PUBLICIDADE
Topo

O que Ceni falou na coletiva pós-goleada que originou crítica de Fábio

Do UOL, em Belo Horizonte

21/05/2020 09h43

Em entrevista concedida ontem (20) à ESPN, Fábio criticou a relação de Rogério Ceni com o elenco do Cruzeiro. De acordo com o goleiro, a coletiva do treinador dada após derrota por 4 a 1 para o Grêmio, no ano passado, foi decisiva para a ruptura da relação entre o treinador e o plantel. Por isso, O UOL Esporte recuperou o que disse o ex-comandante da Raposa na ocasião.

Fábio apontou que a fala do então técnico para a imprensa após a goleada para os gremistas foi na contramão do que ele mesmo havia pedido aos seus jogadores no jogo anterior, na derrota para o Inter, no Beira-Rio: não lavar roupa suja diante dos jornalistas. Ceni passou essa orientação depois que Thiago Neves criticou a formação inicial do time para o duelo contra os colorados. E, logo na primeira partida depois, o comandante reagiu à derrota indicando um suposto "corpo mole", no entendimento do arqueiro —veja acima os gols do jogo do racha, Cruzeiro 1 x 4 Grêmio.

"Também faço parte de tudo isso, apesar de ter chegado recentemente. Eu até me sinto envergonhado de vir aqui, só venho por educação, para cumprir o meu papel. Eu já perdi, mas existem maneiras e maneiras de se perder. A única coisa que digo para você é que, se for para continuar no Cruzeiro, precisa ser de maneira diferente", disse Ceni, à época.

"Vamos ter que mudar, se não não faz sentido eu ficar aqui e muito menos aparecer aqui para dar entrevista. Se for para ficar no Cruzeiro, continuar no Cruzeiro, eu preciso fazer algo diferente. Se não, eu tenho que passar a vez para outra pessoa que tenha uma mentalidade diferente", completou.

Siga o UOL Esporte no

Ao falar sobre Ceni, hoje técnico do Fortaleza, Fábio insinuou que o treinador adotava posturas diferentes quando conversava com o elenco do Cruzeiro e quando atendia a imprensa.

"Eu sou bem direto, o Rogério teve uma parcela de culpa na sua saída também, pela forma que geriu alguns momentos, principalmente quando a gente teve a oportunidade de estar frente a frente com o Rogério. E situações que saíram da própria boca dele, quando chegou na frente da imprensa, ele agiu de uma outra forma. Com certeza, vai existir um atrito muito grande do atleta com o técnico, fora as circunstâncias que vocês acompanharam", contou Fábio.

"Começou lá no jogo do Internacional, com a afirmação do Thiago sobre a escalação do Edilson. Começou esse atrito. Depois, houve uma reunião do Rogério, ele falou que poderia ter afastado o Thiago, ter mandado o Thiago embora, mas como o Thiago pediu desculpa, ele esqueceu aquele problema e falou que estava tudo resolvido. Depois, naquela reunião, ele falou que tudo que acontecesse, ele queria que nada mais fosse colocado na imprensa, que resolveria tudo internamente", completou.

Fábio se referiu às declarações de Thiago Neves dadas após a derrota por 3 a 0 para o Internacional e a consequente eliminação da Copa do Brasil. Na ocasião, o meia afirmou que "mudar três, quatro nomes para uma semifinal é muita coisa" e que a improvisação de Jadson na lateral direita, função que Edilson vinha exercendo, foi "complicado".

Ainda segundo Fábio, a relação piorou de vez no jogo seguinte, a derrota para o Grêmio, que teve a já citada coletiva de Ceni na sequência.

"Na sequência, fomos para um jogo contra o Grêmio no Independência, perdemos por 4 a 1 num domingo de manhã. E ele falou um monte de coisa, como se tivéssemos entregado o jogo. Ali foi o maior atrito que aconteceu. Ficou muito nítido, falou praticamente que a gente quis entregar o jogo para que pudesse tirar ele do cargo. Teve outras circunstâncias que geraram desgaste até o jogo do Ceará. Foi isso que aconteceu. O resto, o que qualquer um falar, é mentira", declarou.

Cruzeiro