PUBLICIDADE
Topo

Olimpíadas: Brasil fica fora das semifinais dos 100m livre masculino

Pedro Spajari em ação nas Olimpíadas de Tóquio - Oli Scarff/AFP
Pedro Spajari em ação nas Olimpíadas de Tóquio Imagem: Oli Scarff/AFP

Colaboração para o UOL

27/07/2021 07h25

Se a madrugada anterior foi boa para a natação brasileira, com a medalha de bronze de Fernando Scheffer nos 200m livre e a classificação de Leonardo de Deus nos 200m borboleta, a manhã desta terça-feira (27) não começou da melhor forma.

Nas classificatórias para os 100m livre, o Brasil foi representado por dois atletas, mas não conseguiu uma vaga para as semifinais da prova que tem Cesar Cielo como recordista mundial.

O primeiro a pular na água foi Gabriel Santos, que ficou apenas na sétima posição da sua bateria, com 49s33, perdendo o ritmo na segunda piscina.

Após sua prova, o nadador de 25 anos reconheceu que seu desempenho não foi dos melhores e que ainda não sabe o que deu errado para um tempo tão abaixo de seu normal — Gabriel fez o 32º tempo nas eliminatórias.

"Meu desempenho não foi muito bom, foi um tempo bem ruim, nem lembro a última vez que nadei para um tempo parecido com esse. Revezamento também não foi muito legal. Não tenho uma análise agora, preciso conversar com meus técnicos e analisar planejamento e parte técnica para entender o que aconteceu. É um resultado que tem muito trabalho envolvido tem a parte pessoal envolvida. Ficamos chateados com o resultado ruim, mas ele está aí para gente evoluir e ir em busca de melhores resultados", afirmou ao SporTV.

Depois, na oitava bateria, Pedro Spajari começou muito bem, virando a primeira piscina na liderança da prova. O nadador, contudo, não conseguiu manter o ritmo e terminou na última colocação, com tempo de 48s74.

Mesmo com rendimento um pouco melhor, Spajari se mostrou abalado com sua performance — ele fez o 25º tempo. Ele desabafou dizendo que passou mal antes da final do revezamento 4x100m e acrescentou que vai treinar ainda mais para medalhar em Paris-2024.

"Queria agradecer toda torcida do Brasil. Também pedir desculpa sobre o revezamento, estava aqui, mas passando mal, fiz tudo que podia, me arrisquei, nadei bem, só que estou travando muito no final. Eu tentei de todas as formas poder representar nosso país da melhor maneira possível", lamentou.

"Não vou pedir desculpa porque não tem do que pedir, foram 4 anos treinando para realizar esse sonho, meu e da minha família. A gente esperava estar na semifinal, agora cabeça erguida pra treinar nos próximos 3 anos pra chegar nas próxima Olimpíadas em busca da medalha", concluiu.

O dono do melhor tempo das classificatórias foi do italiano Thomas Ceccon, com 47s71.