Blog do Dunker

Blog do Dunker

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Como alfabetizados digitais criam desafios às bibliotecas das universidades

O papel dos bibliotecários ganhou novos contornos a partir do acesso popular às plataformas digitais, o que no Brasil remonta os anos 2010.

Lembremos que o Brasil possui um histórico de atraso na alfabetização que se chocou com um salto para o uso massivo de redes sociais. Isso representa um choque de oralidade no universo que supostamente segue regras de língua escrita.

Há, portanto, um choque entre oral e escrito, que se combina com um choque geracional no uso da linguagem digital, com impacto direto no uso das bibliotecas.

Com isso passamos do paradigma do arquivo para o privilégio do usuário.

As bibliotecas passaram a ter a função de conduzir e educar os visitantes das bibliotecas na busca por informações, tanto nos meios físicos (livros) quanto nos digitais (Internet).

Mas além disso a biblioteca é um dos suportes cruciais para o desejo de sair da bolha e agregar presencialidade à experiência do saber.

Cursos livres, influencers, divulgadores científicos, assim como entulho digital convivem hoje com alta cultura, acervos digitais e internacionalização do saber.

As bibliotecas poderiam adquirir uma nova função de qualificar esta expansão e organização genérica dos saberes.

Isso cria alguns problemas imediatos:

Continua após a publicidade
  • As novas gerações --Y (millenials) e Z-- apresentam dificuldades crescentes com a cultura do livro físico, incluindo problemas genéricos de natureza atencional e indisposição com seu manejo, aquisição e guarda. Ao mesmo tempo distinguem o livro como objeto de colecionismo e apreciação, do material digital reciclável.
  • As novas gerações --millennials e Z-- possuem alfabetização digital nata, ou seja, nascidos depois de 1995, resistem a receber apoio da instrução "presencial" e têm dificuldades com programas de captura e credenciamento de textos, principalmente livros e artigos indexados que não sejam de acesso livre, aberto e gratuito.
  • O sistema de credenciamento muitas vezes é complexo e demasiadamente expositivo sem que o usuário perceba de antemão que sua demanda será atendida naquele repositório.

As práticas tradicionais da biblioteconomia e a concepção de biblioteca universitária guiaram-se por muito tempo por princípios como:

  • Enxergar o usuário como um ser ativo e construtivo;
  • Considerar o indivíduo de acordo com o seu contexto situacional;
  • Focar nos aspectos cognitivos envolvidos no processo;
  • Ter maior orientação qualitativa;
  • Analisar a individualidade das pessoas.

As queixas em geral passam pelas restrições de acesso impostas pelas grandes casas que têm se especializado na armazenagem e gestão de periódicos, como Elsevisier e Springer.

O acesso a este material muitas vezes é demasiado caro e envolve em várias áreas políticas de acesso restritivo [1] e falta de transparência que ofendem uma certa relação construída pelas gerações Z e millenials com o saber.

Isso passa pela ideia genérica de que o acesso ao saber e a cultura deve ser público e gratuito e que toda forma de pagamento é considerada uma violação grave e uma fonte de indisposição com o veículo que a subsidia ou patrocina.

Continua após a publicidade

É verdade que essa reação é mais frequente em certas áreas do que em outras. Mas deve-se contar aqui outro processo que atravessa e concorre provavelmente para o aumento das curvas de sofrimento e problemas de saúde mental entre jovens universitários, não só no Brasil, mas como tendência global.

Entre os motivos para tanto está a falta de presencialidade e de sentimento de pertencimento às diferentes comunidades universitárias, entre elas aqueles circuitos ligados ao uso e recurso às bibliotecas. O que não puder ser feito desde qualquer lugar, segundo acesso móvel e com controle livre de periodicidade será considerado um obstáculo.

A pandemia de covid-19 revelou outro dado preocupante, para o qual as bibliotecas ainda não reagiram. Uma parcela significativa dos estudantes ainda não possui acesso digital de forma segura e estável. De certa forma as bibliotecas precisam incorporar a função de disponibilizar acesso informático geral para estudantes.

Isso significa também que elas podem tomar um papel mais ativo na alfabetização digital, estabelecimento de boas e más práticas digitais e qualificação dos repositórios digitais. Isso implica levantar restrições de usos acriticamente em relação ao excesso de normatização e impulsionamento para publicação em áreas acadêmicas.

