PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Sem fartura, clubes do Brasil têm dificuldades em mercado da bola morno

Luan acertou com o Corinthians em uma das principais contratações do mercado da bola - Jeferson Guareze/AGIF
Luan acertou com o Corinthians em uma das principais contratações do mercado da bola Imagem: Jeferson Guareze/AGIF

Arthur Sandes e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

06/01/2020 04h00

Depois de anos mais movimentados, protagonizados principalmente por Palmeiras e Flamengo, mas com participações ativas de São Paulo, Corinthians e outros clubes, o mercado da bola dá sinais de ter esfriado em 2020. Atingidos por elencos grandes, dívidas, dificuldades na busca por bons negócios e ressacas dos investimentos do passado, os clubes mais tradicionais do futebol brasileiro têm tido atuações, em geral, tímidas.

Um levantamento feito pelo UOL Esporte mostra que, nesta janela de transferências, somente 44 jogadores foram contratados por clubes do Brasileirão. É apenas uma parcial por enquanto, afinal os campeonatos ainda não começaram, mas a diferença para 2019 é grande: há uma redução de 75% em relação ao ano passado, quando 180 reforços foram anunciados. O período de transferências termina no dia 2 de fevereiro.

Quem mais se mexeu até agora foi o Atlético-GO, que tem 11 novas peças. O Sport tem dez reforços, e o Red Bull Bragantino tem sete —três clubes que subiram da Série B. Entre os clubes que permanecem na Série A, por enquanto quem mais contratou jogadores foi o Ceará, que ontem anunciou Rafael Sóbis.

O levantamento trata apenas de contratações, definitivas ou via empréstimos, mas exclui atletas que retornam após empréstimos a outros clubes. Neste critério, por enquanto quem mais reduziu a chegada de reforços foi o Goiás: em 2019 foram 18; neste ano, apenas um: o goleiro Tadeu, que no ano passado jogou emprestado da Ferroviária-SP.

Por outro lado, o Flamengo é o único que mantém o padrão. Com o elenco praticamente fechado e trabalhando para manter os titulares de 2019, vai pouco ao mercado. Foi quem menos contratou há um ano (quatro), e desta vez levou três reforços: Gustavo Henrique, Pedro Rocha e Thiago, ponta ex-Náutico. A maioria das equipes consideradas mais tradicionais não realizou contratações de peso.

Paulistas lutam contra déficit, e só Corinthians faz barulho

Protagonista no mercado nos últimos anos, o Palmeiras até agora anunciou apenas o técnico Vanderlei Luxemburgo. Após anos de bons resultados financeiros, o alviverde previa, até dezembro do ano passado, a possibilidade de fechar o ano com déficit na casa dos R$ 60 milhões. A situação financeira, aliada à saída do ex-diretor Alexandre Mattos, que atuava de forma agressiva em contratações, resulta em uma postura mais conservadora, focada em desoneração de folha e saída de jogadores.

Realidade ainda pior vive o São Paulo, que até o momento apenas selou as permanências de Igor Vinicius, Vitor Bueno e Tiago Volpi. O clube do Morumbi fechou 2019 com um déficit de R$ 180 milhões, e tem nas vendas de atletas as principais saídas para turbinar as receitas e tentar evitar que o cenário se agrave. O Santos, também enfrentando problemas financeiros, tem no treinador português Jesualdo Ferreira o principal "reforço"; no elenco de jogadores, vem trabalhando à base das trocas, com as chegadas de Raniel e Madson.

O Corinthians aparece como a grande exceção. Embora partilhe dos problemas financeiros dos rivais —a última projeção falava em fechar o ano com déficit de R$ 144 milhões— o alvinegro investiu pesado na contratação de Luan, trouxe Victor Cantillo e está perto de anunciar o lateral esquerdo Sidcley. Além disso, está na corrida pela contratação de Michael, do Goiás. A diretoria garante que tem como arcar com os investimentos, e aposta em parceiros comerciais e venda de jogadores.

