PUBLICIDADE
Topo

Justiça determina que viúva de Gugu receba US$ 10 mil por mês, diz advogado

Rose Miriam abraça filho João Augusto durante velório do companheiro Gugu Liberato - Manuela Scarpa e Marcos Ribas/Brazil News
Rose Miriam abraça filho João Augusto durante velório do companheiro Gugu Liberato Imagem: Manuela Scarpa e Marcos Ribas/Brazil News

De Splash, em São Paulo

25/10/2021 19h42Atualizada em 26/10/2021 09h37

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que o espólio de Gugu Liberato, morto em novembro de 2019, continue pagando o valor de US$ 10 mil (cerca de R$ 56 mil) por mês a Rose Miriam Souza di Matteo, ex-companheira do apresentador e mãe de seus três filhos.

A médica luta na Justiça para que sua união com Gugu e, consequentemente, sua parte na herança sejam reconhecidas desde a morte dele. O testamento do apresentador deixou 75% de sua herança — avaliado em quase R$ 1 bilhão — para seus três filhos e os 25% restantes para seus cinco sobrinhos.

Por hora, enquanto a decisão sobre a união estável não é julgada, os desembargadores determinaram que Rose Miriam continue recebendo o valor que foi firmado entre os dois antes da morte de Gugu.

Na decisão, a qual Splash teve acesso, há ainda a informação de que a quantia foi firmada em um "compromisso conjunto para criação dos filhos", assinado por Gugu e Rose Miriam. O dinheiro deve ser direcionado para despesas pessoais e domésticas.

O Tribunal também rejeitou o pedido de pensão alimentícia de R$ 100 mil mensais feito pela médica, conforme noticiado por Rogério Gentile, colunista do UOL. Os filhos de Rose Miriam teriam afirmado que ela deveria receber uma renda, mas não em patamar tão alto. Para João Augusto, Marina e Sofia, o valor seria "absolutamente distante da vida financeira espartana imprimida pelo próprio pai, uma pessoa generosa, mas que sempre fora seguro com relação ao dinheiro", diz o documento.

A Splash, Nelson Wilians, advogado da médica, informou que a decisão foi motivada após Rose Miriam ter o valor que costumava receber reduzido para US$ 7 mil (o equivalente a R$ 38.890,60).

"O Tribunal de Justiça de São Paulo negou o pedido do Espólio para suspender o valor que é recebido por Rose Miriam desde o início do ano passado (2020), bem como negou ainda o pedido de prestação de contas e compensação de valores", disse.

O Desembargador manteve o direito de Rose Miriam e ainda consignou que o Espólio deve pagar exatamente o importe de US$ 10 mil mensais -- que de forma equivocada estava pagando em torno de US$ 7 mil por mês --, valor este que é para o custeio próprio de Rose e da residência de Orlando onde mora com seus filhos. Sem prejuízo do Espólio continuar arcando com os demais encargos, como empregados, despesas com educação e lazer, além de saúde física, mental e dentária dos filhos.
Nelson Wilians, advogado que representa Rose Miriam.

Outras decisões

Em fevereiro do ano passado, a justiça negou o depósito da pensão de R$ 100 mil, concedida à médica, na conta de seu advogado, Nelson Wilians.