PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Adestrar seu cachorro em casa é possível. Veja dicas de especialistas

Juliana Finardi

Colaboração para Nossa

29/07/2021 04h00

Pode parecer coisa de filme e praticamente impossível para os simples mortais, mas não é. Adestrar um cãozinho em casa está ao alcance de todos e é a melhor forma de conexão entre tutor e pet.

Antigamente, a palavra adestramento remetia a algo militarizado, como se o pet de repente se transformasse em um verdadeiro robô aos comandos de "senta", "deita" e "rola". Hoje, porém, a ideia é outra.

"Trata-se de uma forma de educação, ensino e conexão. Entendemos a linguagem dele e conseguimos passar a nossa, estreitando cada vez mais a relação", explica o comportamentalista canino e adestrador, Rapha Aleixo.

Cachorro ganha petisco em adestramento - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Para quem ainda torce o nariz para a prática, o comportamentalista cita uma verdadeira lista de benefícios que vêm junto com essa tal conexão a que ele se refere.

"Se você decidiu ter um cachorro, obviamente que não foi para deixá-lo jogado no seu quintal sem poder interagir nem participar dos grandes momentos de felicidade da sua família.

Com o adestramento, além da conexão, você terá um cachorro equilibrado, controlado, educado e que te respeita, atende e obedece não por medo, mas por prazer. Porque é legal fazer o que você pede", diz.

Por onde começar

Convencido de que vai ser um bom negócio, então, como fazê-lo? O coordenador do curso de Veterinária da Faculdade Anhanguera, Frederico Fontanelli Vaz, ensina que o primeiro passo é criar uma rotina para o cãozinho, estabelecendo um cronograma com hora para comer, brincar e fazer as necessidades.

Adestramento é momento para criar conexão com seu bichinho - Getty Images - Getty Images
Adestramento é momento para criar conexão com seu bichinho
Imagem: Getty Images

"Passear e brincar diariamente com o pet, fornecer brinquedos e um ambiente desafiador, com enriquecimento ambiental, o ajudam a gastar energia e ficar menos agitado e bagunceiro", diz Vaz.

Dessa forma, a dica de ouro, de acordo com Aleixo, é o tal "reforço positivo", termo da moda que significa basicamente recompensar o doguinho quando ele faz algo adequado, ou que o tutor considera bom. E não necessariamente deve ser uma recompensa alimentar, em forma de petisco, por exemplo.

Petisco ajuda a reforçar os exercícios, mas não pode ser única recompensa - Getty Images - Getty Images
Petisco ajuda a reforçar os exercícios, mas não pode ser única recompensa
Imagem: Getty Images

Com o reforço positivo em mente, é hora de começar e, de preferência, com a regularização alimentar como primeira providência.

"As pessoas tendem a alimentar seus cães muito mais do que eles precisam e, naturalmente, por uma questão muito primitiva, o cachorro passa a não querer fazer algumas coisas porque o principal reforço que ele teria, o alimentar, não tem a necessidade porque ele está de barriga cheia", afirma Aleixo.

Uma das melhores formas de ensinar um pet é ter algo em mãos que ele queira como um petisco, uma bolinha ou até mesmo um carinho, de acordo com Vaz.

Assim, toda vez que o cão fizer algo pedido pelo tutor, ele pode ser recompensado."

Calma e repetição

Paciência é essencial para adestrar seu pet em casa - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Paciência é essencial para adestrar seu pet em casa
Imagem: Getty Images/iStockphoto

O coordenador da faculdade Anhanguera também recomenda que o "treino" aconteça em um ambiente calmo sem muitas distrações, durante um período que nunca ultrapasse meia hora, e, principalmente, deve ser divertido para o cãozinho e seu tutor.

Além disso, é preciso induzir o cão a fazer a ação que queremos e depois recompensar.

"Por exemplo, queremos que o cão aprenda a sentar. Podemos levantar a mão acima da cabeça dele e direcionar a mão um pouco para trás. Assim que ele sentar-se, fornecemos o petisco. Com a repetição, esses comportamentos começam a acontecer com mais facilidade e podemos inserir gestos ou comandos de voz", ensina Vaz.

Não é só para "baixinhos"

Quem tem um cãozinho adulto e ficou animado com a ideia, também pode seguir na empreitada do adestramento, que não é exclusivo aos filhotes.

Adestramento não é só para filhotes - Getty Images - Getty Images
Adestramento não é só para filhotes
Imagem: Getty Images

"Sem dúvidas, filhotes e cães adultos são adestrados da mesma forma. A grande diferença está no que o cachorro já aprendeu. Os adultos já sabem muitas coisas erradas, então precisamos fazer uma remodelagem destes comportamentos", afirma Aleixo.

Qualquer que seja a idade ou a raça do doguinho, o tutor precisa ter em mente que a aprendizagem não é fácil nem vai acontecer do dia para a noite.

"Nada vai acontecer em um estalar de dedos. Temos de colocar na cabeça que se o nosso cão vai viver 10 ou 15 anos, teremos todo esse tempo. O adestramento não tem fim porque vamos aprimorando o comportamento do cãozinho.

Gosto muito de dizer que quando o cachorro chega em nossa casa é um diamante bruto que a cada dia vamos lapidando para ele ficar mais bonito e mais brilhante", finaliza o comportamentalista.