PUBLICIDADE
Topo

Chávare celebra um ano na base do Atlético-MG e sucesso em novo modelo

Júnior Chávare é diretor da base do Atlético-MG - Reprodução/TV Galo
Júnior Chávare é diretor da base do Atlético-MG Imagem: Reprodução/TV Galo

Do UOL, em Belo Horizonte

25/05/2020 12h00

O diretor executivo da base do Atlético-MG, Júnior Chávare, completou um ano de clube nesta semana com números expressivos. Desde que assumiu o departamento no final de maio de 2019, o Galo vem passando por seguidas reestruturações e aperfeiçoamentos em sua atividades.

Falando do momento atual, o principal se deu nos últimos dois meses, quando os clubes entrarem em quarentena e o Atlético demonstrou agilidade ao conseguir enviar seus quase 100 jogadores da base para suas residências, com segurança e arcando com todos os gastos.

Outro ponto relevante deste momento foi a cartilha adotada pelo clube junto aos garotos, com acompanhamento quase que diário pela comissão técnica das diferentes categorias e comprovação do trabalho por meio de vídeos gravados e avaliados posteriormente - o clube foi um dos primeiros a tomar essa medida.

"São garotos de 12 estados diferentes, e em 72 horas conseguimos agilizar tudo. Acredito que foi um case de sucesso, pois enquanto muitos clubes pensavam em manter esses meninos alojados, nós demos um passo adiante e optamos pela decisão de que seria melhor eles ficarem ao lado de seus familiares. E nada disso teria acontecido se não fosse a presença e tomada de decisão contundente do nosso presidente Sérgio Sette Câmara e do Alexandre Mattos, que havia acabado de chegar e deu todo o respaldo possível", conta Chávare.

Desde que assumiu a função, Chávare conta que cerca de 4 mil atletas foram avaliados em mais de 20 estados do Brasil. Essa observação é feita por seis profissionais distintos, que se dividem pelas diversas regiões do país. "É um trabalho minucioso, tanto que desse total avaliado, foram 70 atletas captados apenas. E não aumentamos o número de atletas, já que muitos haviam sido dispensados", revela.

Vale ressaltar que o Atlético-MG investe pesado na categoria. Além dos observadores e analistas técnicos, existe um núcleo de projeto social voltado para comunidades carentes e vulnerabilidade social. Esse trabalho é feito em áreas de risco, com avaliações em locais que ninguém imaginaria, como embaixo de viadutos ou em campos de várzea localizados em periferias, principalmente São Paulo, Rio de Janeiro e, claro, Minas Gerais. "São locais em que ainda existem os tradicionais campinhos de terra, onde costumo dizer que o futebol-raiz resistiu à modernidade", afirma Chávare.

O clube também está atento às grandes competições de base, como a Copa São Paulo de Futebol Jr. Com observadores em todas as cidades do interior paulista, 17 atletas foram selecionados e seis permaneceram na Cidade do Galo. Um detalhe: as contratações foram feitas sem gastos, com empréstimo gratuito e opção de compra em caso de manutenção - algo que se tornou praxe na gestão do executivo. Além disso, a maioria das contratações mantém o mesmo padrão: empréstimo gratuito com opção de compra.

Em resultados, 2019 pode ser considerado de sucesso para a base atleticana, afinal, as equipes sub-20, sub-15 e sub-14 mantiveram a hegemonia no estado com boas campanhas e taças, além de ter 12 atletas convocados pelas seleções de base. O sub-17 passou perto, e por incrível que pareça, terminou a competição estadual com vice-campeão invicto, perdendo a decisão nas penalidades.

Mas o que o torcedor mais cobra, obviamente, é que essas 'joias' subam rapidamente para o time profissional e vinguem como grandes craques. De acordo com Chávare, esse é um processo que iniciou-se sob a gestão dele na diretoria executiva do Galo e que teria uma intensa continuidade na atual temporada.

"Já foi conversado internamente e queremos colocar cada vez mais em prática o DNA Alvinegro. Esse projeto tem a ver com novas técnicas de treinamentos que priviligiem a tática e a criatividade, mas também que trabalhe características emocionais, nutricionais, além da parte técnica e física. Se fizermos isso com uma frequência maior, certamente esses garotos vão chegar no time de cima muito mais gabaritados".

Com o futebol parado, Chávare entende que o momento é de reflexão do quanto a base será um divisor de águas para quando o futebol voltar ao normal. E o Galo precisa estar à frente dos outros. "Eu não tenho dúvida que as categorias de base vão salvar o futebol, e nós precisamos estar preparados. Queremos os melhores dentro e fora de campo, privilegiando sempre a lapidação e revelação desses meninos, sem focar em conquistas. A partir do instante que você forma grandes elencos, ambos surgem naturalmente. Um passo já foi dado nesses últimos meses com o aperfeiçoamento do projeto da base, muito em razão da importância que foi dada a isso pelo nosso presidente Sérgio Sette Câmara. Não paramos um só minuto", encerra o executivo.

Atlético-MG