PUBLICIDADE

Topo

Carla Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Moda de Gossip Girl mira em novo luxo e gênero fluido para seduzir zennials

Imagem do primeiro trailer do reboot de Gossip Girl  - Divulgação/HBO Max
Imagem do primeiro trailer do reboot de Gossip Girl Imagem: Divulgação/HBO Max
Carla Lemos

Carla Lemos é feminista, carioca, criadora do blog Modices e produtora de conteúdo há mais de 15 anos. Observadora atenta das mudanças de comportamento das mulheres na sociedade, Carla comanda o podcast PRIMAS e é autora do livro "Use a Moda A Seu Favor".

Colunista de Universa

15/07/2021 04h00

Mesmo quem não assistiu à primeira adaptação de "Gossip Girl" sofreu impacto cultural da série ainda , ainda que não fizesse ideia disso. A versão, inspirada numa série de livros, começou em 2009 juntinha do auge dos blogs de moda— que tiveram em Blair e Serena suas grandes inspirações. A série acabou em 2012, mas marcou uma geração.

Por isso, as expectativas em volta do reboot da série eram altíssimas desde o seu anúncio. Não só pela trama, mas especialmente em razão dos looks.

'Gossip Girl' entrou para preencher o buraco deixado por 'Sex And The City' com o objetivo de nos manter entretidas e alienadas com dramas de ricos em looks fabulosos em Nova York

E já no 1º episódio a série serviu demais com direito a tênis da coleção da Beyoncé, alusão às novas marcas de luxo e desfile da NYFW. E, pelo que já sabemos das fotos que circularam das gravações, vem muito mais glamour por aí — e eu estou muito pronta.

As duas edições de GG têm o mesmo figurinista, Eric Daman. Mas não pense que foi fichinha para ele, não. Eric é gente como a gente e sentiu a pressão. "Os telespectadores e os fãs têm grandes expectativas - os produtores, HBO. Como podemos fazer isso de um jeito novo e de acordo com o que fizemos antes? O que tudo isso significa? Tudo isso ficava rodando na minha mente", contou ele a InStyle.

Eric é nascido e criado em Manhattan e formado em literatura francesa pela Universidade de Sorbonne — o que ele diz ajudar na hora de criar um universo para cada personagem. Antes de assumir os figurinos de Gossip Girl, ele trabalhou com Kate Moss e Naomi Campbell, até que conseguiu emprego como assistente da Patricia Field, a mítica figurinista de SATC.

Os primeiros testes de figurino da nova versão de GG rolaram no final de 2019, então veio a pandemia. Quando a série retomou os trabalhos em Agosto passado, Eric reviu tudo que tinha feito e conseguiu tirar esse peso de si. Como ele diz 'Esta é uma nova geração. É um novo mundo'.

E é mesmo. Nove anos é o intervalo da geração entre millennials e geração Z. Não é tempo suficiente para que as tendências sejam esquecidas e se tornem desejáveis novamente. No ciclo da moda, este intervalo é um pouco maior, coisa de 15, 20 anos. Por isso, nada de visualzinho retrô com tiaras românticas e gravatas borboletas.

Os jovens da nova geração estão questionando, entre muitas coisas, os papéis de gênero e isso se reflete, intencionalmente, nos figurinos

Eric contou a Variety que queria ultrapassar esses limites. E ele está entregando looks sem gênero, bem como referências à primeira edição, claro.

Zoya (Whitney Peak) tem aquele ar grunge outsider da Jenny Humphrey (Taylor Momsen). Os looks preppy com perfume de Blair Waldorf (Leighton Meester) estão agora sendo usado pelas professoras, como a Kate Keller, interpretada pela Tavi Gevinson. Tavi tem só 24 anos, mas foi uma das pioneiras dos blogs de moda com apenas 11 anos. Mesmo tão novinha ela fazia textos incríveis e logo foi convidada para assistir desfiles na 1ª fila e circular no mundinho fashion. Ela viveu o mundinho da moda no auge do sucesso da 1ª versão de Gossip Girl e, assim como Blair, Tavi também adorava tiaras.

As tiaras sintetizam essa passada de bastão. Não são bem-vistas pelas garotas populares da Constance Billard — e elas deixam isso bem claro. É aquele papo que a gente teve sobre como a geração z rejeita os símbolos das millennials. A arte também imita a vida. Que venham as novas referências.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL