PUBLICIDADE
Topo

Taça Rio pode mostrar nova face de Jesus no Flamengo, com reforços à espera

Jorge Jesus comanda o Flamengo em vitória sobre o Boavista no Maracanã - Thiago Ribeiro/AGIF
Jorge Jesus comanda o Flamengo em vitória sobre o Boavista no Maracanã Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

24/02/2020 04h00

A conquista da Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca, pode representar um alívio no calendário do Flamengo em 2020 e até mesmo fazer com que o técnico Jorge Jesus mostre uma outra face no Rio, com mais disposição a fazer testes e um rodízio mais intenso. Os badalados reforços do clube neste ano, aliás, estão aí para isso, aguardando mais chances.

O título —que veio após virada sobre o Boavista— faz com que o Rubro-Negro já garante vaga na final do Estadual, tirando um pouco do peso da Taça Rio pelos lados da Gávea. E a segunda metade do Carioca acontecerá entre o início de março e o começo de abril, período em que estão agendados quatro dos seis compromissos da equipe pela fase de grupo da Libertadores.

O cenário permite que o técnico Jorge Jesus possa dar uma atenção maior à competição sul-americana, na qual o Flamengo busca o bi, e evite sustos como os de 2019, quando, à época comandado por Abel Braga, chegou à última rodada da fase de grupos necessitando de um empate para alcançar as oitavas de final.

A Taça Rio, inclusive, pode fazer com que Jesus se "mostre diferente", poupando mais e fazendo testes diversos na equipe. Na última temporada, o treinador do Fla chamou a atenção por usar, quase na totalidade dos jogos, a força máxima que tinha à disposição. Poucas foram as oportunidades em que o torcedor viu em campo um time reserva ou misto.

Uma das justificativas para tal estratégia era cumprir o objetivo de conquistar todos títulos que o Flamengo disputava. Sob o comando do treinador, o time rubro-negro conquistou o Campeonato Brasileiro e a Libertadores.

A própria final da Taça Guanabara, quando usou apenas dois titulares, mostrou que Jesus está calculando os riscos e colocando prioridades. Ao explicar a escalação, ele citou a final da Recopa Sul-Americana, contra o Independiente del Valle, do Equador. O segundo jogo será nesta quarta-feira, após empate em 2 a 2 em Quito.

"Depois que voltamos do Equador, analisando o jogo e a carga que teve, o que poderia acontecer à equipe se jogasse hoje [contra o Boavista]. Jogaria no limite do risco da lesão. Tentamos não correr este risco", disse.

Com essa chance de fazer mexidas sem comprometer o planejamento dentro do Carioca, Jesus pode também dar mais oportunidade a alguns reforços que chegaram à Gávea nesta janela. O volante Thiago Maia fez a estreia no último sábado e o atacante Pedro Rocha ainda nem sequer atuou. Michael, que vem sendo usado com certa regularidade, ainda não foi titular.

"[Pedro Rocha] Tenho dificuldade de lhe dar algum tempo de jogo. Mas vai haver muitos jogos, vamos continuar com o Carioca, onde ele vai atuar. A posição dos nossos atacantes requer conhecimento tático com bola e sem bola. Ele anda à procura disso", apontou o Mister.

Mesmo com a ressalva de que a decisão final é do 'Mister', Marcos Braz, vice-presidente de Futebol, apontou que a Taça Rio poderá ser utilizada para dar rodagem ao elenco.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que foi informado na legenda da imagem, o Flamengo venceu o Boavista, e não foi derrotado. O erro foi corrigido.

Flamengo