Topo

Capitão do Sport em 87 critica Zico por 'posse' de título: "fica quieto"

Zico jogando pelo Flamengo em 1987, ano da polêmica Copa União - Jorge Araújo / Folhapress
Zico jogando pelo Flamengo em 1987, ano da polêmica Copa União Imagem: Jorge Araújo / Folhapress

Marcello De Vico e Vanderlei Lima

Do UOL, em Santos e São Paulo

26/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Estevam Soares se emocionou ao falar sobre o título de 1987
  • Ex-zagueiro criticou Zico por não reconhecer o título do Sport
  • "Me aborreci com o Zico declarando 'sou o campeão brasileiro de 87'"
  • Estevam disse ainda que Fla e Inter deveriam ter sido suspensos

Zagueiro e capitão do Sport no polêmico título brasileiro de 1987, Estevam Soares ainda não engole o fato de o Flamengo se autodenominar campeão brasileiro, por meio da Copa União, de 1987. O hoje técnico desabafou em entrevista exclusiva ao UOL Esporte e criticou até mesmo os ex-jogadores rubro-negros como Zico e Júnior, que, segundo ele, deveriam admitir a conquista do time pernambucano.

"O que eu me aborreço e me aborreci uns tempos atrás é ver um ex-jogador que é um ídolo nosso, o Zico, declarando: 'eu sou o campeão brasileiro de 87'. Não, meu irmão, espere aí. É por isso que estamos aonde nós estamos, por isso que acontece o que acontece [no Brasil], por conta dessas coisas. Desculpa meu desabafo, e pode até pôr 'o meu desabafo', porque fica esse negócio... 'Ah, porque eu sou Hepta'. Os torcedores... Agora, os caras de dentro falarem isso? Presidente, Zico, Junior, os caras que defenderam a seleção brasileira, defenderam o país... Fica quieto, meu! Por mais que você não concorde, não fala nada", disparou Estevam Soares.

Entre idas e vindas ontem (25), a CBF afirmou que reconhece uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que dá ao clube pernambucano o título nacional em 1987. Quatro horas mais tarde, porém, retificou seu posicionamento em contato com UOL Esporte para afirmar que, "a título de opinião", considera o Flamengo o campeão brasileiro daquele ano. Entenda mais sobre a polêmica.

"Não tem outro campeão brasileiro de 87 a não ser o Sport, infelizmente para eles e felizmente para nós, torcida do Sport, e felizmente para mim, que fui o primeiro capitão a levantar a Taça das Bolinhas, tive e tenho essa honra. A foto não é de graça, tenho a foto levantando e tenho orgulho de ser o primeiro capitão a levantar a Taça das Bolinhas, então pronto, o que os caras querem falar?", acrescentou o ex-zagueiro em desabafo emocionado à reportagem.

Hoje técnico, Estevam Soares era o zagueiro e capitão do Sport em 87 - Divulgação/Portuguesa
Hoje técnico, Estevam Soares era o zagueiro e capitão do Sport em 87
Imagem: Divulgação/Portuguesa
Depois de recordar os polêmicos acontecimentos da Copa União de 1987, Estevam Soares justificou o título do Sport e disse que, em um país sério, Flamengo e Inter teriam sido punidos.

"Em qualquer país onde a legislação prevalece, Flamengo e Internacional seriam suspensos por um, dois anos, de todas as competições, porque se negaram a disputar o que tinham assinado. Eu penso que o STF foi complacente com os clubes. A única coisa que eles fizeram é que os clubes não jogassem a Libertadores de 88, mas eles tinham que ser julgados, suspensos", disse Estevam, lembrando que, ao menos, Sport e Guarani ficaram com a vaga para o torneio continental no ano seguinte.

"Todos os clubes assinaram e levaram para a CBF, foi registrado em cartório, os 32 clubes assinaram. Em janeiro começava o quadrangular, primeiro jogo nós e Flamengo, e eles não compareceram, deu WO, com o Guarani deu WO em Campinas, e aí a CBF, em comum acordo, fez a final Sport e Guarani. Nós empatamos em Campinas e ganhamos na Ilha do Retiro. É falta de respeito, e os grandes ídolos tinham que... É por isso que nosso país sofre, é por isso que nós temos dificuldade", completou o ex-técnico de Palmeiras e Botafogo.

