PUBLICIDADE
Topo

Santos

Peres aguarda Conselho, nega ter endividado Santos e vê R$ 500 mi em elenco

José Carlos Peres, presidente do Santos - Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC
José Carlos Peres, presidente do Santos Imagem: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

30/10/2020 04h00

Afastado da presidência, José Carlos Peres aguarda o Conselho Deliberativo do Santos para apresentar sua defesa. O mandatário eleito no fim de 2017 para o triênio 2018-2020 quer voltar a comandar o clube que está sob a tutela do vice Orlando Rollo. Os dois são rachados desde que foram eleitos.

Peres afirma que não endividou o Santos. O Peixe recebeu dois processos na Fifa durante sua gestão por não pagar pelas contratações de Soteldo, junto ao Huachipato (Chile) e de Felipe Aguilardo, ex-Atlético Nacional (COL). O Internacional chegou a estudar entrar na Justiça por Eduardo Sasha, mas desistiu após acordo com o clube por Yuri Alberto.

"Eu não fiz dívida bancária. Só fizemos investimento e estouramos orçamento em 2019 porque vendemos um jogador por 54 milhões de euros [Rodrygo, ao Real Madrid]. Eu não endividei o clube. Estávamos prevendo fazer uma venda no final de 2019 para pagar o Soteldo. Deixei de pagar pela falta de uma venda que contávamos com ela, mas tem o ativo para vender, mas não para dar de graça", disse Peres em entrevista à Rádio Bandeirantes.

O ex-mandatário santista alega já ter sua defesa pronta para apresentar à Comissão de Inquérito e Sindicância, que sugeriu a abertura do processo de impeachment que afastou Peres do clube por, a princípio, 60 dias. Ele aguarda o Conselho Deliberativo para enviar os papéis. A partir daí, a CIS irá analisar e novamente colocar em votação no plenário do CD.

Recentemente, Peres enviou - em um grupo criado por ele e revelado pelo UOL Esporte - argumentos de defesa contra seu afastamento. Para ele, o Peixe hoje dispõe de quase R$ 500 milhões em ativos no elenco profissional. Peres avalia da seguinte forma sete jogadores do Santos:

  • Marinho: entre 8 e 10 milhões de euros (R$ 54 a R$ 67 milhões)
  • Soteldo: por volta de 20 milhões de euros (R$ 135 milhões)
  • Felipe Jonatan: cerca de 7 milhões de euros (R$ 47 milhões)
  • Diego Pituca: por volta de 6 milhões de euros (R$ 40 milhões)
  • Kaio Jorge: entre 15 e 20 milhões de euros (R$ 101 a R$ 135 milhões)
  • Lucas Veríssimo: entre 8 e 10 milhões de euros (R$ 54 a R$ 67 milhões)
Ainda segundo Peres, em sua argumentação, o Santos tinha, em 2017, R$ 2,40 em dívidas para cada R$ 1 de patrimônio, durante o último ano da gestão Modesto Roma Jr.. Em 2018, primeiro ano da gestão dele, o número foi para R$ 1,39 para cada R$ 1. No ano seguinte, houve aumento: R$ 2,09 para cada R$ 1.

"Vim de mercado financeiro. Os clubes são mal administrados, mas na maioria dos casos é impossível você pagar estas dívidas de centenas de milhões de reais contando só com receitas, isto é impossível, principalmente nesta pandemia que já dura nove meses. Então, você tem que apostar em contratações que possam dar retorno em termos de premiações em competições, e às vezes dá errado, muito errado. Então, infelizmente, há poucas saídas. Você assume o clube com dívidas impagáveis, um curto prazo que asfixia. E cada vez fica maior, contas bloqueadas, e receitas pífias diante do volume de contas a pagar. Enfim, presidentes dos clubes médios e grandes, eu calculo uns 30 se muito, vivem 24 horas em um moedor de carne incontrolável", disse Peres.

No último dia 22, Peres afirmou, ainda no grupo, que estaria "liberado para falar e se defender". No mesmo dia, afirmou que sua família vinha sendo ameaçada e que prestaria queixa em uma delegacia. O Boletim de Ocorrência, entretanto, não foi enviado pelo mandatário.

Em contato com o UOL Esporte, Peres afirmou que foi a "língua afiada do interino" que fez com que ele tomasse a decisão de falar. O presidente afastado contratou dois advogados para auxiliarem no processo.

A reportagem procurou Orlando Rollo para comentar sobre a crítica de Peres, mas o mandatário não respondeu até a publicação desta matéria.

Santos