PUBLICIDADE
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Maria Victoria: Seleção feminina começa com autoridade, mas vamos com calma

Do UOL, em São Paulo

21/07/2021 11h49

A seleção brasileira feminina de futebol abriu sua participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio com goleada de 5 a 0 diante da China, com dois gols de Marta, conseguindo um bom saldo em um grupo que ainda a Holanda, que estreou fazendo 10 a 3 contra Zâmbia, a outra equipe do grupo F no Japão.

Em sua participação no programa UOL News Esporte, com Marcelo Hazan, Maria Victoria Poli analisa a boa estreia do Brasil diante das chinesas, em jogo que marcou a primeira competição envolvendo brasileiros na Olimpíada de Tóquio, mas faz alerta que a principal preocupação brasileira na competição é com as seleções europeias.

"Segue o recorde, o Brasil nunca perdeu numa estreia de Olimpíada e foi isso, goleada, 5 a 0, vitória importantíssima para o Brasil, começa com autoridade, com a confiança lá em cima, o saldo de gols também é bom, mas claro, vamos com calma, porque os adversários europeus e os Estados Unidos também ainda são quem mais a gente tem que se preocupar", diz Maria Victoria.

A jornalista cita a queda de ritmo da seleção no início do segundo tempo, aponta melhoras com as mudanças promovidas pela treinadora Pia Sundhage e destaca a participação de Bia Zaneratto e Debinha, além das marcas atingidas por Formiga e Marta.

"O primeiro tempo o Brasil foi melhor, foi mais intenso e no segundo tempo deu uma diminuída no ritmo, mas as mudanças da Pia também surtiram efeito, ela fez algumas substituições, colocou a Andressa Alves, Ludmilla e Julia ao longo do segundo tempo e o Brasil tomou algumas bolas na trave, teve ali uns 20 a 30 minutos de incômodo das chinesas, mas conseguiu começar com essa vitória, o terceiro gol deu bastante confiança", analisa Maria Victoria.

"A Formiga se tornou a jogadora mais velha a jogar uma Olimpíada, 43 anos e contando, sete edições e ela participou de todas desde que a modalidade passou a fazer parte do calendário olímpico, em 1996. Agora a Marta com cinco participações em Olimpíadas e a Formiga com sete nenhum outro atleta disputou mais de quatro edições. De destaques, Bia Zaneratto e Debinha fizeram um excelente jogo", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL