Conteúdo publicado há 1 mês

1ª protagonista trans em novelas revela medo no início de 'Elas por Elas'

Com "Elas por Elas" (Globo) na reta final, Maria Clara Spinelli faz um balanço dessa jornada em entrevista exclusiva para Splash.

Com 7 protagonistas, a trama das 6, que era um remake da novela de Cassiano Gabus Mendes, exibida em 1982, atualizava a história para os dias atuais. Em uma dessas mudanças, uma das amigas, que se reencontravam após 25 anos afastadas, era Renée, uma mulher transexual casada com Wagner (César Mello) e mão de dois filhos, Tony (Richard Abelha) e Vic (Bia Santana).

Maria Clara viveu a 1ª protagonista transexual da televisão aberta brasileira e revelou que sentiu medo no início da produção. "Nada que é novo é muito simples ou fácil. Eu estava com medo. Acho que todos estávamos. Mas foi um trabalho em equipe em que fomos nos ajudando ao longo do caminho. No fim, acredito que o saldo foi muito positivo. Meu carinho e gratidão especiais aos autores Thereza Falcão e Alessandro Marson e à diretora artística Amora Mautner. O que construímos juntos foi lindo."

Maria Clara Spinelli viveu a primeira protagonista transexual em uma novela
Maria Clara Spinelli viveu a primeira protagonista transexual em uma novela Imagem: Divulgação

Dividindo o protagonismo com outras 6 atrizes, Spinelli sente que isso proporcionou uma linguagem televisiva diferente daquela que o público via em novelas: "Um trabalho grande e cheio de desafios pelo caminho. Isso nos fortaleceu e uniu durante o processo. Uma união como coletivo, como grupo, porque nem sempre convivíamos nós sete juntas. Cada uma defendendo sua personagem, sua história, seu núcleo. Foi maravilhoso. Nos divertimos muito. E tivemos prazer em criar sequências coletivas grandes, que envolviam todos os personagens. O que não é comum na linguagem de telenovela".

Em "Elas por Elas", as sequências da revelação do assassino de Bruno (Luan Argollo) movimentaram a trama e fizeram a novela ficar entre os assuntos mais comentados nas redes sociais. A atriz diz que não acompanhou, mas, de alguma forma, fica sabendo. "Fazer uma novela é uma coisa insana, e ninguém conta isso para gente. Já tinha uma intuição da grandeza de tudo desde o início, portanto, enquanto muitos comemoravam a conquista, eu só pensava na responsabilidade do que estávamos por fazer."

Sobre as críticas, ela diz que fazer uma personagem como Renée requer um desapego do ego. "Renée não era uma personagem fácil. Tudo isso requer muita coragem, muita força, e muito desapego também. Inclusive do ego. Esse é o maior desafio".

Em certo momento da trama, Renée entra em um triângulo amoroso com seu ex-marido, que retorna doente após ter lhe abandonado sozinha com os filhos, e Rico (Pedro Caetano), o delegado amigo de Pedro (Alexandre Borges), com quem a personagem engata um romance. No final da trama, Renée se reconcilia com César, o que desagradou uma parte dos fãs da novela. "O absurdo foi Renée largando Rico para ficar com Wagner", escreveu um usuário do X (antigo Twitter).

Continua após a publicidade

Maria Clara entende essa reação do público, mas gosta do final de sua personagem com Wagner. "Entendo e acho bonito as pessoas sofrerem por Renée, e não quererem que ela se reconciliasse com alguém que a fez sofrer tanto."

Por fim, ela vê a jornada que foi "Elas por Elas" com a sensação de dever cumprido. "Saldo final é muito positivo, e todo o trabalho e dedicação valeram a pena. Encerro essa jornada com o sentimento de missão cumprida".

Deixe seu comentário

Só para assinantes