate, se mata"

O vizinho do ex-casal, José Ferreira da Silva, conhecido como Zezinho, foi quem deteve o suspeito e o levou até a Delegacia do Paranoá. Ele também é dono da chácara em que os dois dividiam um lote. Ao UOL, o agente penitenciário disse que ouviu a briga e foi até o local verificar. Quando chegou, já viu Lilian desacordada.

"Ele só soltou a faca depois que eu disparei minha arma contra o chão, fazendo um alerta pra ele parar. Chamei um policial que estava ali por perto, mas levei o Jhonnatan por conta própria", afirmou.

Segundo o agente penitenciário, o suspeito não mostrou arrependimento por ter matado Lilian.

"Ele a amava, morria por ela. Era doentia a paixão. Chorava por ela, ia atrás. Eu sempre dava conselho, falando pra ele deixar pra lá. Mas o Jhonnatan sempre respondia: mulher não se bate, se mata. É um covarde", declarou o vizinho.

Mais Violência contra a mulher