No Rio, Flamengo mantém padrão e estabilidade e sai na frente de rivais

Campeão brasileiro, da Libertadores e vice-campeão Mundial, o Flamengo vive uma realidade mais tranquila e distante das dificuldades enfrentadas pelos adversários paulistas e rivais cariocas. O rubro-negro trabalha na manutenção da maior parte do elenco vencedor de 2019, negocia com a Internazionale para contratar Gabigol em definitivo e já se reforçou com Gustavo Henrique, Pedro Rocha e Thiago, ponta ex-Náutico.

O Fluminense ainda não anunciou nenhum jogador, apenas o técnico Odair Hellmann, e trabalha para enxugar o elenco —até agora, foram onze saídas. O clube monitora e busca reforços, mas adota postura cautelosa. O Vasco adota postura semelhante, tendo anunciado o atacante argentino Germán Cano, e já emprestado quatro jogadores.

O Botafogo, por sua vez, acertou ontem com Bruno Nazário, o sexto reforço para a temporada. A maioria das novas chegadas é de apostas de menor custo: o lateral-esquerdo Guilherme Santos, o zagueiro Ruan Renato, o volante Thiaguinho e os atacantes Alexander Lecaros e Pedro Raul.

Em Minas e no Sul, cenário é de contenção de gastos, com poucas exceções

Após um ciclo de altos investimentos até 2017, o Atlético-MG também adota postura mais cautelosa, e ainda não anunciou reforços de peso. A principal chegada é do técnico venezuelano Dudamel, e já foram concretizadas seis saídas, e a expectativa da diretoria é dispensar alguns salários a mais. O rival Cruzeiro, rebaixado para a Série B, precisa lidar com um elenco no qual mais da metade dos atletas está acima do teto salarial recém-estabelecido. Quem sai? Quem fica? São diversos atletas valorizados e de futuro incerto.

O Internacional liberou 20 atletas para abrir espaço no caixa, mas tem buscado negócios de oportunidade. Rodinei assinou por empréstimo após o Flamengo topar negócio sem receber compensação. Damián Musto foi pedido pelo treinador Eduardo Coudet e assinou também sem exigir pagamento ao Huesca-ESP pelo contrato. O Grêmio apostou em Lucas Silva como a maior contratação anunciada até o momento, e selou a chegada de Victor Ferraz em uma troca com o Santos, cedendo Madson.

Red Bull rouba a cena, e Bahia tenta reforços em clubes mais tradicionais

Com a postura cautelosa dos clubes mais tradicionais, quem vem roubando a cena no mercado da bola é o Red Bull Bragantino. Com seis reforços, o clube de Bragança Paulista pretende totalizar R$ 200 milhões em gastos para a montagem de elenco, já gastou mais do que São Paulo, Corinthians e Palmeiras juntos e busca montar um elenco jovem e competitivo.

O Bahia também vem tentando contratações ousadas, e conversa com o Corinthians por Clayson. O clube baiano já acertou com Jadson, ex-Cruzeiro, e trabalha pelas chegadas de Juninho Capixaba e Guilherme, do Grêmio - este último foi artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro no ano passado, pelo Sport.

Depois de uma excelente campanha em 2019, o Athletico tenta manter os destaques do elenco e se reforçar para a disputa da Libertadores. Para o ataque, acertou com Felipe Vizeu, que chega para substituir Marco Ruben. O clube paranaense tem adotado uma postura dura e não facilita as saídas de destaques que interessam a outros clubes, como Bruno Guimarães, Nikão e Rony.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que informado anteriormente, o Flamengo é um time rubro-negro e não alvinegro. O erro foi corrigido.
ESPN, Ei PLus e Fox Sports

Assista aos jogos e programas de ESPN, EI Plus e Fox Sports sem TV a cabo.

Futebol