PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Flamengo tem números positivos no ataque, mas Ceni pede mais efetividade

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

16/05/2021 04h00

Ataque mais positivo da primeira fase do Campeonato Carioca e da fase de grupos da Libertadores até aqui, o Flamengo vê a efetividade ofensiva entrar em debate após o empate com o Fluminense, na noite de ontem (15), pelo primeiro jogo da final do Estadual. O técnico Rogério Ceni, inclusive, não escondeu uma certa frustração com o resultado e indicou querer ver mudanças no próximo sábado (22), quando os rivais voltam a se encontrar.

Entre Taça Guanabara, semifinal do Carioca e primeiro jogo da final, foram 31 gols marcados. Já na competição continental, foram 12 — Palmeiras e Internacional, com 11, vêm logo atrás. Com seis gols, Gabigol é um dos artilheiros da Libertadores, e, com os mesmos 6, o camisa 9 e Pedro ocupam a vice-artilharia do Carioca, atrás de Alef Manga, com nove.

Diante de tal retrospecto, parece difícil que o ataque seja uma dor de cabeça ao Rubro-Negro. Mas, apesar dos números, Ceni admite que há ajustes a serem feitos e quer um time com o "pé mais calibrado" para aproveitar as oportunidades. Contra o Tricolor, duelo que gerou o posicionamento do comandante, foram 11 finalizações e seis erradas, um aproveitamento de 45,5%, segundo o site Footstats. No primeiro tempo, em que teve maior domínio do jogo, foram seis finalizações e apenas duas certas.

Mais que os gols, o treinador aponta querer um time que saiba aproveitar o domínio que aplica aos adversários para construir o placar favorável de uma forma mais sólida, evitando reações dos adversários.

"Como já aconteceu em outros jogos, tivemos o domínio e não conseguimos converter. (...) No jogo em si, sob controle e com a maioria das oportunidades de definir a partida. Infelizmente, não definimos", disse.

"Vantagem é você ser melhor durante a partida, criar as oportunidade e, mais vantagem ainda, se conseguir concluir em gols as oportunidades que cria. Hoje, novamente na frente, criando oportunidades, podendo fazer o segundo gol. Talvez, tivemos sangue frio, mas não estávamos com o pé calibrado para colocar a bola para dentro e decretar uma vantagem maior quando o jogo estava 1 a 0", afirmou.

Vale ressaltar que o Fla, diante do apertado calendário da temporada, vinha mesclando um pouco o time. Na próxima quarta-feira (19) há o confronto com a LDU, do Equador, no Maracanã, que pode assegurar ao time da Gávea a vaga nas oitavas de final da Libertadores.

Flamengo