PUBLICIDADE
Topo

Quem é a jamaicana Elaine Thompson-Herah, a mulher mais rápida do mundo

Elaine Thompson-Herah, da Jamaica, aponta para o relógio na final dos 100m rasos nas Olimpíadas de Tóquio - Matthias Hangst/Getty Images
Elaine Thompson-Herah, da Jamaica, aponta para o relógio na final dos 100m rasos nas Olimpíadas de Tóquio Imagem: Matthias Hangst/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

31/07/2021 14h14

Antes mesmo de cruzar a em primeiro a linha de chegada dos 100m rasos, neste sábado (31), a jamaicana Elaine Thompson-Herah já estava sorrindo e apontando para o relógio que marca o tempo da prova. Ela, que já havia conquistado a medalha de ouro nos 100m e nos 200m rasos nas Olimpíadas do Rio-2016, sabia que estava entrando para história.

Com o tempo de 10s61, a jamaicana de 29 anos havia acabado de quebrar, por um décimo de segundo, o recorde que a norte-americana Florence Griffith Joyner conquistou em Seul-1988, três anos antes da agora tricampeã olímpica nascer.

E apesar do feito histórico, Thompson-Herah disse que poderia de ido melhor na prova. "Acho que poderia ter sido ainda mais rápida se eu não começasse a celebrar e a apontar, na verdade. Isso é para mostrar a todos que sempre temos mais coisas para alcançar. Espero que um dia eu consiga quebrar todos os recordes possíveis, é claro que é um sonho", afirmou Elaine Thompson-Herah após ser campeã olímpica em Tóquio.

A Jamaica, que tem tradição no atletismo (alô, Usain Bolt), conseguiu um pódio triplo na prova. A bicampeã olímpica e tetracampeã mundial dos 100 m rasos, Shelly-Ann Fraser-Pryce, fez o tempo de 10s74 e conquistou a prata, enquanto Shericka Jackson, bicampeã mundial no revezamento 4x100, ficou com o bronze (10s76).

Nascida em Manchester, no centro-oeste da Jamaica, Thompson-Herah começou a correr ainda na escola. Depois, foi recrutada pela Universidade de Tecnologia da Jamaica e começou a treinar na equipe MVP Track Club, a mesma de Nesta Carter (bicampeão olímpico e tricampeão mundial) e de Asafa Powel, ouro na Rio 2016 e bicampeão mundial no revezamento 4x100.

Com o treinamento, os tempos da jovem começaram a diminuir, e, em 2015, ela correu abaixo dos 11s pela primeira vez. No ano seguinte, estabeleceu o tempo de 10s70, ao vencer o campeonato jamaicano.

Na época, o treinador Paul Francis, do MVP, cravou que se tratava de uma "estrela em ascensão". " Ela é brilhante e aplica essa dedicação ao seu treinamento", disse ao Jamaica Observer.

E ela vem provando que o treinador estava certo. No mundial de Pequim, em 2015, Thompson-Herah conquistou o ouro no revezamento 4x100 e a prata nos 200m rasos. Na Rio-2016, a jamaicana subiu ao lugar mais alto do pódio duas vezes: nos 100m e nos 200m, a primeira velocista jamaicana a conquistar o feito. E ainda faturou a prata no revezamento 4x100.

Desde os ouros olímpicos, tem faturado outras medalhas para a sua coleção, como dois ouros no Diamond League (2016 e 2017), o bronze no mundial indoor (2016) e o ouro no Pan-Americano de Lima (2019).

Agora o objetivo é quebrar outro recorde de 1988: o mundial de 10s49 dos 100 metros, que também pertence a Florence Griffith Joyner. Será?