PUBLICIDADE
Topo

Botafogo

Torcedor trans do Botafogo tatua mascote diferente e se liberta em estádio

Theo e seu pai, Arthur, no Estádio Nilton Santos, casa do Botafogo - Acervo pessoal
Theo e seu pai, Arthur, no Estádio Nilton Santos, casa do Botafogo Imagem: Acervo pessoal

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

21/10/2021 04h00

Classificação e Jogos

Botafogo desde que nasceu, Theo Fish agora tem relação diferente com o clube. As idas ao estádio com seu pai mudaram um pouco nos últimos tempos. No Nilton Santos, o escritor e estudante de psicologia de 25 anos teve um grande momento de libertação de sua vida: depois de realizar a mastectomia, cirurgia de remoção das mamas, tirou a camisa e rodou no alto para comemorar um gol do Alvinegro.

Homem transgênero que viralizou com fotos desse momento e uma tatuagem do mascote do clube, Manequinho, em uma versão transexual, ele contou sua história ao UOL Esporte, com as dores de ser visto como um torcedor diferente dos demais e a repercussão positiva da exposição de sua luta nas redes sociais.

"Foi uma surpresa sem dúvidas, não esperava tanta repercussão e de forma tão rápida. Fiquei feliz demais por tantas pessoas LGBTQIA+ me agradecendo e se emocionando mas ficarei mais feliz se tudo isso gerar um debate necessário entre pessoas cisgêneros e suas transfobias enraizadas. Como futuro psicólogo me sinto na obrigação de falar sobre e levar a visibilidade e representatividade que minha comunidade tanto precisa", diz.

Em 2016, após um intercâmbio de cinco meses em Vancouver, no Canadá, Theo se assumiu um homem trans: "Andava pelas ruas sem medo, não precisava me esforçar para me encaixar". O início foi de difícil aceitação, e o apoio vinha de seus amigos.

Theo Fish e seu pai, Arthur, no Maracanã, após sua transição de gênero - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Theo Fish e seu pai, Arthur, no Maracanã, após sua transição de gênero
Imagem: Acervo pessoal

O jovem se dividia entre Florianópolis, onde mora atualmente, com a família de sua mãe, e o Rio de Janeiro, cidade onde cresceu com seu pai, Arthur Fish, que lhe deu suporte para o acompanhamento psicológico e o terapia hormonal. Hoje aceito e respeitado por todos, ele lidou com preconceitos.

"O pior era no transporte público. Por onde eu andava, era analisado de cima para baixo. Acredito que a sociedade brasileira não está preparada para lidar com corpos diferentes", resume.

Antes de realizar a cirurgia, Theo ouvia comentários preconceituosos em sua direção e de seus amigos trans. Passou por situações difíceis, um dos motivos para sair do Rio em direção à Florianópolis, em 2019. Por lá, estuda psicologia e busca emprego. Mas segue sem muitas oportunidades. Em algumas oportunidades, trabalha como estoquista, atendente em bares e "o que der para bancar meus estudos".

"Muitas famílias saiam de perto, com olhares tortos e algumas vezes até comentando que iríamos traumatizar as crianças em volta. Mas a maior violência que vivenciei foi ser seguido por um homem voltando do trabalho no Leblon, que estava me observando desde que entrei no ônibus. Ele desceu junto comigo, e eu fui andando mais rápido e ele seguindo, até eu começar a correr e ele correr junto rindo e dizendo que ia me pegar e me transformar em homem. Cheguei antes ao meu prédio e nada aconteceu".

Theo Fish e seu pai no Maracanã, ainda antes da transição de gênero, no Maracanã - Acervo Pessoal - Acervo Pessoal
Theo Fish e seu pai no Maracanã, ainda antes da transição de gênero, no Maracanã
Imagem: Acervo Pessoal

O Manequinho trans

Depois de ser considerado ofensivo pelo povo, um monumento chamando Maneken Piss, vindo de Bruxelas, saiu da Praça Floriano, na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro, e foi transferida para o final da praia de Botafogo, em frente do Mourisco Mar, uma das sedes do Glorioso. A estátua retrata um garoto urinando.

Em 1948, o Botafogo de Nilton Santos bateu o Expresso da Vitória do Vasco da Gama e se sagrou campeão carioca. Reza a lenda que, antes do jogo, um torcedor vestiu a escultura do "Manequinho" com uma camisa alvinegra. Oficialmente, em 1957, em outro título estadual do Alvinegro, a simpática figura passou a ser vista como mascote, e Didi repetiu o ritual, colocando sua própria camisa do jogo na estatueta.

A estátua já foi vandalizada, teve partes roubadas e até sumiu, em 1990. Para ser melhor cuidada, passou a ficar na frente da sede de General Severiano. Theo resolveu modernizar ainda mais o Manequinho e criou uma versão trans, tatuada em seu braço. A arte foi eternizada em seu corpo por Nuna Hickmann, tatuador trans e não-binário.