Relembre a polêmica de 1987

O debate sobre o título de 1987 é antigo. Naquele ano, a CBF sofria com crises financeiras e institucionais e relegou aos próprios clubes a missão de organizar o campeonato nacional. O movimento culminou na criação do Clube dos 13, com Atlético-MG, Bahia, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco, que disputariam um torneio entre eles chamado Copa União. A CBF interferiu, apostou em uma composição com Santa Cruz, Goiás e Coritiba e criou o Módulo Amarelo, outro pelotão de times em que os vencedores cruzariam com os dois primeiros colocados entre os times de maior torcida, o Módulo Verde.

Flamengo foi campeão da Copa União, organizada pelo Clube dos 13, em 1987 - Arquivo
Flamengo foi campeão da Copa União, organizada pelo Clube dos 13, em 1987
Imagem: Arquivo

A polêmica já começou aí: o Clube dos 13 disse que não disputaria o cruzamento e a CBF afirmou que haveria cruzamento. No meio das discussões, Eurico Miranda, que era representante do Clube dos 13 na CBF, aceitou o acordo e assinou o regulamento com cruzamento dos módulos para definir o campeão nacional de 87. Os clubes não aceitaram e mesmo assim o torneio se desenrolou.

O Flamengo venceu o Internacional por 1 a 0, foi campeão da Copa União, o chamado Módulo Verde, em 13 de dezembro de 1987, e afirmou que não haveria cruzamento. No mesmo dia, Guarani e Sport dividiram o título do Módulo Amarelo porque a final foi para os pênaltis e terminou 11 x 11. Os dois clubes vislumbravam o cruzamento com Internacional e Flamengo para decidir o campeão nacional da temporada. A CBF marcou as datas, mas os clubes do Módulo Verde não compareceram e os do Módulo Amarelo se classificaram e depois se enfrentaram em uma final. O Sport venceu e a CBF o proclamou campeão brasileiro de 1987.

No ano seguinte, o Clube dos 13 desistiu de organizar o Brasileiro e a CBF retomou a frente. No âmbito jurídico, a batalha entre os clubes só teve fim no ano passado, quando o STF deu ganho de causa aos pernambucanos e arquivou o processo, ou seja, a matéria foi dada como esgotada e não cabe mais discussão. O Flamengo informou, na ocasião, que apelaria para a Fifa.

Taça das Bolinhas foi criada em 1975 e deveria ser entregue ao primeiro clube que vencesse três vezes seguidas, ou cinco alternadas, o Brasileiro. Pela polêmica, hoje não tem dono  - Arquivo
Taça das Bolinhas foi criada em 1975 e deveria ser entregue ao primeiro clube que vencesse três vezes seguidas, ou cinco alternadas, o Brasileiro. Pela polêmica, hoje não tem dono
Imagem: Arquivo

Neste meio tempo, a CBF exibiu em alguns documentos o Flamengo como detentor do título de 1987 ao lado do Sport, como na ocasião em que Ricardo Teixeira considerou a conquista dividida em um "processo de recomposição histórica" ou na carta em homenagem ao goleiro Zé Carlos, que defendeu o Flamengo na conquista e foi considerado campeão brasileiro. Ele morreu em 2009, de câncer. Após o título do Campeonato Brasileiro deste ano, a CBF elencou a Copa União de 1987 na lista de títulos do Fla.

O Flamengo é campeão brasileiro em 1980, 82, 83, 92, 2009 e 2019 —um sétimo deveria ser adicionado aqui, o de 1987, segundo a "opinião esportiva" da entidade. Após a unificação dos títulos brasileiros de 1959 a 1970 oficializada em 2010, é o terceiro ou quarto maior ganhador ao lado do São Paulo, dependendo do critério. O Palmeiras soma dez títulos, o Santos, oito, e o Corinthians tem sete.

Flamengo