Topo

Santos revisita cenário de duvidas de 2018 antes de enfrentar Fluminense

Sampaoli durante jogo entre Santos e Flamengo no Maracanã - Sergio Moraes/Reuters
Sampaoli durante jogo entre Santos e Flamengo no Maracanã Imagem: Sergio Moraes/Reuters

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

24/09/2019 04h00

Pazes com a torcida, futebol bonito e "Sampaolismo". O 2019 do Santos parecia totalmente diferente do ano passado, quando o Peixe sofreu com longos períodos sem vitória e de time desorganizado em campo. Agora sua torcida volta a encarar um período de questionamento: o clube chega ao duelo com o Fluminense, no Maracanã, em situação semelhante à da última temporada.

A tabela de classificação, claro, ainda apresenta diferença considerável. O Santos está na terceira posição. Antes da 21ª rodada do Brasileirão 2018, era o 13º. Por outro lado, o contexto em campo era semelhante. Antes de bater o Fluminense por 1 a 0, com gol do hoje flamenguista Bruno Henrique, no ano passado, o Peixe vinha de uma vitória nos últimos oito jogos; hoje tem também uma vitória, mas em sete partidas.

O triunfo sobre o Fluminense naquela época foi suficiente para manter o pressionado técnico Jair Ventura no cargo. Não demoraria para o treinador cair, porém — algo que aconteceu após quatro jogos.

Desta vez o argentino Jorge Sampaoli não está pressionado. O presidente José Carlos Peres já ressaltou que mantém confiança "total e absoluta" no trabalho do estrangeiro, mesmo num período de oscilação.É a segunda vez na temporada que o Santos vence apenas um jogo em sete. A primeira abrangeu a reta final do final da fase de grupos do Campeonato Paulista, quando o Peixe já estava classificado, os mata-matas do próprio estadual e Copa do Brasil. A única vitória nesse período foi pelas quartas de final, sobre o Red Bull Brasil, que garantiu passagem às semis.

Naquele período, o Peixe chegou a poupar jogadores em pelo menos três partidas (Novorizontino, Botafogo-SP e Atlético-MG). A sequência atual é mais preocupante. Desta vez, Sampaoli procurou escalar sempre força máxima -- desfalques por lesão, suspensão ou convocação à parte -- e saiu derrotado em três confrontos diretos: contra São Paulo, Flamengo e Grêmio.

No pior momento do Santos no ano, Sampaoli sequer poderá comandar o time da beira do campo, já que está suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Sob o comando do auxiliar Jorge Desio, o Peixe tenta a vitória para se recuperar nesta quinta-feira, às 20h, no Maracanã.