"Sempre quis fazer uma tatuagem que me representasse, onde haveria um boneco com características masculinas porém com uma vulva ao invés de um pênis, e apenas juntei o meu amor pelo Botafogo com seu mascote de um manequinho (cis) fazendo xixi com o orgulho de ser quem sou, num corpo político e de muita resistência, uma vez que moro no país onde mais matam pessoas trans no mundo", conta.

Liberdade em corpo diferente

Desde pequeno que Theo se identifica como homem. E foi uma criança que abriu seus olhos. No Canadá, uma professora de inglês lhe levou para conhecer seu filho, Mickey, hoje com 8 anos, que correu até ele e disse: "você é como eu". A partir dali, resolveu mostrar quem era, se assumiu em um post no Facebook e enfrentou muita coisa.

O momento de êxtase veio depois de sua transição e de uma cirurgia que era vista um sonho. Para fazer a mastectomia e remover suas mamas, Theo e seu pai, Arthur, precisaram ir à Brasília conhecer um médico especialista na técnica, considerada nova na medicina.

Theo, ainda criança, com seu pai, Arthur, vestidos com o uniforme do Botafogo - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Theo, ainda criança, com seu pai, Arthur, vestidos com o uniforme do Botafogo
Imagem: Acervo pessoal

A família fez um pedido ao plano de saúde, negado por ser considerado um "procedimento estético". Na Justiça, conseguiu provar que a operação era um cuidado com saúde física e mental, afinal, sofreu inúmeras violências por ser, nas suas palavras, um "homem de barba com seios que precisava esconder seu corpo por conta de uma sociedade preconceituosa".

"Quando fui ao Nilton Santos pela primeira vez depois da cirurgia recebi críticas de familiares e até amigos preocupados com a minha segurança. É compreensível e válido, mas não poderia reprimir esse sonho e a emoção que senti por preconceito alheio. Estava com meu pai e mais dois amigos trans no momento, me senti seguro e em momento algum alguém percebeu a cicatriz ou falou algo", lembra.

A luta, entretanto, está longe de terminar.

"Jamais vou abaixar a guarda e sempre me preocupar em lugares como esse pois sei que existem pessoas maldosas que são contra a minha existência".

Botafogo e LGBTQIA+

Em junho, mês do orgulho LGBTQIA+, o Botafogo realizou uma ação junto à patrocinadora Centrum e ao movimento LGBTQIA+ Botafogo para promover a campanha "Ninguém Cala Esse Nosso Amor", utilizando versos de uma música da torcida alvinegra.

A ideia é "disseminar para botafoguenses e todos os amantes do futebol um recado de grande impacto contra a LGBTfobia e a intolerância no esporte".

Botafogo realizou ações de inclusão e diversidade em junho  - Vitor Silva/BFR - Vitor Silva/BFR
Botafogo realizou ações de inclusão e diversidade em junho
Imagem: Vitor Silva/BFR

"É papel do Botafogo, marca gigantesca do futebol mundial, dar visibilidade e apoio a uma luta tão significativa: o direito das pessoas amarem quem elas quiserem. Ninguém pode calar o amor de ninguém. Temos muito orgulho em abraçar a maior diversidade possível de botafoguenses", disse Caio Araujo, então gerente de negócios do Botafogo.

Procurado pelo movimento LGBTQIA+ Botafogo após a repercussão de sua história, antes silenciada em páginas e grupos de botafoguenses em outros ambientes da internet, Theo acompanhou as iniciativas do clube.

"Fiquei muito feliz mas ao mesmo tempo acredito que é o mínimo a ser feito, infelizmente muitos clubes não aderiram e nem falam sobre, é muito importante falar e divulgar essa informação e posicionamento, mas é necessário fazer mais. Porque até hoje não temos jogadores transgêneros no Brasileirão?", questiona, para prosseguir.

Theo no Estádio Nilton Santos, em 2017, na campanha do Botafogo na Libertadores - Acervo Pessoal - Acervo Pessoal
Theo no Estádio Nilton Santos, em 2017, na campanha do Botafogo na Libertadores
Imagem: Acervo Pessoal

"Com certeza não faltam jogadores trans, o que falta é espaço e diálogo. Futebol não deveria ter identidade de gênero e/ou sexualidade mas é como ele é lido até hoje: um esporte hétero e cisnormativo. Nos poucos esportes que ocupamos algum lugar somos constantemente questionados se podemos estar ali, sempre os mesmo argumentos sem comprovação científica, como no caso do vôlei onde ainda existe muito a falsa informação de que mulheres trans tem algum tipo de vantagens. É mais fácil falar em desvantagens do que vantagens em ser trans", opinou.

Botafogo