Hoje, os critérios de avaliação dos programas de pós-graduação caminham muito mais no sentido da congruência, coerências e consequência do que a produção bruta e quantitativa de dados.

O produtivismo afeta estas gerações de modo transversal e pervasivo. Dificuldade de qualificar o material digital. Como saber da pertinência de uma live, um congresso, uma aula gravada ou um discurso de divulgação científica.

Continua após a publicidade

Por outro lado, as bibliotecas podem caminhar em uma direção semelhante à da museologia, ou seja, cada vez mais importa a arquitetura, a experiência espacial, a promoção de cursos, debates e apresentações, até mesmo lojas e sistemas de suporte, como bancos e restaurantes.

A biblioteca não sobreviverá se não evoluir para uma espécie de espaço de convivência. O que Hal Foster chamou de complexo arte-arquitetura poderia encontrar um equivalente em um complexo saber-biblioteconomia. Isso significa que os processos formais, de certificação, indexação, normatização e padronização bibliográficas tenderão a se resolver pela interveniência de processos ligados a inteligência rtificial, liberando esforços e atenção para a promoção ativa de encontros.

Costuma-se separar os millennials (geração Y), nascidos entre 1980 e 1994, da geração Z, nascidos entre 1995 e 2015, que compreendem massivamente os atuais alunos de graduação. Os nativos digitais da geração Z são tidos como práticos, realistas, tolerantes, ativistas, avessos a rótulos, adeptos da acessibilidade e simplicidade, desejosos de construir um mundo melhor.

Os millenials, hoje entre 26 e 40 anos de idade, situam-se mais provavelmente entre os pós-graduandos. Eles cresceram em uma situação de forte violação de expectativas. Apesar de ganhar mais do que as gerações anteriores, a sua expectativa de ganhos e de satisfação com o trabalho é permanentemente rebaixada pela realidade. As promessas da aceleração digital, facilidade no controle da vida doméstica e realizações aquisicionais não se cumpriram, fazendo desta geração, ao contrário da geração Z, mais inclinadas a incorporar o espírito de produtivismo acadêmico.

Uma comparação possível pode ajudar a entender o choque de gerações entre os usuários de nossas bibliotecas universitárias [2] :

Geração Y (Millennials)

Continua após a publicidade
  • representa 54% das compras online;
  • 63% concluem as transações em seus smartphones;
  • 22% usam aplicativos para comprar mantimentos;
  • 83% não se preocupam com segurança durante as compras online;
  • 60% preferem comprar marcas genéricas;
  • 40% analisam avaliações e depoimentos online antes de comprar qualquer produto;
  • 60% permanecem fiéis às marcas que compram;
  • 81% esperam que as empresas se comprometam publicamente com causas beneficentes e de cidadania.

Geração Z

  • Mais de 98% prefere fazer compras em lojas físicas;
  • 66% dos compradores querem que as marcas vendam produtos de alta qualidade;
  • representa 25% do tráfego total de serviços de alimentação;
  • 45% escolhem marcas que são ecologicamente corretas e socialmente responsáveis;
  • 61% preferem marcas que oferecem proteção e armazenamento de dados seguros;
  • 43% preferem marcas que fornecem termos e condições claros de como eles usarão suas informações;
  • 65% tentam aprender a origem das coisas que compram, incluindo de onde são e de que são feitas;
  • menos de um terço se sente à vontade para compartilhar dados pessoais, além de informações de contato e histórico de compras;
  • 44% desejam que as marcas usem realidade aumentada ou realidade virtual para aprimorar a experiência de compra.

REFERÊNCIAS

[1] "As queixas mais comuns conhecidas têm a ver com a curta cobertura cronológica dos artigos e com a dificuldade em aceder aos últimos doze meses dos periódicos, por causa dos embargos, o que já não acontece com o formato impresso". Maria Teresa Ferreira da Costa (2019). O uso de periódicos científicos electrónicos nas instituições do Ensino Superior Público em Portugal. Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Ciências da Documentação e Informação.

[2] Zaninelli, Thais, et al. Veteranos, Baby Boomers, Nativos Digitais, Gerações X, Y e Z, Geração Polegar e Geração Alfa: perfil geracional dos atuais e potenciais usuários das bibliotecas universitárias. Brazilian Journal of Information Studies: Research trends, vol.x, publicação contínua 2022.)

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes