PUBLICIDADE
Topo

Os bastidores da dispensa de Loco Cortez pelo Botafogo

Cortez mostrou potencial nos treinos, mas acumulou polêmicas com hábitos incompatíveis com a vida de um atleta - Vitor Silva/BFR
Cortez mostrou potencial nos treinos, mas acumulou polêmicas com hábitos incompatíveis com a vida de um atleta Imagem: Vitor Silva/BFR

Bernardo Gentile

Do UOL, no Rio de Janeiro

28/07/2020 04h00

A chegada de Gabriel "Loco" Cortez ao Botafogo gerou certa surpresa no Equador, país natal do atleta. Por ter fama de indisciplinado, embora muito talentoso, foi levantada a dúvida sobre o que levou o Alvinegro a arriscar tanto nesta contratação.

Os seis meses que ficou no Botafogo serviram para confirmar toda a impressão da mídia equatoriana. Ficou claro para a comissão técnica que o apoiador sabia o que fazer com a bola, mas desde os primeiros dias houve uma batalha com a balança. Com hábitos alimentares incompatíveis com a de um atleta, ele ganhava peso muito fácil, mesmo após algumas semanas de dieta.

Os quilos a mais, no entanto, não eram os únicos problemas. O gosto pela noite atrapalhava seu desempenho nos treinos. Isso foi percebido antes da pandemia e, com a quarentena, havia a expectativa que ele se acalmaria, mas não foi o que aconteceu. Noites de bebedeira e farras aconteceram no próprio apartamento com amigos.

As frequentes festas fizeram com que Cortez perdesse a hora, o que resultava em atraso em algumas atividades. Membros da comissão técnica, inclusive, suspeitavam que em alguns dias o jogador teria treinado até mesmo sem dormir.

Tudo isso, porém, não impediu o bom relacionamento com os companheiros. Descontraído, ele era querido pelo grupo e sempre se demonstrava feliz de estar no clube. A única exceção era justamente os atrasos salariais. O equatoriano ficava bastante irritado com o assunto, o que para os mais próximos refletia nos treinamentos.

Havia uma conversa por parte do grupo tentando incentivá-lo para que isso não interferisse no seu desempenho e, consequentemente, nas oportunidades que teria em campo. Mas de nada adiantou. O desinteresse foi tão grande que o técnico Paulo Autuori tomou a decisão de que Cortez não estaria mais nos planos do Botafogo.

A conversa não foi muito bem recebida pelo jogador, que ficou alguns dias abatido, até que se viu no meio de uma confusão após fazer uma live bebendo com os amigos e tecer elogios ao Flamengo, maior rival do Botafogo. Foi nesse momento que os problemas envolvendo Cortez foram externados.

A torcida não gostou nem um pouco e criou um ambiente de pressão para um atleta que já não estava mais nos planos. Autuori, novamente, tratou de dar explicações e contou que tudo estava definido antes do problema com as redes sociais.

A reação da imprensa equatoriana com a dispensa do jogador pelo Botafogo foi de conformidade, sem qualquer surpresa. O site Info Cancha colocou no título: "Cortez fez mais uma das suas e não continuará no Botafogo". Já o El Comercio, um dos principais jornais do país, escreveu: "Cortez voltou a gerar polêmica por suas atuações fora do campo".

No total, Gabriel "Loco Cortez disputou quatro partidas com a camisa do Botafogo nos seis meses em General Severiano. Muitas polêmicas e pouco futebol é uma frase mais do adequada para resumir a frustrante passagem do equatoriano pelo Brasil.

Botafogo