PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Histórias do Mar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

O incrível superiate com quadra de tênis, 'aeroporto' e dono misterioso

Divulgação
Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Jorge de Souza

Jorge de Souza é jornalista há quase 40 anos. Ex-editor da revista "Náutica" e criador, entre outras, das revistas "Caminhos da Terra", "Viagem e Turismo" e "Viaje Mais". Autor dos livros "O Mundo É Um Barato" e "100 Lugares que Você Precisa Visitar Antes de Dizer que Conhece o Brasil". Criou o site www.historiasdomar.com, que publica novas histórias náuticas verídicas todos os dias, fruto de intensas pesquisas - que deram origem a seu terceiro livro, também chamado "Histórias do Mar - 200 casos verídicos de façanhas, dramas, aventuras e odisseias nos oceanos", lançado em abril de 2019.

Colunista do UOL

09/04/2022 04h00

Tanto pelo tamanho quanto pela originalidade, este novo iate, que acaba de ser lançado, é de deixar qualquer oligarca russo babando de inveja.

O "OK" (sim, este é o nome do barco) tem 146 metros de comprimento (uma vez e meia um campo de futebol) e uma peculiaridade que nenhum outro iate do mundo possui: 70% dele pode afundar e ficar ligeiramente submerso, para que outro barco menor (coisa que todo grande iate possui, para que o seu dono possa "passear" nas imediações) possa ser "embarcado" — veja o vídeo abaixo.

Pousa até avião

Superiate - Histórias do Mar - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Também é possível chegar em um avião anfíbio (desses que pousam na água) e levá-lo junto no passeio.

Ou as duas coisas juntas, barco e avião, já que espaço é o que não falta neste iate realmente sui generis.

Dá até para transformar o gigantesco convés do "OK" em uma espécie de piscina olímpica oceânica (maior até que as das Olimpíadas), usando o mesmo procedimento de afundar boa parte do convés e enchê-lo com água do mar, a fim de nadar com a segurança de continuar "dentro" do barco — embora ele também tenha, é claro, uma piscina de verdade, e com borda de vidro, para dar a sensação de estar conectada ao mar ao redor.

Também é possível embarcar quantos automóveis quiser (cabem, pelo menos, uns 50), porque o "OK" possui uma rampa própria, que pode ser conectada a qualquer porto, como um ferry boat.

Isso também nenhum outro iate oferece.

Era um navio

A explicação para tamanha originalidade está em um detalhe do projeto: antes de virar iate particular, o "OK" era um navio japonês de transporte de embarcações, o Super Servant 3, construído em 1982.

Durante quase 40 anos, ele transportou barcos e plataformas de petróleo mundo afora, daí o seu convés semi-submergível, para que sua "carga" embarcasse sem precisar ser retirada da água.

Superiate - Histórias do Mar - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Cinco anos atrás, ele foi comprado por um milionário, para ser usado como iate particular.

Manteve a característica de afundar

A transformação levou três anos e foi feita em um estaleiro da Turquia, que acaba de colocar o "OK" na água, agora transformado no mais surpreendente iate do mundo — embora continue tendo a aparência externa de um navio.

Além disso, seu novo dono decidiu manter a principal característica da embarcação, que é encher parcialmente de água, como se estivesse afundando.

Só que o objetivo passou a ser embarcar facilmente seus outros brinquedos náuticos — jet skis, paragliders, lanchas e outros barcos, inclusive um veleiro de quase 20 metros de comprimento, que só ele já seria um barco e tanto, também de sua propriedade.

Superiate - Histórias do Mar - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Quadra de tênis e muito mais

Mas, como tudo isso não ocuparia nem metade do espaço disponível no convés-garagem de mais de 3.000 m2 do "OK" (que também serve como heliponto para dois ou mais helicópteros, ao mesmo tempo), veio a ideia de criar outro diferencial inédito em iates: uma quadra de tênis com tamanho oficial.

Superiate - Histórias do Mar - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Quando o casco do "OK" enche de água, para o embarque de outro barco, a quadra de tênis também afunda, mas isso não é um problema, porque, tal qual o restante do convés, seu piso é antiderrapante e à prova de escorregões.

E, para evitar que as bolinhas acabem indo parar no mar, grandes grades protegem as laterais da quadra — para a parte de trás não precisa, porque o convés é tão longo que nenhuma bolinha conseguiria chegar até a água.

Tudo no "Ok" é surpreendente.

Suíte de vidro

Como se não bastasse tudo isso, ele também possui elevador externo panorâmico envidraçado, para facilitar o acesso aos seus três andares de amenidades ao ar livre, que incluem — vejam só! — um mini-jardim botânico (com plantas e árvores de verdade) e um cinema a céu aberto.

Dentro do barco, além de quatro enormes aquários, há acomodações para 20 privilegiados, sendo que a suíte principal, no terraço, ocupa toda a largura do casco e tem paredes de vidro por todos os lados, para que a vista do mar seja de 360 graus — nunca se viu nada igual.

Para mover tudo isso, dois motores que exigem um tanque de combustível com capacidade para 200 mil litros de óleo diesel — só para enchê-lo, custa o equivalente a mais de R$ 1,2 milhão.

Ninguém sabe quem é o dono

Mas, dinheiro, obviamente, não é problema para o dono deste impressionante barco, que, apesar de tudo, ocupa a modesta posição de 11º lugar na lista geral dos maiores iates do mundo - em tamanho, mas não em originalidade.

Seu nome, no entanto, é um segredo guardado a sete chaves, que nem o estaleiro que fez a mudança, nem o premiado designer que a concebeu, informam.

Talvez, porque, em tempos de confisco de iates russos, ele também seja da terra de Putin.