PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Política, pressão e reviravolta: os loucos bastidores do Flamengo em Lima

Gabigol, do Flamengo, domina a bola e é marcado de perto por jogador do Sporting Cristal, em jogo pela Libertadores 2022 - Marcelo Cortes / Flamengo
Gabigol, do Flamengo, domina a bola e é marcado de perto por jogador do Sporting Cristal, em jogo pela Libertadores 2022 Imagem: Marcelo Cortes / Flamengo

Leo Burlá e Marcel Rizzo

Do UOL, no Rio de Janeiro

06/04/2022 04h00

Classificação e Jogos

A passagem do Flamengo em Lima foi marcada pela vitória por 2 a 0 contra o Sporting Cristal, mas os rubro-negros lembrarão mais da viagem graças às reviravoltas e costuras ocorridas antes de a bola rolar.

Desde anteontem (4), já havia uma espécie de sinal de alerta ligado por conta dos protestos que estavam por explodir. Tão logo o elenco acordou, o presidente Pedro Castillo decretou estado de emergência no Peru e o jogo virou uma casca de banana no caminho do mandatário.

Ante os protestos de cidadãos insatisfeitos com a alta da gasolina e dos fertilizantes, Castillo, em um primeiro momento, se mostrou intransigente em relação ao jogo. Ao entrar em cena, Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, conseguiu costurar uma saída com a partida sem público e teve certeza de que havia conseguido atingir um meio-termo.

Paralelamente, Fred Nantes, diretor de competições da Conmebol, mantinha conversas frequentes com o supervisor Gabriel Skinner. Um "andar acima", Domínguez e Rodolfo Landim se falavam por telefone. A indicação da entidade sul-americana era de que ela deveria manter normalmente sua rotina para o jogo.

A reunião entre representantes do Fla e do Sporting Cristal ocorreu normalmente, porém de forma remota. Este encontro, que é habitual antes dos jogos da Libertadores, definiu questões referentes à logística, segurança, comunicação e outros temas comuns. Ficou acordado que os protocolos pré-estabelecidos deveriam ser mantidos, mas não se falou sobre a presença de público.

Apesar de as autoridades locais terem empenhado sua palavra, não havia manifestação oficial alguma. A Conmebol, por sua vez, tratou de manter o ar de normalidade e badalou a partida em suas redes sociais como se não houvesse uma revolta popular em curso.

Tudo parecia caminhar para uma costura sem alarde nos bastidores, mas a questão piorou à medida que as ruas da capital peruana começaram a ser tomadas. Quando parte da delegação rubro-negra estava no lanche, a notícia: o Instituto Peruano de Esportes determinou o cancelamento. Fragilizado, o governo sucumbiu ao clamor das ruas e deu uma resposta rápida.

Minutos depois do órgão se manifestar, o Flamengo foi oficialmente notificado pela Conmebol e já começava a mobilizar seu setor de logística para acelerar sua volta ao Rio de Janeiro. Com as ruas do país cada vez mais ocupadas, o Fla começou a temer por eventuais consequências e estudava meios de antecipar o voo fretado.

Em 15 minutos, a reviravolta. Castillo revogou o estado de emergência, restaurou a "normalidade" na capital e a partida voltou a ser liberada após o cancelamento. O clube foi informado por Frederico Nantes da nova determinação e suspendeu o estado de desmobilização. Por conta da confusão, o duelo foi atrasado em 30 minutos e ocorreu com os portões fechados.

Em questão de minutos, jogadores entraram no ônibus e a preleção, que seria realizada no hotel, já foi realizada no vestiário do Estádio Nacional. Ao final do dia, três pontos valiosos na bagagem e muita história para contar.

Alívio

Não foi brilhante, não encantou o torcedor, mas a vitória trouxe uma boa dose de alívio no clube. Depois de uma semana marcada por uma intensa crise nos bastidores, o Rubro-Negro respira mais aliviado e mira dias de mais paz para seguir o trabalho.

"Todos somos Flamengo. Quanto mais unidos e entrosados estivermos, mais vitorias vamos conquistar. A única forma de lidarmos é estar focados no que controlamos. Estivemos focados e a equipe correspondeu bem", disse o técnico Paulo Sousa, que acrescentou:

"Hoje era um dia de consistência, de iniciar bem a competição. Procuramos ter o Andreas em uma linha mais alta para termos espaços e ataques mais rápidos."

  • Veja comentários de José Trajano e Alicia Klein sobre a vitória do Flamengo:

Flamengo