PUBLICIDADE
Topo

Tendência é que renovação com Jesus ocorra, diz presidente do Flamengo

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo - fotoBR/divulgação/Flamengo
Rodolfo Landim, presidente do Flamengo Imagem: fotoBR/divulgação/Flamengo

01/04/2020 06h55

Em entrevista à FLA TV, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, esclareceu questões relevantes acerca do do atual cenário do clube, que não escapou das consequências relacionadas ao coronavírus. Além de responder a respeito do calendário e implicações quanto à paralisação dos campeonatos e atividades por conta da pandemia, o dirigente afirmou que espera acertar a renovação do contrato de Jorge Jesus, que termina em maio, mesmo com o técnico em Portugal.

"Essa é a pergunta de todos. As informações já são públicas, estamos conversando há algum tempo, mas agora teve a paralisação. O Jesus foi para Portugal e deve estar voltando no fim do período de férias. Vamos voltar a conversar. Ele já disse que está feliz aqui. Nós estamos felizes com ele. A tendência natural é que isso [renovação] ocorra. Esperamos que esse casamento feliz continue. Nossa vontade é pelo menos até o fim de 2021, que é quando essa diretoria estará à frente do clube", disse Landim.

Na entrevista, o mandatário rubro-negro também explicou que o Flamengo manterá o pagamento integral aos atletas - os salários referentes a março, por exemplo, cairão na conta de jogadores e funcionários, até o quinto dia útil de abril, como de praxe.

No entanto, Landim afirmou não haver garantia da normalidade salarial caso a paralisação seja "extremamente longa":

"O Flamengo honra os seus compromissos, paga em dia. Essa é expectativa que temos, e queremos manter isso. Traçamos cenários, os mais diversos possíveis, para tentarmos manter isso. Mas não controlamos os cenários. Com uma paralisação extremamente longa, nenhum clube teria condições de manter o pagamento integral de todos jogadores. Seria totalmente impossível", declarou.

Maracanã como hospital

Os jogadores do Flamengo entram de férias hoje (1º), com término previsto para o dia 20. Para que haja auxílio à saúde pública, o Complexo Maracanã foi cedido por Flamengo e Fluminense, permissionários do estádio, para que o Governo do estado do Rio de Janeiro instale as estruturas necessárias para tratamentos dos pacientes infectados pela COVID-19.

"Sobre ter sido disponibilizado para a montagem de um hospital de campanha, a decisão é que a área será a do antigo estádio de atletismo Célio de Barros. Uma área bastante ampla. Talvez tenhamos que ceder uma área ou outra do Maracanã para o atendimento, mas isso inviabilizaria mandarmos jogos com o retorno das competições. E agora com um gramado melhor, ao menos neste início", disse, salientando que o campo será preservado e "recuperado".

"Foram 20 jogos esse ano, um número bem alto. Flamengo, Fluminense e até do Vasco. O gramado já estava sofrido em função disso. Agora está em processo de recuperação", detalhou.

As primeiras instalações já começaram a ser montadas no Estádio de Atletismo Célio de Barros, hoje desativado. Ainda não há previsão para o funcionamento do hospital improvisado.

Posse de Bola: Quanto vale Jorge Jesus?

Flamengo