PUBLICIDADE
Topo

Futebol vai ao pódio sem agasalho, irrita COB e deve gerar disputa judicial

Seleção brasileira de futebol conquista o ouro na final contra a Espanha nos Jogos Olímpicos de Tóquio - Clive Mason/Getty Images
Seleção brasileira de futebol conquista o ouro na final contra a Espanha nos Jogos Olímpicos de Tóquio Imagem: Clive Mason/Getty Images

Demétrio Vecchioli

Do UOL, em Tóquio

07/08/2021 12h23

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) resolveu desafiar o Comitê Olímpico do Brasil (COB). A seleção masculina foi ao pódio para receber a medalha de ouro após vencer a Espanha na final das Olimpíadas de Tóquio, neste sábado (7), descumprindo uma determinação expressa do Comitê de vestir o agasalho oficial da delegação, fornecido pela empresa chinesa Peak. Ao invés disso, todos os jogadores vestiram a camiseta do time, da Nike, com o agasalho amarrado na cintura.

Nos Jogos Olímpicos, cada país tem um uniforme de pódio aprovado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e que vale para as equipes de todas as modalidades. Assim, toda vez que um norte-americano vai ao pódio, por exemplo, ele usa um mesmo uniforme da Nike. Vale para todos os países.

No caso do Brasil, até a Rio-2016, esse uniforme era produzido pela Nike, que patrocinava o COB e não quis renovar contrato para o atual ciclo. Em busca de um fornecedor, o Comitê brasileiro fechou com a Peak, que fornece milhares de peças de enxoval em troca de exposição em momentos-chave, sendo o principal deles a cerimônia de pódio.

Dentro de campo, o uniforme de cada equipe pode ser produzido pelas fornecedoras que patrocinam as respectivas modalidades, como é o caso da Asics no vôlei e da Nike no atletismo e no skate, por exemplo. Quando a confederação não tem um fornecedor, os atletas do Brasil usam vestimentas da Peak.

A CBF, porém, bateu o pé que queria expor a marca da Nike no pódio, o que, segundo o COB, é vetado pelas regras do COI. E, no caso de punição, quem sofre as consequências é o Time Brasil, ou seja, o Comitê Olímpico, e não a confederação. O COB já havia pedido formalmente que a CBF não fizesse o que fez hoje.

Mas o maior problema é o compromisso com a Peak, que o COB não cumpriu, porque os jogadores foram ao pódio sem o agasalho. E isso pode gerar não só grande prejuízo para o Comitê como atrapalhar uma eventual renovação contratual.