PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Thiago Moisés relata dias com covid-19 e celebra nova chance de lutar

Peso-leve volta ao octógono hoje para enfrentar o americano Bobby Green, pelo card principal do UFC Las Vegas 12 - Chris Unger/Zuffa LLC
Peso-leve volta ao octógono hoje para enfrentar o americano Bobby Green, pelo card principal do UFC Las Vegas 12 Imagem: Chris Unger/Zuffa LLC

Ag. Fight

Ag. Fight

31/10/2020 07h00

Após a frustração de ter sua última luta cancelada no dia do evento - 5 de setembro deste ano -, por ter testado positivo para covid-19, Thiago Moisés volta ao octógono neste sábado (31), para enfrentar o americano Bobby Green, pelo card principal do UFC Las Vegas 12.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight, o peso-leve (70 kg) revelou ter sofrido com alguns dos sintomas da doença, mas, recuperado, prevê um grande combate contra o embalado adversário, que venceu os três duelos que disputou em 2020.

De acordo com Thiago, a covid-19, que o tirou do compromisso diante de Jalin Turner em setembro, fez com que ele sentisse um cansaço anormal durante algumas semanas e, até mesmo, nos primeiros dias de seu retorno aos treinos. No entanto, o brasileiro ressaltou que conseguiu se recuperar a tempo de fazer uma boa preparação na academia da equipe 'American Top Team', e comemorou o novo compromisso marcado rapidamente pelo UFC após perder a oportunidade de competir há quase dois meses.

"Fiquei frustrado porque eu tinha feito todo o treinamento, tinha me preparado durante seis semanas, fiz dieta, bati o peso. Estava muito animado e chega no dia da luta a gente recebe a notícia que não vai lutar, que a gente não vai fazer o que gosta, com certeza, é muito frustrante. Mas estou muito feliz que o UFC marcou uma (nova) luta rápido", destacou Thiago Moisés, antes de comentar sobre os sintomas e a recuperação.

"Para mim foi como se eu estivesse com uma gripe mais forte. Os piores sintomas que eu tive foram a fadiga, me senti bem cansado, e a perda do paladar e olfato. Eu fiquei em quarentena em Las Vegas por duas semanas e quando eu voltei para a Flórida, na terceira semana, eu já retornei aos treinos. Nos primeiros treinos, eu ainda estava sentindo um cansaço maior do que o normal, mas três ou quatro dias depois eu já estava me sentindo normal. É difícil para o nosso corpo, mas eu acredito que tive bastante tempo para fazer a dieta, para perder peso novamente, e estou me sentindo super bem para essa luta", revelou o lutador paulista, relembrando os dois cortes de peso em sequência, já que chegou a passar pela pesagem da luta cancelada do último mês de setembro.

Vindo de vitória por finalização sobre o veterano Michael Johnson, em maio deste ano, Thiago terá pela frente um oponente que conseguiu engatar uma sequência positiva de três triunfos em 2020. Diante do experiente Bobby Green, o peso-leve projeta uma luta com muita ação, e afirma estar preparado tanto para a trocação afiada do rival, quanto para o seu estilo 'descontraído' em cima do octógono.

Adepto do 'trash talking' durante os combates, o americano utiliza essa arma para desconcentrar e minar a confiança dos rivais. Atento a isso, o brasileiro garante estar pronto para não permitir que o adversário seja bem sucedido em suas táticas, e levar o combate para a sua especialidade: a luta de chão.

"Estou esperando uma luta bem movimentada, o Bobby Green bem motivado por estar vindo de uma sequência de três vitórias. Ele está vindo com bastante ritmo de luta. E quem ganha com isso é o público. Acredito que vai ser uma luta que todo mundo vai curtir assistir", declarou o paulista, antes de completar sua análise.

"Ele tem uma trocação bem afiada, é muito bom no boxe. Ele gosta de falar bastante ali na trocação também, para tirar a atenção do adversário. Mas eu estou bem treinado na parte da luta em pé e quando ele der brecha eu vou levar a luta para o chão, para explorar o meu jiu-jitsu", analisou.

A confiança do paulista se justifica também pelo fato de, pela segunda vez consecutiva, enfrentar um adversário com o qual Dustin Poirier, um de seus companheiros de equipe na 'ATT', já dividiu o octógono. Depois de ter no colega de time o principal parceiro de treinos para o combate contra Michael Johnson, Thiago Moisés aproveitou novamente a experiência do ex-desafiante ao cinturão peso-leve do UFC para pegar dicas sobre Bobby Green, a quem Poirier derrotou em 2016.

"Na última luta, contra o Michael Johnson, o Poirier me ajudou bastante. Foi meu parceiro de sparring, por ser canhoto e também trabalhar bem no boxe. E para essa luta eu também peguei algumas dicas com o Dustin. Ele já enfrentou o Bobby Green, já esteve dentro do octógono com ele, e ele me passou algumas brechas que viu no jogo do Bobby Green. Mas para essa luta o meu principal parceiro de treinos foi o Leandro Silva", concluiu.

Aos 25 anos, Thiago Moisés compete no MMA profissional desde 2012 e soma 13 vitórias, sendo seis por finalização, e quatro derrotas em sua carreira. Por sua vez, Bobby Green, adversário do brasileiro neste sábado, no UFC Las Vegas 12, possui 27 triunfos, dez reveses e um empate em seu cartel.

MMA